Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Quantos "Serenatas de Amor" preciso comer para ficar feliz?


           Quem nunca comeu um chocolate para ficar feliz? Quem nunca se sentiu tão sozinho e triste num dia frio que teve vontade de comer um pote de brigadeiro sozinho? Que homem nunca deu um Serenata de Amor para sua namorada, esposa, amante? Pois bem, nesse post vamos discutir um pouco da bioquímica envolvida por trás desse tema tão discutido, mas pouco conhecido. Analisando o rótulo do Serenata de Amor, vamos ver quantos desses bombons precisamos comer para que tenhamos uma real mudança de estado de humor; quantos desses bombons são necessários para modular a síntese/liberação de serotonina; entre outros aspectos envolvendo a bromatologia em saúde.

         Apesar de não haver um consenso entre os especialistas, o fato é que vários trabalhos científicos têm apontado o poder de certos alimentos para espantar a tristeza, combater a depressão e a ansiedade e ainda melhorar o humor. Alguns destes alimentos, como os chocolates, ajudam a melhorar o humor e até a combater a depressão porque estimulam a produção e a liberação de neurotransmissores, substâncias que transmitem impulsos nervosos ao cérebro e são responsáveis pelas sensações de bem-estar. Já existem estudos científicos provando a presença desses precursores e até mesmo de serotonina em alguns chocolates. Ocorre, que, de qualquer maneira, o que importa é a presença de seus precursores, o que também foi comprovado em chocolates com diferentes concentrações de cacau.

A produção e a liberação desses neurotransmissores podem ser comprometidas por alguns fatores como distúrbios fisiológicos e deficiências nutricionais. Os três principais neurotransmissores relacionados com o humor são a serotonina, a dopamina e a noradrenalina. A serotonina, responsável pela sensação de bem-estar, proporciona ação sedativa e calmante. Já a dopamina e a noradrenalina proporcionam energia e disposição. A produção de serotonina é dependente da ingestão de alimentos fontes de triptofano - aminoácido precursor da serotonina - e de carboidratos. Já a dopamina e a noradrenalina são produzidas com o auxílio da tirosina, outro aminoácido importante na nossa alimentação. Vitaminas do complexo B e alguns minerais também estão envolvidos na modulação do humor.

Nossos níveis cerebrais dependem da ingestão de alimentos ricos em triptofano e de carboidratos. O triptofano, uma vez no cérebro, aumenta a produção do neurotransmissor. Dietas ricas em carboidratos podem ser utilizadas como coadjuvantes no tratamento de melhora do humor. Isso ocorre principalmente em pacientes que durante o episódio depressivo perderam peso consideravelmente.
Mas, mesmo com a relação entre carboidratos e humor comprovada, o consumo dos alimentos deve ser equilibrado e orientado por um profissional de nutrição, para evitar o ganho de peso excessivo. Quando falamos em carboidratos, devemos ter cuidado com o consumo excessivo de doces, que a princípio pode favorecer uma melhora de humor, e depois, agravar um quadro de tristeza. Quando comemos açúcar, o nível de glicose no sangue aumenta rapidamente e, com isso, o pâncreas produz mais insulina do que o normal.

Em excesso, a insulina acaba retirando mais açúcar do sangue do que deveria - provocando assim, hipoglicemia, que reduz a tolerância do organismo aos fatores que geram estresse. Uma alimentação pobre em nutrientes e cheia de açúcar, a longo prazo, tende a deixar a pessoa deprimida e cansada, pois o organismo se desgasta para metabolizar os alimentos e não tem a reposição dos nutrientes, que são o seu combustível. Assim como o triptofano e os carboidratos, outros nutrientes também contribuem para manter o pique. Um deles é a vitamina B6, encontrada em boas doses nos cereais integrais, na semente de gergelim, na banana e no atum. Ela é integrante de uma enzima importante, que participa da produção dos  neurotransmissores  norepinefrina e serotonina e, conseqüentemente, ajuda a melhorar o humor.

