Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

sábado, 6 de dezembro de 2014

Aptamil Pré, 1, 2 e 3: Composições Reais x Composição Bromatológica

O objetivo deste trabalho é analisar a composição nutricional dos produtos Aptamil Pre, 1, 2 e 3 para, através dessa análise, fazer uma correlação com o que está preconizado na legislação e os fundamentos bromatológicos vigentes.

         Descrição dos produtos
A descrição dos produtos levará em consideração suas indicações, seus ingredientes, composição protéica, de carboidratos, lipídica e distribuição calórica.


·         Aptamil Pré
Aptamil Pré é uma fórmula infantil para prematuros e recém-nascidos de baixo peso, com DHA e ARA (LcPUFAs, produtos finais de metabolismo dos ácidos graxos de da família ômega 3 e ômega 6, respectivamente), que são importantes para o desenvolvimento neuromotor e visual. Contém prebióticos que previnem constipação e cólicas.
           
Ingredientes: Lactose, gorduras vegetais e animais, leite desnatado, concentrado proteico de soro de leite, fibras alimentares (FOS e GOS), xarope de glicose, triglicerídeos de cadeia média, fosfato tricálcico, carbonato de cálcio, cloreto de sódio, inositol, fosfato de magnésio, vitamina C, cloreto de colina, taurina, sulfato ferroso, citrato de potássio, vitamina E, niacina, sulfato de zinco, citidina, vitamina A, L-carnitina, uridina, D-pantotenato de cálcio, vitamina D, inosina, adenosina, sulfato de cobre, guanosina, vitaminas B1, B2, B6, ácido fólico, iodeto de potássio, vitamina K, selenito de sódio, D-biotina, emulsificante lecitina de soja. Não contém glúten.

Características:
            - Fonte de Proteínas: Láctea (caseína/ proteínas do soro: 40/60).
            - Fonte de Carboidratos: Lactose (82%)
                                                        Maltodextrina (18%)
            - Fonte de Lipídeos: Gordura vegetal (94%)
                                                 Gordura animal (6%)
            - Distribuição calórica: Proteínas (13%)
                                                     Carboidratos (38%)
                                                     Lipídeos (49%)



·         Aptamil 1:
Fórmula infantil de partida em pó, indicada para lactentes, de 0 a 6 meses de vida, adicionada de prebióticos (10%FOS e 90%GOS). Contém LcPUFAs (ARA e DHA) e nucleotídeos.
            Ingredientes: Soro de leite desmineralizado, lactose, leite desnatado, fibras alimentares (galactooligossacarídeo e frutooligossacarídeo), óleos de palma, coco e canola; concentrado protéico de soro de leite, óleo de milho, carbonato de cálcio, citrato de potássio, bitartarato de colina, cloreto de potássio,vitamina C, citrato de sódio,taurina, óxido de magnésio, sulfato ferroso, inositol, sulfato de zinco, vitaminas A e E, L – carnitina, niacina, gluconato de cobre, pantotenato de cálcio, β – caroteno, vitaminas B6 e B1, iodeto de potássio, ácido fólico, sulfato de manganês, selenito de sódio, vitamina D, biotina, vitamina K. Não contém glúten.
           
                    Características:
                        - Fonte de Proteínas: Láctea (caseína/proteínas do soro: 40/60)
                        - Fonte de Carboidratos: Lactose (100%)
                        - Fonte de Lipídeos: Gordura Vegetal (98%)
                                                             Gordura animal (2%)
                        -Distribuição Calórica: Proteínas (9,2%)
                                                                 Carboidratos (45,7%)
                                                                 Lipídeos (45,2%)


·         Aptamil 2
 Fórmula infantil de seguimento, indicada para lactentes a partir do sexto mês de vida. Contém DHA , ARA e prebióticos.
            Ingredientes: Lactose, leite parcialmente desnatado em pó, Óleos vegetais (Óleo de canola, Óleo de coco, Óleo de girassol, Óleo de palma), soro do leite, fibras alimentares (galactooligossacarídeos, frutooligossacarídeos), Maltodextrina, Carbonato de cálcio, Óleo de peixe, vtamina C, Caseinato de cálcio, taurina, inositol, nucleotídeos (uridina, citidina, adenosina, inosina e guanosina), sulfato de ferro, vitamina E, Fosfato de Potássio, Sulfato de Zinco, cloreto de colina, niacina, fosfato de cálcio tribásico, gluconato cúprico, D-pantetonato de cálcio, vitamina A, vitamina B1, vitamina B2, vitamina B6, iodato de potássio, sulfato de manganês, ácido fólico, vitamina K, selênio, biotina, vitamina B12, Emulsificante mono e diglicerídeos. Não contém glúten.
           


