Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Suco integral dobem®: será que é realmente do bem?

A marca carioca dobem® surgiu com uma proposta diferente, se posicionando como alternativa aos produtos tradicionais. Tem inovado na categoria de sucos em caixinha, seus principais produtos são os sucos integrais, feitos de frutas frescas, sem adição de água, açúcar, conservantes ou corantes, sempre em embalagens divertidas. Mas será que o suco integral dobem® é realmente do bem? Será mesmo feito de suco integral? Será que possui vantagem em relação aos sucos tradicionais?


Legislação:
As bebidas são regulamentadas pela Lei nº 8.918, de 14 de julho de 1994, do MAPA, e regida pelo Decreto nº 2.314, de 4 de setembro de 1997, que dispõe sobre a padronização, a classificação, o registro, a inspeção, a produção e a fiscalização de bebidas. Posteriormente, o Decreto nº 3.510, de 16 de junho de 2000, alterou dispositivos do Decreto nº 2.314. A rotulagem dos sucos de fruta prontos para beber deve atender às exigências da ANVISA sobre rotulagem de alimentos embalados, conforme os Regulamentos Técnicos da RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002, sobre rotulagem de alimentos embalados, a RDC nº 360, de 23 de dezembro de 2003, sobre rotulagem nutricional de alimentos, a Portaria nº 27, de 13 de janeiro de 1998, referente à informação nutricional complementar, a RDC nº 359, de 23 de dezembro de 2003, sobre porções de alimentos embalados para fins de rotulagem nutricional, e a Lei nº 10.674, de 16 de maio de 2003, que obriga todos os produtos alimentícios comercializados a informar sobre a presença de glúten.

Fundamentos Bromatológicos
O suco de laranja pronto para beber é um dos sucos mais vendidos no Brasil, o suco de laranja é definido como bebida não fermentada e não diluída, obtida da parte comestível da laranja (Citrus sinensis), através de processo tecnológico adequado. Quanto à composição, o suco de laranja deve obedecer às características de cor amarela, sabor e aroma próprios, segundo Instrução Normativa nº 01, de 7 de janeiro de 2000.
Diferentemente dos outros sucos, o suco integral industrializado é feito 100% de suco de fruta, se encontrando na concentração original de suco extraído da fruta, sem adição de água e açúcar, sem uso de conservantes ou adição de corantes.

 Além do suco integral, há ainda outros tipos de sucos, mas o que geralmente encontramos disponíveis no mercado são as bebidas de fruta a base de néctar, ou o refresco. O néctar é a bebida não fermentada, obtida da diluição em água potável da parte comestível do vegetal ou de seu extrato, adicionado de açúcares, destinada ao consumo direto e o refresco é a bebida não fermentada, obtida pela diluição, em água potável, do suco de fruta, polpa ou extrato vegetal de sua origem, com ou sem adição de açúcares. Ou seja, o suco integral possui 100% de polpa, o néctar apresenta entre 30 e 50% e por fim, o refresco apresenta cerca de 10% de polpa da fruta.

Discussão
Poucas são as bebidas de fruta encontrados no mercado que realmente são suco, a grande maioria na verdade são o néctar ou o refresco. As principais diferenças entre eles podem ser observadas na tabela abaixo, onde se compara as informações nutricionais de um suco integral, um néctar e um refresco de laranja:

