Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Leite Ninho, aliado ou vilão?





O Ninho é uma das marcas mais famosas de leite no mercado, sendo utilizado por mães há décadas. Essas mães confiam no Ninho, e em suas diversas variedades, para alimentar os seus filhos. Mas uma simples alimentação pode ser algo confuso: Ninho fases 1+, por exemplo, possui Prebio 1 e o 3+ possui Prebio 3. Mas qual será a diferença entre eles? Qual a utilidade desse Prebio? Afinal, será que a confiança dada a esse leite é bem colocada? 


Descrição

A marca Ninho possui diversas variedades sob seu nome, incluindo produtos como iogurtes e leite fermentados. Muitos deles tendo crianças mais velhas como público alvo e portanto, não serão mencionados aqui com tantos detalhes, visto o foco sendo crianças mais novas, na fase do aleitamento materno ou logo após.
Os leites da marca Ninho são fortificados com vitaminas e ferro, em sua maioria. E dentre eles, o mais interessante foi o denominado Lactosinho. De acordo com o produtor, esta versão de Ninho oferece a mesma qualidade do Ninho tradicional com 90% a menos de Lactose. Nos ingredientes possui inclusive a enzima lactase, uma adição interessante não somente para crianças que possam vir a ter alergias à proteina, mas também à adultos que possuam intolerância a lactose.
Para crianças mais novas, existem os produtos da família Fases, sendo eles o Leite Ninho fases 1+ e Leite Ninho fases 3+ (o Leite Ninho fases 5+ não é mais fabricado), respectivamente recomendados para crianças em idades de 1 ano ou superior e 3 anos ou superior. Idades de grande importância para o crescimento humano e onde o leite, principalmente para o fases 1+, é o principal alimento. 


Fundamentos bromatológicos

A linha fases no entanto, possui um diferencial, o denominado Prebio.



O Prebio 1 está presente na linha 1+, e, de acordo com o fabricante, é um exclusivo composto de fibras prebióticas contribui para o equilíbrio da flora intestinal, onde está a maioria das células de defesa do organismo. Informações estas que parecem muito favoráveis à compra do produto. No entanto, ao se verificar os ingredientes pode-se perceber que talvez não seja a melhor opção. Os ingredientes seguem: Leite parcialmente desnatado, maltodextrina, óleo de milho, óleo de canola, lactose, frutooligossacarídeos, oleína de palma, inulina, minerais, vitaminas e emulsificante lecitina de soja. NÃO CONTÉM GLÚTEN. ESTE PRODUTO NÃO É LEITE EM PÓ. (retirado do site do fabricante). É de certa forma surpreendente que um produto considerado pelas mães ser leite, não o é considerado pelo próprio fabricante (inclusive atestando o mesmo em letras maiúsculas).
E de fato, este produto está longe de mimetizar o leite materno, alimento essencial para a fase da primeira infância. A maltodextrina é um carboidrato complexo, proveniente da industrialização, onde a hidrólise parcial provoca uma conversão do amido do milho. Sua absorção pelo organismo é gradativa e lenta, pois contém polímeros de dextrose (glicose). Este é um composto que não está presente no leite materno e fica a dúvida do porquê que estaria presente em um produto que muitas mães usam em sua substituição. Seu motivo está em sua descrição. A absorção lenta da maltodextrina faria com que o bebê sentisse menos fome, ficasse mais cheio e consequentemente chorasse menos. O que não necessariamente significa que o bebê estaria bem nutrido.
Outro ponto importante que deve ser considerado é o fato da tabela nutricional fornecer valores baseados em uma dieta de 2000 kcal, que é o padrão para um adulto, mas que é muito superior ao necessário a uma criança entre os 12 e os 24 meses de vida. A tabela 1 mostra os cálculos feitos por grupos de pesquisa e pela Organização Mundial de Saúde para determinar a quantidade de calorias necessárias para o desenvolvimento saudável da criança.


