Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Análise do Prazo de Validade em Milho Verde Enlatado


A definição de prazo de validade compreende a avaliação de vários quesitos, sendo a garantia da integridade de suas propriedades para o consumo uma delas. Mas como é definido o prazo de validade dos produtos enlatados? Como a embalagem influencia nisto? No que a Integridade da mesma pode influenciar na garantia da qualidade do produto? Como seria com o milho verde enlatado? A lata estufada e amassada compromete o consumo seguro deste alimento?

Por Thaiane Vidal e Sara Lugão



Milho Verde Enlatado X Prazo de Validade

Prazo de validade é o tempo em que os produtos se encontram próprios para consumo, isto é o tempo em que os produtos mantém suas características organolépticas e, o mais importante, não há contaminação por microorganismos patogênicos. A ANVISA (Agencia Nacional de Vigilância Sanitária) regulamenta na RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002 a rotulagem de alimentos embalados, onde o prazo de validade é determinado como informação obrigatória.

Na indústria alimentícia o prazo de validade é determinado por testes de estabilidade acelerada, que são feitos em condições controladas de temperatura e umidade. O ambiente é alterado para que as mudanças aconteçam mais rápido. As amostras são checadas em intervalos regulares para detectar alterações microbiológicas, de cor ou de textura. Pelo menos três embalagens são abertas por vez para o caso de defeitos de fabricação. Depois, o material é descartado e as amostras restantes continuam no ambiente até completar os testes (6 meses), e em seguida é calculado o tempo que equivale. Os testes microbiológicos são os maiores determinantes da vida do produto. Mesmo se o produto continuar com aspecto idêntico ao original, o número de micro-organismos é o que o torna impróprio para o consumo. Os limites para cada classe de alimentos obedecem aos padrões microbiológicos estabelecidos pela ANVISA.

Para garantir a validade que consta no rotulo e evitar erros, existe uma margem de tolerância. Isto é, se a data de vencimento de um produto consta como um ano no rótulo é possível que ele só estrague um ou dois meses depois. Porem não é recomendo consumir nada depois da data de vencimento, pois essa margem varia por fabricante.
Muito importante também é informar na embalagem os cuidados de armazenamento. Pois se as condições em que os alimentos ficam armazenados são muito diferentes das condições de estudo, o prazo de validade não é válido. Ou seja, o produto pode deteriorar antes da data de validade que consta no rotulo.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 30% da população sofre pelo menos uma vez ao ano de intoxicação alimentar. Uma parte destas intoxicações é causada pelo consumo de alimentos fora do prazo de validade.

Se consumidos com o prazo de validade expirado, os alimentos podem causar intoxicação, infecção gastrointestinal ou alergias. Os principais sintomas são cólicas, dores abdominais, dores de cabeça, náuseas e vômitos. Além disso, a indústria não se responsabiliza por alimentos consumidos fora do prazo de validade.
No milho enlatado os maiores riscos à saúde vem da embalagem, que pode danificar-se, prejudicando a vedação, o que facilita a proliferação de fungos e bactérias que causam desde diarréia a alergias. Também deve-se atentar para o tempo em que o produto deve ser consumido após ser aberto.

É sabido que alguns fatores podem comprometer a qualidade dos alimentos para o consumo, mesmo que aos mesmos se encontrem dentro do Prazo de Validade. Alguns exemplos são:
 Armazenamento de grande quantidade de produtos em prateleiras refrigeradas, o que significa grande variação de Temperatura.
 Transporte inadequado
 Embalagens que inespecíficas ao alimento, não garantindo que o mesmo esteja inacessível a insetos e roedores.
 Condições de Higiene do local;
 E no caso de alimentos enlatados, como o milho verde, o consumo dos mesmos quando as suas latas estão amassadas ou estufadas. Sendo a relação entre o comprometimento da qualidade do alimento e este último exemplo, o tema abordado neste Trabalho.

Foram observadas 10 amostras de 5 marcas diferentes de milho verde enlatado, a fim de realizar da melhor maneira possível as observações a respeito de o quanto latas amassadas e estufadas podem deixar o produto inadequado para o uso, mesmo que esteja dentro do período de Validade.

Latas Estufadas
O processo de Estufamento das latas indica a presença de microorganismos, que através da realização de reações químicas, formam gases capazes de estufar a embalagem . Alguns fatores aumentam a vulnerabilidade do alimento à proliferação destes microorganismos, como:
 Processamento defeituoso do alimento – tratamento térmico falho (pasteurização, esterilização) permitindo a sobrevivência de microorganismos resistentes a temperaturas mais elevada.
 Prejuízo na conservação da lata durante a distribuição ou a exposição à venda permitindo a entrada de microorganismo.