Características:
                        - Fonte de Proteínas: Láctea (Caseína/Proteínas do soro: 80/20)
                        - Fonte de Carboidratos: Lactose (50%)
                                                                    Maltodextrina (50%)
                        - Fonte de Lipídeos: Gordura vegetal (29%)
                                                             Gordura animal (71%)
                        - Distribuição Calórica: Proteínas (13,5%)
                                                                 Carboidratos (48,3%)
                                                                  Lipídeos (38,2%)






·         Aptamil 3

Aptamil 3 é uma fórmula infantil indicada para lactentes a partir do décimo mês de vida. Contém prebióticos e DHA.
Ingredientes: Leite em pó parcialmente desnatado, lactose, óleos vegetais (óleo de palma, óleo de canola, óleo de coco, óleo de girassol), maltodextrina, soro de proteína do leite, galactooligossacarídeo, fruto-oligossacarídeo, xarope de glucose, carbonato de cálcio, óleo de peixe, vitamina C, sulfato de ferro, caseinato de cálcio, inositol, sulfato de zinco, fosfato de potássio dibásico, L-carnitina, gluconato cúprico, fosfato de cálcio, D-pantotenato de cálcio, nicotinamida, ascorbil palmitato, vitamina A, vitamina E, vitamina B1, vitamina B6, sulfato de manganês, vitamina B2, iodeto de potássio, ácido fólico, vitamina K, selenito de sódio, vitamina D3, biotina, emulsificantes lecitina, mono e diglicerídeos, aromatizante. Não contém glúten.

Características:
                        - Fonte de Proteínas: Láctea (caseína /proteína do soro: 50/50)
                        - Fonte de Carboidratos: Lactose (70%)
                                                                    Maltodextrina (30%)
                        - Fonte de Lipídeos: Gordura vegetal (74%)
                                                             Gordura animal (26%)
                        - Distribuição Calórica: Proteínas (12%)
                                                                  Carboidratos (47%)
                                                                   Lipídeos (41%)



      Fundamentos Bromatológicos
As fórmulas infantis (infant formulas), ao mimetizarem o leite materno, devem ter como premissa, possuir componentes idênticos ou muito similares aos do mesmo, não apenas qualitativamente quanto quantitativamente.
Sabe-se que a Lactose é o carboidrato majoritariamente presente no leite materno, mas outros 30 estão presentes, como a galactose e a frutose. O componente protéico majoritário é a lactoalbumina (proteína do soro), em aproximadamente 80%, ao invés da caseína que está presente em maior proporção no leite bovino. A relação caseína/proteínas do soro, no leite materno, se inverte quando comparada com o leite bovino.
No leite materno existe um equilíbrio entre os minerais, colaborando para a correta biodisponibilidade e utilização do cálcio.


    
Legislação
A comercialização de fórmulas infantis, quando consideradas substitutas do leite materno, é regulada por diversos órgãos tanto a nível nacional pelo Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde (CNS) e pela ANVISA, quanto a nível internacional, pela Organização Mundial da Saúde (OMS), e pela FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), através do Codex Alimentarius Commission.
O Codex teria como função estabelecer normas de identidade e qualidade que obedecessem às exigências preconizadas pela OMS. Deve ser ressaltado que o período de aleitamento materno de seis meses deve ser respeitado.
Segundo a CNS, nas Normas de Comercialização de Alimentos para Lactentes, a ANVISA, na RDC 222 de 05 de agosto de 2002, e o Ministério da Saúde, na Portaria GM 2051 de 08 de novembro de 2001, um alimento substituto do leite materno seria Qualquer alimento comercializado ou de alguma forma apresentado como um substituto parcial ou total do leite materno quer seja ou não adequado para alimentação do lactente”.
Na esfera internacional, o código da OMS classifica alimento substituto do leite materno de maneira igual às usadas na esfera nacional. Como o Codex obedece às exigências desse código internacional, preconiza-se que a comissão considera a mesma classificação.
A Agência Reguladora Nacional, em sua RDC direcionada à essa legislação específica, caracteriza Rótulo como “toda inscrição, legenda, imagem ou toda matéria descritiva ou gráfica que esteja escrita, impressa, estampada, gravada, gravada em relevo ou litografada, colocada ou fundida sobre o recipiente e ou a embalagem do produto”. Como é imprescindível que os substitutos do leite materno sejam efetivamente o mais próximo possível, ao menos em comparação química e biodisponibilidade nutricional, do leite materno, é imprescindível que o rótulo forneça todas as informações, necessárias e verdadeiras, para que consumidores tenham a possibilidade real de avaliar se o produto em questão pode ser consumido como um substituto do leite materno.