Note que em todos os casos, a ingestão de energia necessária por dia varia entre 1000 e 1200 kcal, quase a metade do padrão dado no rótulo. Embora a conversão seja possível, essa diferença acaba por induzir a mãe a achar que o alimento é melhor do que ele realmente seria. No caso do leite Ninho fases +1, a ingestão de apenas 2 colheres de sopa do produto corresponde a aproximadamente 22% do total de calorias diárias necessárias para uma criança considerando uma dieta de 1100 kcal/dia, o que pode ser interessante para crianças abaixo do peso, mas pode ser um problema para crianças normais ou com sobrepeso onde a ingestão de calorias desnecessárias pode levar a um  quadro de obesidade, por exemplo.
O Prebio 3, presente no fases 3+, é dito pelo produtor, ser uma combinação de fibras solúveis, óleos vegetais, cálcio, ferro, zinco e vitamina C, ácido fólico e biotina. Os ingredientes descritos na embalagem do fases 3+ são os mesmos que o fases 1+, mas alguns em concentrações diferentes.



Legislação:

A comissão do Codex Alimentarius, parte da OMS, desenvolve guias, padrões e textos relacionados à alimentos com a intenção de proteger a saúde dos consumidores e promover práticas comerciais Justas em uma escala global.
O principal guia relacionado à infant formulas é que a mesma deveria conter componentes apenas em quantidade necessária à server um determinado proposto nutricional ou por razões tecnológicas. A inclusão de componentes desnecessários, ou quantidades desnecessárias de um componente, pode sobrecarregar o metabolismo e fisiologicamente a criança e reduzirá a margem segura do alimento.
O Codex Alimentarius estabelece que, além dos requisitos de composição básica, é também permitida a adição de ingredientes facultativos, substâncias que normalmente estão presentes no leite humano, para garantir que a infant formula seja adequada como única fonte de nutrição do lactente, ou para proporcionar outros benefícios análogos aos resultados de populações de lactentes com aleitamento materno exclusivo. Tais substâncias são: taurina, nucleotídeos e ácido docosahexaenóico (22:6 n-3).  No Ninho fases pode-se observar tais ingredientes nos ácidos linolênico e linoleicos (precursor do ácido araquidônico) presentes, ácidos graxos essenciais para o ser humano.




A foto acima foi tirada dentro do estabelecimento comercial Lojas Americanas, onde o informativo foi encontrado em frente ao Ninho fases 1+. O informativo é interessante para informar às mães da necessidade da continuação aleitamento materno após os 6 meses, no entanto, carece de informações, visto que também poderia informar da recomendação (de acordo com a OMS) de se amamentar o bebê até os 2 anos de idade.


Conclusão

É interessante lembrar que nenhum desses alimentos deve ser utilizado em substituição ao leite materno e, inclusive, deveria ser apenas administrado com a recomendação de um pediatra, principalmente para crianças de idades menores onde o leite é o principal alimento. Outros alimentos (papinhas, por exemplo) devem ser oferecidos de forma a complementar o leite, e não a substituí-lo.


Referências:

Berthold Koletzko. Standards for infant formula milk. BMJ. Mar 18, 2006; 332(7542): 621–622. Disponível em: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1403284/>.
Marcia dos S. Dias e Luiz Eduardo R. de Carvalho. INFANT FORMULA: ingredientes, mimetizações, signos e Mercado.
Ministério da Saúde - Brasil. Guia Alimentar para crianças menores de 2 anos. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_criancas_menores_2anos.pdf>



Autoras: Anna Claudia Silva
                Thayssa P. Ribeiro


26 comentários:

  1. É um absurdo o que a indústria faz e ainda mais absurdo a atitude de algumas mães de trocarem a amamentação materna por estes produtos. É fato que pré-bióticos estimulam o crescimento e a atividade da flora intestinal do lactente porém, o leite materno também possui pré-bióticos e como citado do artigo de melhor qualidade. Na embalagem destes produtos deveria estar escrito para continuar amamentando, que o produto não substitui o leite materno ou algo relacionado. O alimento ideal para um recém-nascido é o leite materno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo sua boa intenção, mas é preciso considerar que há muitos fatores que impedem o aleitamento materno, ou seja, nem sempre a mãe tem poder de escolha. o leite pode secar, ~ser produzido em pouca quantidade, a ma~e pode ter algum problema de saúde que impeça a amamentação ou pode, simplesmente, não aguentar a dor, pois saiba que amamentar pode ser extremamente doloroso, não somente por ferir os seios, como também pelo próprio processo de produção e vazão do leite. É preciso mais informação, mais sensibilidade e uma postura menos rígida para se ter maior clareza ao se tratar do assunto em questão. Se você soubesse o sofrimento pelo qual passam muitas mulheres, jamais diria a frase "e ainda mais absurdo a atitude de algumas mães de trocarem a amamentação materna por estes produtos".