1,2,3 Ambos não possuem quantidades significativos de proteínas, gorduras totais, gorduras saturadas, gorduras trans e fibra alimentar.
3 TANG ainda possui 90ug de vitamina A
Através da análise nutricional dos 3 tipos de bebidas de laranja, pode-se observar que o suco de laranja dobem® possui algumas vantagens em relação aos demais, por exemplo, possui valor energético menor quando comparado ao néctar de laranja Del Valle, sendo uma alternativa para quem busca baixo consumo de calorias. Em relação aos carboidratos, apresenta uma quantidade maior (comparando suco dobem® ao refresco Tang), no entanto, como não houve adição de açúcar, acredita-se que esses carboidratos possam ser por exemplo a frutose, presente na laranja, diferentemente por exemplo, do refresco TANG, que informa que mais de 91% dos carboidratos presentes referem-se ao açúcar, além disso, o açúcar é componente em maior quantidade no TANG laranja. Um outro agravante do refresco em pó, é que nem sempre a diluição é feita com quantidade certa de água, sendo assim, em um copo de 200 ml, a concentração de açúcar pode ser encontrar ainda mais elevada.
Dentre os quadros clínicos desencadeados pelos excessos, estão as doenças cardiovasculares, a hipertensão e a obesidade. Esse último facilita o surgimento do diabetes tipo II, patologia crônica a qual o organismo se torna resistente à insulina. Se a insulina produzida é insuficiente ou ineficaz, os açúcares acabam retidos na corrente sanguínea, acarretando uma série de complicações e até a morte. O néctar, diferentemente dos sucos, pode receber aditivos, como corantes, conservantes açúcar ou outros adoçantes.
Além disso, o suco integral apresenta cerca de 10 vezes mais vitamina C que os demais. A vitamina C ou ácido ascórbico (e ascorbato, quando ionizado) é uma molécula usada na hidroxilação de várias outras moléculas em reações bioquímicas. A sua principal função é a hidroxilação do colágeno, a proteína fibrilar que dá resistência aos ossos, dentes, tendões e paredes dos vasos sanguíneos. Além disso, é um poderoso antioxidante, sendo usado para transformar os radicais livres de oxigênio em formas inertes. É também usado na síntese de algumas moléculas que servem como hormônios ou neurotransmissores. Em gêneros alimentícios é referido pelo número INS 300. No entanto, sabe-se que existe uma variação de vitamina C entre as laranjas de uma safra e outra, e como não há adição desta vitamina no produto, essa quantidade deveria ser variada entre lotes por exemplo, mas no rótulo encontramos um valor fixo. Um aspecto positivo do suco integral é que não apresenta adição de corantes e conservantes. Embora os corantes sejam regulamentados pelo Ministério da Saúde e Anvisa, eles podem fazer mal à saúde em pessoas sensíveis a eles. Os artificiais são, geralmente, mais propensos a efeitos colaterais de cunho alérgico por sua origem sintética e sua matéria-prima original. Ainda assim, apenas uma minoria de pessoas são sensíveis a esses aditivos.

Nenhum dos 3 produtos contem quantidades significativas de fibra alimentar, e segundo a RDC nº 360 de 2003, a fibra alimentar (item obrigatório no rótulo) só é considerada uma quantidade não significativa quando menor ou igual a 0,5 g. No entanto, um suco de laranja feito na hora por exemplo, tem em torno de 0,96 g de fibra, dessa forma, o suco dobem por ser tratar de um suco mais natural, sem aditivos apresenta quantidade menor de fibras, contudo dentro dos padrões exigidos pela legislação.

Conclusão:
Dessa forma, conclui-se que os sucos dobem®, com sua forma inovadora e com a ideia de oferecer à população um alimento mais saudável e com menos quantidade de aditivos que prejudicam a saúde do ser humano, é sim do bem. Os sucos integrais, por terem apenas a frutose como açúcar advindo da própria polpa da fruta é um fator positivo pois o suco não vem saturado de glicose. Além disso, ausência de corantes minimiza os efeitos alérgicos que podem surgir e a ausência de conservantes caracteriza o produto como o mais natural possível.





Referências:
FERRAREZI A. C., SANTOS K. O., M MONTEIRO. Avaliação crítica da legislação brasileira de sucos de fruta, com ênfase no suco de fruta pronto para beber. Rev. Nutr., Campinas, 23(4):667-677, jul./ago., 2010

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365-05962003000300002 – Aceesado em 22/05/2014.

Monique Mendes e Nathália Pessoa.