Ainda não existem estudos publicados que relacionam a quantidade de chocolate ingerida e a quantidade de serotonina produzida. Portanto, não podemos, ainda, traçar uma fórmula baseada apenas em Serenatas de Amor para sermos felizes completamente! De uma maneira geral, podemos dizer que para manter o alto astral é importante seguir uma dieta equilibrada, rica em carboidratos, proteínas, alimentos fonte de triptofano e tirosina, vitaminas e minerais. Não podem faltar cereais integrais, leguminosas (grão de bico, ervilhas e feijões), oleaginosas, carnes magras, peixes, ovos, leite, queijos magros, tofu, frutas e legumes. A ingestão adequada destes nutrientes, nos garante níveis adequados de neurotransmissores no organismo, proporcionando o controle do humor.

Infelizmente, ainda não existem alimentos ou nutrientes milagrosos que alteram o nosso humor, sozinhos. Existe, sim, um conjunto de nutrientes e a opção de seguirmos um plano nutricional apropriado para favorecer o bom humor. Vale ressaltar também que muitas situações fisiológicas podem complicar a liberação e a produção dos neurotransmissores, mesmo quando o indivíduo segue uma alimentação adequada.

Por enquanto, ficamos por aqui,e vamos comendo alguns Serenatas de Amor para ficarmos felizes, já que nesse mundo, não nos faltam motivos para desanimarmos!


Bibliografia



1.    Guillén-Casla V, et al.Determination of serotonin and its precursors in chocolate samples by capillary liquid chromatography with mass spectrometry detection. J Chromatogr A. 2012 Apr 6;1232:158-65.

2.    Silva NR. Chocolate consumption and effects on serotonin synthesis. Arch Intern Med. 2010 Sep 27;170(17):1608; author reply 1608-9.

3.    Ottley C. Food and mood. Nurs Stand. 2000 Sep 27-Oct 3;15(2):46-52; quiz 54-5.

4.    Benton D, Donohoe RT. The effects of nutrients on mood. Public Health Nutr. 1999 Sep;2(3A):403-9.

7 comentários:

  1. A alimentação pode de fato levar a uma melhora de humor em determinados casos. Principalmente se for saudável, e com alimentos que tenham em sua composição precursores das aminas biológicas. Entretanto, chocolate contém elevadas quantidades de gordura e carboidrato, que podem a longo prazo levar a um quadro de diabetes, que impedirá a ingesta de tais. Portanto, uma alimentação saudável, associada a exercícios físicos é fundamental. Pois exercícios também proporcionam uma considerável melhora no humor e aumenta a produção de endorfinas, que são os anestésicos orgânicos presentes em nosso cérebro.

    ResponderExcluir
  2. Tatiana dos Santos Matos24 de maio de 2014 01:18

    Chocolates são muito saborosos e qualquer pessoa, independente da idade, gosta. Quando há um anúncio que incita o consumo de chocolate ou uma pesquisa que mencione “a ingestão de chocolate faz bem à saúde”, o público de uma forma geral irá achar que qualquer chocolate lhe trará resultados positivos. De fato, o consumo moderado oferece uma lista de benefícios. Mas não é todo tipo de chocolate que se inclui nesta recomendação. O cacau é a principal matéria-prima usada na fabricação dos chocolates e possui elevados níveis de antioxidantes. Porém, também é rico em gordura e o chocolate. Além desta gordura “natural”, tem a adição de açúcar e mais gordura, fazendo dele um alimento calórico. Como já foi dito, ao ingerir um chocolate com alto teor de cacau (60 a 80% de cacau) tem-se a elevação nos níveis de serotonina, dopamina e feniletilamina no cérebro levando à sensação de bem estar e melhora do humor. Mas o excesso, não só atrapalha qualquer pessoa que esteja buscando controle de peso, mas também pode provocar aumento dos níveis glicêmicos, causar diarreia (devido ao alto teor de gordura - razão pela qual pessoas com problemas no fígado devem evitá-lo) e ainda causar síndrome de abstinência. Haja vista, que o chocolate apresenta a teobromina, a cafeína e a feniletiamina, que são estimulantes do Sistema Nervoso. Para piorar, indivíduos mais sensíveis podem ter enxaqueca provocada por alergias ou devido à ação de substâncias vasodilatadoras presentes no chocolate, além de irritações na pele, no estômago e na mucosa intestinal. A ingestão diária deve estar entre 6 a 30 gramas, não mais do que isso e o chocolate ao leite e o branco são os menos recomendados, devido às gorduras saturadas presentes no leite. Sendo assim, conforme dito anteriormente, o mais indicado para melhoria do humor, seria a prática de exercício físico aliado a uma alimentação regrada. Uma vez que os exercícios contribuem para maior liberação de endorfinas, ao passo que a alimentação corrobora para uma vida saudável.