      Excluir
    2. Bom. Então a mãe não está escolhendo o que e bom pro bebê e sim pra ela.uma coisa e nao poder amamentar pq não se rem leite.outra e parar pq da trabalho! Doi no começo sim.e praticamente toda mae que amamenta passa por isso..mas dói pq o bebê esta fazendo a pega errada.essa mãe teria que se informar como amamentar o bebê.mto egoísmo privar o bebê da melhor fonte de alimento que ele pode ter por preguiça.

      Excluir
    3. Bom. Então a mãe não está escolhendo o que e bom pro bebê e sim pra ela.uma coisa e nao poder amamentar pq não se rem leite.outra e parar pq da trabalho! Doi no começo sim.e praticamente toda mae que amamenta passa por isso..mas dói pq o bebê esta fazendo a pega errada.essa mãe teria que se informar como amamentar o bebê.mto egoísmo privar o bebê da melhor fonte de alimento que ele pode ter por preguiça.

      Excluir
    4. Nós hospitais maternidade existe doação de leite materno, então se a mãe não produz ela pode receber a doação do hospital fornecida pelas mães que produzem leite em abundância .Então a substituição do leite materno pelo leite em pó é uma questão de facilidade e não de não ter outra opção.

      Excluir
    5. Seguindo orientação pediátrica, amamemtei meu primogênito durante um mês exclusivamente com leite materno, mesmo com minha queixa d q produzo pouco leite. O resultado foi um bb raquítico e com peso abaixo da linha do vermelho. Passado um mês, o pediatra me liberou para dar complemento ao meu bb, momento em que ele se tornou um bb lindo, saudável e feliz, deixando de ser chorão por sentir tanta fome. Inclusive tive complicações na cirurgia pela falta d repouso, devido ao stress do bb. Me arrependo amargamente de não ter dado complemento desde o início. Dar complemento dá muito mais trabalho do q simplesmente amamentar. Enfim, não repetirei o erro com meu segundo filho (q está prestes a nascer). Já sei q tenho extrema deficiência na produção de leite.

      Excluir
    6. e pra pessoas de idade acima de 15 anos ,tem algum problema ?

      Excluir
    7. Tem mais juiz que outra coisa, e como se fosse fácil lidar com leite industrializado. É fácil criticar quando não se tem opção, e opção cara pois, não vem de graça como o materno.

      Excluir
    8. Preparei meu seio durante a gestação para amamentar, mas a orientação errada das enfermeiras da uti neonatal, onde minha bebê prematura passou 1 semana, fez o bico do meu peito literalmente se abrir. Apesar do meu esforço em amamentar em todos os horários permitidos pela uti, quando eu não estava davam complemento na chuquinha, ao invés do copinho. Quando ela saiu da uti, começou a perder peso muito rapidamente e procurei ajuda no banco de leite. Tentei de tudo para corrigir a pega e fazê-la pegar o outro peito, já que só aceitava apenas um (o do bico em frangalhos). Depois de uma noite de terror, na qual minha filha chorou o tempo todo de fome porque só sugava sangue e praticamente não saía leite do meu peito, comprei a fórmula e uma chuquinha. Tentava ordenhar do outro peito, mas de um dia para outro a produção, que já era baixa, minguou. Procurei a médica, tomei remédio para voltar a produzir leite, e não consegui. Sofri, sentia-me culpada, mas não pude fazer nada além do que já tinha feito.
      Mas quando ouço alguém falar que é mais prático dar mamadeira do que amamentar, tenho vontade de bater: desde quando ferver água filtrada, esterilizar mamadeiras, sair de casa carregando garrafa térmica com a água própria para preparar o leite, o potinho com as doses da fórmula e outra mamadeira de reserva já esterilizada é fácil? Muito mais prático carregar apenas a sacola de fraldas e roupas quando se tem o leite no peito para alimentar seu filho a hora que precisar...