9 comentários:

  1. Lucas Fernandes Muniz da Silva31 de outubro de 2014 01:19

    Confesso que ao ler o trabalho achei a proposta extremamente interessante: um suco “natural” sem adição de água, conservantes e etc. Entretanto, talvez por um costume dos produtos industrializados, qual seria a garantia de consumir um produto desta natureza sem qualquer tipo de problema de saúde?

    Ao passo que entendemos que os ativos comumente adicionados no processo de produção de alimentos são responsáveis por criar a imagem e identidade do produto, como um alimento que passa por um processo industrial de fabricação pode não conter conservantes? E quanto à validade? Como determinar a validade deste produto e garantir que o mesmo não se deteriore neste intervalo temporal preestabelecido?

    Particularmente, ao ler sobre este tema várias dúvidas me surgiram, e percebo que o material disponível à respeito deste assunto é ligeiramente escasso. Sendo assim, creio ser importante a realização de mais estudos em relação ao tema.

    ResponderExcluir
  2. Luana Vicente de Mello- aluna do 8° período de Farmácia UFRJ31 de outubro de 2014 21:53

    Esse estudo se mostrou relevante, pois através dele conseguimos ver as reais vantagens de se consumir um suco integral em comparação dos feitos de polpa e de néctar. Os dados mais relevantes foram a quantidade de calorias, que vão apresentar uma diferença, pois o açúcar do suco integral são vindos da própria fruta e os outros apresentam adição de açúcar, o outro dado importante é a quantidade de vitaminas C presentes nos sucos integrais é como foi dito no próprio estudo "é a hidroxilação do colágeno, a proteína fibrilar que dá resistência aos ossos, dentes, tendões e paredes dos vasos sanguíneos. Além disso, é um poderoso antioxidante, sendo usado para transformar os radicais livres de oxigênio em formas inertes. É também usado na síntese de algumas moléculas que servem como hormônios ou neurotransmissores", o que demostra a sua importância.
    Porém o fato que chamou mais a minha atenção foi o de nem sempre ser realizado uma diluição correta dos sucos em pó, que pode levar a diversas complicações que foram citadas no estudo.

    ResponderExcluir
  3. Ana Luiza Ferreira Macedo Soares3 de abril de 2015 11:43

    Com o passar dos anos, a rotina das pessoas passou a ser muito mais corrida, devido ao acúmulo de mais tarefas em um único dia. Tanto homens quanto mulheres passaram a trabalhar, cuidar de filhos, de casa, tudo ao mesmo tempo. E com isso, a indústria começou a inserir no mercado os alimentos enlatados e de caixinhas que já seriam prontos para consumo com a proposta de “facilitar” a vida das pessoas. O consumo destes alimentos aumentou muito rápido em pouquíssimo tempo. Porém, para que estes alimentos pudessem ficar nas prateleiras por meses eles eram acrescidos de diversas substâncias como conservantes e sódio. Além disso, para apresentarem características agradáveis ao paladar e aos olhos eram também acrescidos de substâncias artificiais como edulcorantes, corantes, açúcares, entre outros. Com o passar dos anos, a população começou a perceber os malefícios dessa alimentação. As pessoas passaram a ser obesas, com problemas de diabetes, coração, entre outros. E então, surgiu a nova proposta da alimentação saudável que está sendo bombardeado o tempo todo na mídia. Hoje, está cada vez mais comum ver artistas e outras pessoas virarem vegetarianos ou veganos e, nasce junto, a geração fitness, onde as pessoas dedicam grande parte do seu tempo às atividades físicas para manter a boa forma e boa saúde. As pessoas começaram a deixar de lado os alimentos industrializados e passaram a preferir os alimentos mais “naturais”, principalmente os orgânicos. Seguindo esta linha de pensamento, o suco DO BEM veio com uma proposta inovadora e que está sendo muito bem aceita.
    A geração fitness se propõe a tomar os sucos naturais, feitos na hora, pois não apresentam conservantes nem açúcares e apresentam as vitaminas necessárias. Os sucos DO BEM oferecem este tipo de produto pronto para consumo. Assim, as pessoas que continuam com a rotina corrida tem a praticidade de tomar algo “mais saudável” sem ter o trabalho de preparar. Existem diversas discussões sobre os malefícios dos conservantes e exagero de açúcares nos alimentos industrializados. Mas então, como manter um suco integral, feito exclusivamente com a fruta natural, sem essas substâncias nas prateleiras do mercado por meses? A empresa responsável pelos sucos DO BEM seguiu a mesma proposta que já era feita com os leites de caixinha e começou a realizar o processo de ultrapasteurização para conservar o produto. Neste processo, o produto é aquecido a temperaturas muito altas por um curto intervalo de tempo e depois é resfriado rapidamente. Assim, todos os microrganismos que estejam presentes são eliminados e são eles os responsáveis pela deteriorização do produto. Além disso, depois de passado por este processo o produto é imediatamente envasado em caixas assépticas. A caixa possui 6 camadas de materiais (duas camadas consecutivas de polietileno, uma camada de alumínio, uma camada de polietileno, uma camada de papel cartonado impresso e uma camada mais externa de polietileno) e com esta combinação cria uma barreira protetora que impede a entrada de luz, água, ar e micro-organismos, preservando o sabor e o aroma dos alimentos por três meses a um ano.