    ResponderExcluir
  3. O chocolate já era adorado desde a época dos astecas e maias, onde era utilizado apenas para a preparação de uma bebida amarga feita com a utilização de sementes de cacau. Por eles, era considerada uma bebida sagrada, um presente de Deus. Mas isso é apenas uma lenda, que acabou dando ao cacau o nome científico de Theobroma, que tranduzindo significa “alimento de Deus”.
    Anos depois, os espanhóis resolveram levar o cacau para a Europa, fazendo com que ele se tornasse ainda mais “divino”, pois passou a ser misturado com leite, açúcar e gordura, se transformando no chocolate como conhecemos hoje. E é por causa da combinação com esses ingredientes que o chocolate se tornou tão viciante e irresistível.
    A gordura, o açúcar e algumas substâncias presentes no cacau estimulam a sensação de prazer, alegria e relaxamento em nosso cérebro, por causa do aumento da produção de endorfina e serotonina, que agem na comunicação entre as células do sistema nervoso. Sendo por isso que mulheres com TPM (Tensão Pré-Menstrual) se sentem melhor após comer chocolate. Isso acaba por gerar compulsão em algumas pessoas, porém acredita-se que ele não seja capaz de induzir a dependência química e psicológica como as drogas. Isso se deve a evidência de que outros alimentos como o abacate e o queijo possuem as mesmas substâncias que o chocolate, porém não causam a mesma compulsão.

    ResponderExcluir
  4. Jéssica Barbosa Fernandes25 de maio de 2014 23:49

    Derivado do cacau, o chocolate que comemos hoje leva açúcar e outros ingredientes não tão “favoráveis” à saúde. Portanto prefira os com maior concentração de cacau e menos açúcar (amargo ou meio amargo, normalmente mais escuros).
    Há pontos positivos e negativos no consumo do chocolate. Como ponto positivo podemos ter o bem estar das mulheres que “precisam” de um chocolate quando estão na TPM. O que sentem quando comem é a produção da endorfina e da dopamina. Alguns cientistas afirmam que além de gostoso, o chocolate aumenta a produção dessas substâncias no organismo e o coração em dia já que cientista da universidade de Linkoping, na Suécia, descobriram que o chocolate amargo, com mais cacau, inibi uma enzima no organismo conhecida por elevar a pressão arterial. O efeito é atribuído aos antioxidantes catequinas e procianidinas, que são encontrados no chocolate. Mas se o consumo for exagerado, mais de 50 g por dia, pode ser prejudicial à saúde: aumenta o colesterol ruim e o nível de gordura no sangue, irrita o estômago e a mucosa do intestino, sensação de estômago cheio, mas não tem os nutrientes necessários para boa alimentação, causa irritação na pele e enxaqueca.