     
Discussão
Analisando as tabelas nutricionais dos produtos em questão, é possível identificar mais diferenças que semelhanças em relação ao leite materno. Como já foi mostrado anteriormente, o leite materno tem como sua principal fonte de carboidratos a lactose, enquanto que a fonte proteica seria representada pelas proteínas similares às do soro, majoritariamente a lactoalbumina. A principal fonte energética do leite materno deve ser lipídica e dessa forma, o tipo de lipídeo consumido pela mãe em sua dieta vai influenciar a composição lipídica do mesmo. Já foi mencionado também, que um produto denominado substituto do leite materno deve se aproximar ao máximo da composição do mesmo para que possa ser consumido pelos lactentes.    
A adição de prébióticos, em alguns destes produtos, não deveria ter a função de nutriente e nem mesmo de exacerbar os mesmos em detrimento do leite materno.  Os prébióticos são componentes, fibras, que têm a capacidade de estimular seletivamente o crescimento e atividade da flora intestinal, conferindo benefícios à saúde do hospedeiro, como aumento na frequência de defecação e diminuição da consistência das fezes.
É valido ressaltar que, as fórmulas infantis devem ser indicadas pelo médico pediatra ou nutricionista, em situações específicas, respeitando o período de aleitamento materno exclusivo de no mínimo seis meses de vida, quando assim for possível. 
Devemos levar em consideração situações extremas, nas quais lactantes não conseguem amamentar seus bebês. Sendo assim, Aptamil Pré e Aptamil 1 deveriam fazer parte da dieta de lactentes apenas considerando tais situações.
Já o Aptamil 2 e Aptamil 3 - que são direcionados para o público com tempo de vida acima de seis meses - podem ser inseridos, na alimentação dessas crianças, sem a preocupação extrema da composição próxima ao leite materno, já que a alimentação, a partir dessa faixa de idade não precisa mais ser exclusivamente leite materno. Logo, o conceito de "substituto" não se enquadra mais ao produto.

A seguir, cada produto será avaliado separadamente no que tange seus componentes.

·         Aptamil Pré:
- Fonte de Proteínas: Láctea (caseína/ proteínas do soro: 40/60).
                      - Fonte de Carboidratos: Lactose (82%)
                                                        Maltodextrina (18%)
                      - Fonte de Lipídeos: Gordura vegetal (94%)
                                                 Gordura animal (6%)
                      - Distribuição calórica: Proteínas (13%)
                                                     Carboidratos (38%)
                                                     Lipídeos (49%)

O constituinte protéico está de acordo, tendo maior proporção de proteínas do soro que a caseína. Já nos carboidratos, apesar da maior concentração de lactose, ocorre a adição de maltodextrina (um polímero de glicose), que não é um componente do leite materno.  A distribuição calórica também obedece aos parâmetros preconizados.





·         Aptamil 1:
 - Fonte de Proteínas: Láctea (caseína/proteínas do soro: 40/60)
                                 - Fonte de Carboidratos: Lactose (100%)
                                 - Fonte de Lipídeos: Gordura Vegetal (98%)
                                                             Gordura animal (2%)
                                 - Distribuição Calórica: Proteínas (9,2%)
                                                                 Carboidratos (45,7%)
                                                                 Lipídeos (45,2%)
Todos os componentes deste produto se enquadram nos requisitos; e apesar da pouca diferença entre o componente lipídico e carboidratos, energeticamente, pode-se considerar o produto dentro dos parâmetros.



·         Aptamil 2:
- Fonte de Proteínas: Láctea (Caseína/Proteínas do soro: 80/20)
                                    - Fonte de Carboidratos: Lactose (50%)
                                                                    Maltodextrina (50%)
                                    - Fonte de Lipídeos: Gordura vegetal (29%)
                                                             Gordura animal (71%)
                                    - Distribuição Calórica: Proteínas (13,5%)
                                                                 Carboidratos (48,3%)
                                                                  Lipídeos (38,2%)

Analisando a proporção proteica deste produto, observa-se uma inversão considerável na proporção caseína/proteínas do soro, o que poderia dificultar a digestão do produto pelo lactente. Porém, a adição de maltodextrina em 50% em relação ao total de carboidratos poderia balancear a digestão. A distribuição calórica também não se encontra nos parâmetros, uma vez que os carboidratos constituem a principal parte da distribuição calórica.