      Excluir
    9. Concordo com você Re, muito mais fácil amamentar no seio do que dar mamadeira.
      Devemos julgar menos e ajudar mais!! Cada um com seus problemas, sua história de vida e suas escolhas. Só acho!!

      Excluir
    10. Sim claro, a indicação do ministério da saúde é linda, amamentar até os 2 anos ou mais. ótimo. Porém a lei trabalhista é clara. Retornar ao trabalho apos 120 dias de licença. Então uma mãe amamenta durante 120 dias e depois retorna ao trabalho. Sai de casa as 6h da manhã, enfrenta duas horas de transito e trabalho de 8 as 18 hrs. chega em casa as 20 hrs. com roupa para lavar passar, cosinhar, cuidar do bebê, preparar o jantar, arrumar a casa, tomar um banho e dormir. Será que esta mãe terá condições de amamentar até os 2 anos ou mais?

      Excluir
    11. Polêmicas à parte, meu bebê tem quase dois anos, não tenho mais leite materno, e não dou leite de caixinha integral, optei pelo ninho 1+, que pode oferecer uma melhor nutrição à ele. Quem quer fazer diferente, tenha seu próprio filho e o faça. Democracia.Rs..

      Excluir
  2. Raíssa Rocha da Silva3 de abril de 2015 12:49

    O produto Ninho Fase +1 tem como objetivo promover a melhora da flora intestinal e o cumpre através das fibras prébióticas que são fibras não digeríveis, que fermentam no intestino e estimulam o crescimento das bactérias probioticas (flora inestinal). Entretanto, com a adição de maltodextrina, que é absorvida lentamente, leva ao bebê a sensação de estar cheio por mais tempo, o que pode comprometer a boa alimentação do mesmo, sendo muito importante nesta fase da vida. Portanto, o uso deste produto pode ser benéfico, se em complemento a amamentação materna.

    ResponderExcluir
  3. Trabalho excelente, destacando em todo momento a importância do leite materno.
    É triste ver bebês com pouco mais de 1 ano sendo expostos à alimentos industrializados, um hábito que favorece a obesidade com o decorrer do tempo. Achei interessante que a imagem mostrando a tabela nutricional do ninho 1+ diz "Seu consumo deve estar associado a uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis", não sei quais hábitos de vida saudáveis um bebê pode ter, mas por algum motivo essa informação não aparece no PREBIO 3.

    ResponderExcluir
  4. É muito importante que as mães tenham conhecimento e sejam orientadas por um profissional da saúde, sobre o consumo do produto Ninho das fases 1+ e 3+. Muitas mulheres trabalham e têm a rotina bastante corrida e para elas, seria mais prático alimentarem seus filhos utilizando o Ninho 1+ ou 3+, desconhecendo os efeitos prejudiciais que o uso destes , em quantidades superiores ao que a criança realmente necessita, podem causar. Para muitas delas, o uso do produto Ninho 1+ ou 3+ na alimentação de seus filhos seria uma substituição ideal para o leite materno. Porém, sabemos da importância do leite materno para o crescimento e desenvolvimento saudável das crianças e que este não deve ser substituído e sim, dependendo das necessidades, complementados . É importante que a criança tenha o acompanhamento de um pediatra, pra que se possa averiguar a necessidade real do uso do Ninho fase 1+ ou do Ninho fase 3+, e desta forma, determinar a quantidade que pode ser utilizada, para que o uso do produto não influencie negativamente no metabolismo e na nutrição da criança.

    ResponderExcluir
  5. .
    O leite é o alimento com maior concentração de cálcio, mineral que age diretamente na formação da massa óssea. E cerca de 70% dela é formada até a adolescência. Por isso, ele se torna um alimento fundamental durante a infância. Além disso, possui uma série de nutrientes que também são importantes para o desenvolvimento da criança. Sem ele, há o risco de surgirem deficiências nutricionais que podem prejudicar todo o crescimento.Nos primeiros anos de vida, o consumo de leite garante a quantidade adequada de cálcio, sendo que nos 6 primeiros meses, o leite materno supre totalmente as necessidades nutricionais da criança. Geralmente, não há necessidade no investimento de produtos fortificados com vitaminas e minerais, apesar de o apelo dos fabricantes ser bastante forte. Se a criança tem uma alimentação equilibrada e variada, não há porque comprar alimentos com vitaminas e minerais extras. Ela já vai ingerir no dia a dia tudo o que precisa para o seu desenvolvimento. Produtos fortificados só devem ser utilizados quando o pediatra ou o nutricionista que acompanha a criança detectar uma deficiência nutricional.