    ResponderExcluir
  5. Karolline Mota Paulino3 de abril de 2015 10:15

    Publicação muito interessante por se tratar de um assunto que está na boca de muita gente, em todos os sentidos, principalmente nesta data comemorativa, a páscoa. Sabemos que os ovos de páscoa de chocolate são uma grande jogada de marketing do comércio para vender mais ainda este delicioso produto. Porém como mostrado no artigo ele pode trazer benefícios e malefícios à saúde, principalmente às crianças que são as mais atingidas pelo marketing apelativo desta data comemorativa. Mas isto não é exclusivo às crianças, afinal todo mundo ama chocolate.
    Há a comprovação da liberação de diversos mecanismos que melhoram o humor a partir do chocolate, afinal, que mulher nunca comeu uma barra inteira quando está de TPM? O chocolate tem a capacidade de liberar substâncias que são poucos produzidas nesta época horrorosa do ciclo da mulher. Porém depois deste momento de alegria repentina vem o arrependimento, pois junto às substâncias do cacau vem também o nível elevado de açúcar e gorduras que são prejudiciais ao organismo, que poderão causar aumento da glicemia, do colesterol e o tão temido para as mulheres: excesso de peso.
    Com isso, devemos controlar a ingestão deste alimento. Estudos comprovam que a ingestão do chocolate pode trazer benefícios, porém esta ingestão tem que ser controlada e em poucas quantidades. O excesso nunca é bom para nenhum de prática, nem para o chocolate, nem as mais saudáveis, por isso devemos sempre controlar a ingestão dos alimentos com uma dieta balanceada, para obtermos sempre os benefícios de todos os alimentos.

    Karolline Mota Paulino
    DRE: 110180196

    ResponderExcluir
  6. Karla Yasmin Dias FRaga19 de abril de 2016 15:38

    O chocolate foi por muito tempo considerado sagrado por sociedades antigas do México e da América Central. E hoje em dia não é diferente. Uma pesquisa feita com 1500 britânicos encomendada pela empresa de alimentos Cadbury aponta que 52% das mulheres preferem o saboroso chocolate do que sexo. Por que esse alimento oferece tanto prazer? Isso acontece porque o cacau, matéria prima do chocolate, é fonte de magnésio e triptofano, nutrientes que estimulam o organismo a produzir endorfina e e serotonina, neurotransmissores que desencadeiam sentimentos de bem estar e prazer.
    Há casos em que indivíduos sofrem o que chamamos de "craving", decorrente da privatização do doce. Trata-se de um desejo muito difícil de controlar, semelhante ao que acontece em casos de dependência de drogas.

    Karla Yasmin Dias Fraga DRE: 112109405

    ResponderExcluir
  7. Nós todos sabemos o quão chocolate é bom e nos faz sentir mais leve e bem. Todo o efeito do chocolate está relacionado pela presença do triptofano que é um dos componentes que atuam na ativação da serotonina, neurotransmissor, molécula envolvida na regulação do humor. Quando observamos níveis baixos da substância, muitas vezes, nos sujeitamos ao desenvolvimento de distúrbios como depressão e ansiedade.
    Não observamos apenas o efeito no humor, observamos também ação coadjuvante no emagrecimento, melhora a qualidade do sono, estimulação da liberação de GH e por fim melhora a qualidade de exercícios físicos. É importante saber que após absorção dos alimentos, o L triptofano é convertido em 5HTP, que por sua vez, converte-se em serotonina e melatonina pelo cérebro e em vitamina B3 pelo fígado.
    Além do triptofano o chocolate apresenta outros componentes, como por exemplo, anandamida e feniletilamina, porém o efeito não é perceptível, pois estão presente em quantidade mínimas e contém, também, cafeína que apresenta efeito estimulante. Ao procurar outros alimentos que contém o aminoácido obtemos uma ampla lista, por exemplo, atum (335mg/100g), ovo (84mg/100g), abacaxi (6,8mg/100g), com base na ingestão diária recomendada, em média, 280 mg de triptofano. Logo, observamos que apresentamos alimentos considerados mais saudáveis que o bombom, pois este apresenta 5g gorduras totais, 12g carboidratos e 2,6g gorduras saturadas de acordo com o site da Garoto.
    Com a finalidade de garantir a felicidade sabemos, agora, que possuímos diversos alimentos quando trocados com o chocolate nos trazem efeitos positivos e são considerados mais saudáveis para o bom funcionamento do organismo.

    Referências:
    U.S Department of Health and Human Services and U.S. Department of Agriculture. 2015-2020 Dietary Guidelines for Americans 8th. Edition. December 2015.
    University of Maryland Medical Center: Tryptophan

    ResponderExcluir