·         Aptamil 3:
- Fonte de Proteínas: Láctea (caseína /proteína do soro: 50/50)
                                         - Fonte de Carboidratos: Lactose (70%)
                                                                    Maltodextrina (30%)
                                         - Fonte de Lipídeos: Gordura vegetal (74%)
                                                             Gordura animal (26%)
                                         - Distribuição Calórica: Proteínas (12%)
                                                                  Carboidratos (47%)
                                                                   Lipídeos (41%)


O constituinte protéico deste produto também não se encontra adequado. Proporções iguais de caseína e proteínas do soro.  A distribuição calórica também apresenta divergências. 



        Conclusão
Apesar de a legislação preconizar a necessidade da semelhança com o leite materno para os produtos destinados para o público de até seis meses de vida, podemos observar a falha na adequação à legislação dos produtos Aptamil Pré e Aptamil 1, principalmente.  Já os produtos Aptamil 2 e 3, como já foi falado, pelo fato de não serem considerados como substitutos do leite materno, não haveria necessidade da preocupação extrema com a semelhança, mas, também, não pode ser aceitável diferenças tão grande em comparação com o que é estabelecido pela legislação e pelos fundamentos bromatológicos, como as encontradas nos referidos produtos.




Referências Bibliográficas:
2.    Marcia dos S. Dias e Luiz Eduardo R. de Carvalho; INFANT FORMULA: ingredientes, mimetizações, signos e mercado.
Acesso em: 05/12/14.
Acesso em: 05/12/14.



Trabalho elaborado por duas alunas na disciplina Bromatologia em Saúde
e aqui expostos, publicamente, para críticas, sugestões e questionamentos técnicos.
A POSTAGEM DE COMENTÁRIOS É LIVRE, SEM CENSURA, DIRETA E IMEDIATA.
Todos os dados sobre composição foram extraídos do rótulo dos respectivos produtos e...
ESTAMOS CONSIDERANDO QUE O LABORATÓRIO DA DANONE É CONFIÁVEL.
Comentários e críticas da DANONE serão sempre bem vindos,
abrindo-se então oportunidade para que preste mais informações aos consumidores.

Neste Blog temos várias outras postagens sobre alimentos infantis, incluindo outras marcas de INFANT FORMULAS, à disposição dos leitores.
São todas, igualmente, exercicios acadêmicos realizados por alunos de Graduação e, portanto, passíveis de aprimoramentos e complementações. 
Talvez exista alguma impropriedade mas, havemos de convir, que se alunos da UFRJ se equivocam na interpretação dos rótulos, 
as mães certamente se equivocarão muito, muito, muito mais.
PORTANTO: os fabricantes precisam melhorar muito as informações da rotulagem.

UMA COISA PORÉM É GARANTIDA: nenhuma infant formula, de nenhum fabricante, é equivalente ao Leite Materno.



4 comentários:

  1. A lecitina descrita nos ingredientes do aptamil 3, é proveniente da soja ou de qual produto?

    ResponderExcluir
  2. Com tanta coisa escrita no rótulo, o fabricante não informa de onde ele extrai essa lecitina?

    ResponderExcluir
  3. Merece atenção aquela definição para "substitutos do leite materno". Em vez da ANVISA estabelecer o que é que deveria ser um produto a ser usado como substituto, e então exigir que esse conceito ideal seja respeitado, a ANVISA afirma que, para fiscalização - embora essa palavra ali não apareça - para fiscalização, ela vai aplicar as severidades da legislação em cima de todo produto anunciado como substituto, seja ele ou não seja, na verdade.
    Então... vemos aqui como até mesmo graduandos em Farmácia, já no final do curso, são induzidos ao erro. Mesmo prestando muita atenção, mesmo buscando apoio em livros e publicações científicas, mesmo com toda base que obviamente têm em Química e Bioquímica, mesmo assim, são induzidos ao erro, tanto pelo que a ANVISA pratica, quanto pelo que os fabricantes informam. A conclusão é que, se para quase profissionais de saúde, as informações não são inteligíveis, para as mães com certeza é impossível compreender que produtos são esses, bem como impossível prever e controlar eventuais riscos para a saúde de seus bebês. Ou não?

    ResponderExcluir