Sendo assim, pode-se dizer que qualquer alimento (incluindo o milho verde), quando com sua lata estufada, mesmo que de dentro do prazo de validade, encontram-se inadequados para o consumo.


Latas Amassadas
Hoje a Lata amassada não prejudica a qualidade dos produtos no seu interior. E não são somente as latas modernas que possuem essa característica. Há mais de 40 anos as latas de aço são produzidas com películas protetoras flexíveis que não permitem a contaminação do alimento.

Segundo esclarecimento da Associação Brasileira de Embalagem de Aço (Abeaço) , a lata de aço possui uma película interna elástica que não se rompe e se molda à embalagem sem prejudicar a qualidade dos alimentos.

Analisando a situação, percebe-se que faz 40 anos que a usabilidade do aço para manter os alimentos foi moldada de acordo com as necessidades deste fim, mas o mito continua a ser passado de geração para geração.

Há 4 décadas, a Abeaço conta que alguns alimentos, tinham suas latas revestidas com uma espécie de película rígida de verniz que não permitia o contato do alimento com o aço. Ao sofrer algum choque, esta película, por ser rígida, se rompia permitindo o contato do alimento direto com o ferro da embalagem, causando alteração na aparência e no gosto do produto.

Essa película, com a evolução da tecnologia para produzir embalagens, deixou de ser rígida e passou a ser flexível. A mudança garante que o alimento não entre em contato com o aço e, mesmo quando amassada, a lata não desprenda de seu corpo qualquer tipo de sabor ferroso residual.

O esclarecimento deste assunto é importante, pois pode ajudar a evitar o desperdício de milhares de latas que são recusadas pelo consumidor.
Metodos de Preparo de Enlatados

Os principais processos de enlatamento são os seguintes: método convencional de retortas, preaquecimento e enlatamento do alimento quente e enlatamento rápido. As donas-de-casa usam mais ou menos os mesmos métodos dos enlatadores comerciais. Porém, elas lidam com pequenas quantidades de alimentos e usam equipamentos menos complicados.


Método Convencional de Retortas
É o processo comercial mais comum de enlatamento. É usado na conservação da maioria dos vegetais, frutas, peixes e carnes. Os enlatadores enchem e vedam os recipientes e em seguida submetem os alimentos a um processo de aquecimento. Colocam os recipientes em enormes retortas (cozedores), usando água ou vapor para produzir temperatura de 100ºC a 120ºC, a fim de eliminar os germes. O tempo de esterilização depende de temperatura, do tamanho do recipiente e do tipo de alimento. Os recipientes com maiores quantidades de alimentos levam mais tempo para serem esterilizados do que os recipientes com menores quantidades.

Preaquecimento e Enlatamento do Alimento Quente
Nesse método, os enlatadores primeiro aquecem bem os alimentos em caldeirões abertos ou em aparelhos especiais. Em seguida colocam-nos ainda quentes em recipientes esterilizados e vedam os recipientes. O calor dos alimentos mata qualquer microrganismo que possa entrar nos recipientes enquanto são cheios. Os enlatadores comerciais usam esse método apenas para conservar alimentos muito ácidos como suco de laranja, massa de tomate e geléias ou gelatinas. As temperaturas usadas no preaquecimento e no enlatamento dos alimentos quentes não passam de 90°C. Os alimentos não ácidos, como carne ou peixe, exigem temperaturas mais altas para esterilização.

Enlatamento Rápido
Os métodos de enlatamento rápido usam temperaturas altas, de 120° a 140°C durante curtos períodos de tempo. O enlatamento rápido evita certas mudanças que ocorrem nos alimentos durante períodos mais longos de aquecimento. Esse método só é usado com poucos tipos de alimentos, porque ocorrem mudanças químicas durante o armazenamento após o enlatamento. Entre os alimentos comercializados enlatados por este método estão os alimentos para bebês, o creme de milho, as carnes em conserva e molhos.

Conservantes
São aditivos utilizados especificamente com o objetivo de prolongar a conservação dos alimentos são chamados agentes químicos de conservação ou conservantes químicos. A utilização destes conservantes visa a inibição do crescimento e da atividade dos microrganismos e conseqüentemente o aumento do prazo de validade. Os agentes de conservação podem prejudicar as trocas celulares dos microrganismos, a atividade das suas enzimas, os mecanismos de síntese ou de reprodução, ou, então, modificar as condições físico-químicas do alimento, tornando-o menos propício ao desenvolvimento microbiano.Os conservantes químicos são geralmente utilizados como complemento de outros métodos de conservação (refrigeração, desidratação, tratamentos térmicos, etc.). A sensibilidade dos microrganismos a cada um dos conservantes varia conforme as espécies.