    ResponderExcluir
  6. O Ninho é um composto lácteo e não foi desenvolvido para substituir o aleitamento materno. O produto que a Nestlé desenvolveu para as mães que, por algum motivo não podem amamenta, é o Nan, chamado de fórmula infantil! O Ninho fases é para substituir o leite de vaca líquido que é um alimento que possui uma proteína pesada demais para o organismo dos pequeninos...

    ResponderExcluir
  7. O Ninho é um composto lácteo e não foi desenvolvido para substituir o aleitamento materno. O produto que a Nestlé desenvolveu para as mães que, por algum motivo não podem amamenta, é o Nan, chamado de fórmula infantil! O Ninho fases é para substituir o leite de vaca líquido que é um alimento que possui uma proteína pesada demais para o organismo dos pequeninos...

    ResponderExcluir
  8. O Ninho é um composto lácteo e não foi desenvolvido para substituir o aleitamento materno. O produto que a Nestlé desenvolveu para as mães que, por algum motivo não podem amamenta, é o Nan, chamado de fórmula infantil! O Ninho fases é para substituir o leite de vaca líquido que é um alimento que possui uma proteína pesada demais para o organismo dos pequeninos...

    ResponderExcluir
  9. Michelle, meu filho tem 2 anos pesa 12,300kg e como de tudo rutas,verduras,carnes, ovos...qual leite devo dar 1 ou 2+?

    lidianepauladacunha@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  10. Michelle, meu filho tem 2 anos pesa 12,300kg e como de tudo rutas,verduras,carnes, ovos...qual leite devo dar 1 ou 2+?

    lidianepauladacunha@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  11. Olá, antes de escolher um novo leite, sempre consulto este site. Não acreditei que Ninho 1+ não é leite, mas a prova está neste link: https://www.nestle.com.br/site/marcas/ninho/leites_em_po/ninho_fase_1.aspx (procurar a aba Ingredientes, entre as abas Preparo e Informações nutricionais).

    ResponderExcluir
  12. Olá, pessoal!
    Sou nutricionisa, e acompanho esse site há ano! Já utilizei como fonte em matérias no meu antigo blog (Alimentação e Saúde Infantil). Gostaria de informações sobre qual tipo de ferro é usado no produto ninho integral, agora chamado de fort+ :(
    É sulfato ferroso? Se for, serve apenas para acirrar a anemia entre as crianças.O que a indústria considera ao "enriquecer" um produto como esse? Grata!!

    ResponderExcluir
  13. Meu filho mama e pretendo amamentar até os 2 anos, porque graças a Deus eu posso fazer isso. Porém, ele toma leite em pó misturado nas vitaminas de frutas que ele toma pela manhã (quando trabalho). Nesse caso, por ser uma única refeição diária, eu poderia trocar pelo Ninho 1+?
    Eu dou fórmula infantil, mas ele não aceitou bem. Tenho esperança de que o Ninho será mais saboroso e talvez ele aceite melhor.

    ResponderExcluir
  14. Gente deixem pra Deus julgar..acredito q aqui nenhuma mae quer o pior pra seu pequeno..eu passei por tanto sacrificio meus seios racharam..nao dormia dia e noite com minha filha pendurada em mim..me deu hipotireoide por conta desse stresse..tendinite de tanto espremer meu seio..e ainda a minha filhinha perdeu quase 1 kg..nao se pode generalizar..cada caso e um caso..nao julguem para nao ser julgados.deixem esse papel pra Deus so Ele sabe e conhece cada pessoa..cada situacao..se as pessoas nao julgassem tanto os outros o mundo seria bem melhor..

    ResponderExcluir
  15. Só uma informação. A lactose é o açúcar do leite. Os compostos sem lactose se prestam apenas ao uso de pessoas com intolerância a mesma. Eles não podem ser usado para crianças com alergia a proteina do leite, pois ela permanece intacta nesses compostos provocando as mesmas reações dos compostos com lactose. Na dúvida, procurar um peditra capacitado no tratamento desse tipo de alergia.

    ResponderExcluir