Exemplo de Aditivos: Sal, açúcar, vinho, vinagre, ácidos, tampões, antimicrobianos, antioxidantes e sequestrantes.

Com Vantagens para o Uso das Latas no Envase, tem-se
A lata preserva todas as características nutricionais dos alimentos. É ainda capaz de preservar os alimentos por mais tempo, com vida de prateleira variando de 12 a 60 meses. Além de garantirem segurança na alimentação, representam uma opção sustentável. Sendo 100% recicláveis, ajudam o meio ambiente, podendo ser reutilizadas para diferentes fins e infinitas vezes.
Em Números - O mercado de latas de aço movimentou em 2010 R$ 4 bilhões de reais, o que representa 600 mil toneladas produzidas. Deste montante, 70% estão relacionados aos alimentos enlatados





Sobre as amostras analisadas, foram coletado dados de 5 marcas, com 10 amostras de cada uma.
Seguem os Dados:
Marca: Jussara
Prazo de Validade: Não encontrado.
Ingredientes: Água, Milho, Sal
Modo de conservação: Apos aberto conservar em geladeira por no máximo 2 dias
Data de Vencimento:
Lata 1,2,3,4,6,7,8,9,10*: 04/13 - Tem 1ano e meio de prateleira aproximadamente
Lata 5 : 01/14 - Tem 2 anos e 3 meses de prateleira aproximadamente
Encontrada uma lata amassada

Marca: Jurema - Milho no Vapor
Prazo de Validade: Não encontrado.
Ingredientes: Água, Milho, Sal
Modo de conservação: Apos aberto conservar em geladeira por no máximo 2 dias
Data de Vencimento:
Lata 1,2,4,5,7 e 8 *: 08/13 - Tem 1 ano e 10 meses de prateleira aproximadamente
Lata 3,6,9,10 *: 10/13 - Tem aproximadamente 2 anos para ficar na prateleira.
Nenhuma lata amassada

Marca: Predileta
Prazo de Validade: Não encontrado.
Ingredientes: Água, Milho, Sal, Açúcar
Modo de conservação: Apos aberto conservar em geladeira por no máximo 2 dias
Data de Vencimento:
Lata 1 à 10 *: 08/13 - Tem aproximadamente 1 ano e 10 meses para ficar na prateleira.
Encontrada 2 latas amassadas

Marca: Swift
Prazo de Validade: 2 anos (calculados a partir da data de fabricação na lata - Fab: 10/08/11)
Ingredientes: Água, Milho, Sal, Açúcar
Modo de conservação: Apos aberta a embalagem, transferir o conteúdo para o recipiente de plástico ou vidro e conservar em refrigeração (4º C a 8º C) por no máximo 2 dias
Data de Vencimento:
Lata 1 à 10 *:09/08/13 - Tem aproximadamente 1 ano e 9 meses para ficar na prateleira.
Nenhuma lata amassada

Marca: Anglo
Prazo de Validade: 2 anos (calculados a partir da data de fabricação na lata - Fab: 12/07/11)
Ingredientes: Água, Milho, Sal, Açúcar
Modo de conservação: Apos aberta a embalagem, transferir o conteúso para o recipiente de plastico ou vidro e conservar em refrigeração (4º C a 8º C) por no máximo 2 dias
Data de Vencimento:
Lata 1 à 10*:11/07/13 - Tem aproximadamente
1 ano e 8 meses para ficar na prateleira
Nenhuma lata amassada

*As Latas foram enumeradas por marca a fim de proporcionar uma análise didática.
Conclusão
Com a correria do dia-a-dia, detalhes importantes para a saúde podem passar despercebidos. Mesmo com a data de validade presente nos rótulos dos produtos, ainda se compram e consomem alimentos fora das datas indicadas. Mesmo que o produto apresente boa aparência, repare nessas informações.
O produto fora do prazo, perde a garantida da qualidade determinada pelo fabricante, de suas propriedades nutricionais, podendo ainda provocar uma série de doenças.
Atente aos alimentos que costuma comer diariamente, nas suas características naturais, e nas informações fornecidas pelo fabricante, para que se alimentar seja sinônimo de satisfação e não de problemas Futuros.

Um comentário:

  1. eu achei isso muito bom adogoooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo mentira e eu adoro so a Deus ele e meu amor eu adoro do a eleeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee

    ResponderExcluir