    ResponderExcluir
  4. Gabriela B. Carballo6 de abril de 2015 07:47

    Apesar do produto ser diferente aos demais sucos de caixinha no mercado, no que diz respeito a sua composição e desse ponto de vista ser mais saudável quando comparado aos outros,nada se compara ao consumo do suco feito da fruta na hora, até por que, com o suco de laranja por exemplo, já é de conhecimento de todos que o suco da fruta deve ser consumido em até no máximo três horas após ser feito, caso contrário perde as suas propriedades. O artigo apresentado é de grande relevância, para que se tenha uma melhor orientação de consumo de suco de caixinha, porém a melhor escolha ainda é, o suco feito na hora.

    ResponderExcluir
  5. Não existe suco 100%. Não tem como existir. As propriedades das frutas têm vida útil quando submetidas a algum processo de extração. No caso do Suco do Bem, como todos os demais que se intitulam naturais são todos fraudes. O suco de laranja não tem como conservar suas propriedades exceto se houver conservantes que possam garantir uma vida longa ao suco.

    ResponderExcluir
  6. A proposta do suco do bem é muito interessante, tendo em vista que o mercado ainda tem muito pouco a oferecer na categoria 'alimentação saudável (aditivos FREE -livre de aditivos)' quando comparado aos outros tipos de alimentos em geral, o que faz a marca do bem assumir posição de destaque. Essa preocupação da marca e interesse dos consumidores atentos deve-se principalmente ao fato de aditivos alimentares terem a capacidade de gerar reações de hipersensibilidade, tóxicas - agúdas ou crônicas -desencadeando alergias, alterações neurocomportamentais e até mesmo a carcinogênese, se consumidos a longo prazo. Os corantes alimentares, por sua vez, com destaque para aqueles do grupo AZO, como a tartrazina, podem causar em crianças síndromes de hipercinesia, irritabilidade, déficit de atenção, todos esses fatores que por fim vão desencadear um nível maior de dificuldade na aprendizagem. Os conservantes como nitrito (que se reduz a nitrato na corrente sanguínea) e sulfitos presentes em embutidos cárneos podem gerar um substrato denominado nitrosamina, que é caracterizado por seu alto potencial carcinogênico. Ou seja, as pesquisas atuais acerca de aditivos alimentares e influência de cada tipo de alimento para a fisiologia do organismo revelam que muitos dos alimentos presentes na rotina diária podem estar comprometendo a qualidade de vida do homem, e que, portanto, seria uma opção mais inteligente e saudável consumir produtos como o suco do bem, que oferecem menos riscos e mais nutrição.

    ResponderExcluir
  7. Renan de Oliveira Vieira DRE 110180154
    Os sucos da marca “do bem”, são naturais, sem conservantes, aromatizantes ou outros aditivos químicos, sendo portanto mais saudáveis, quando comparados com outras marcas.
    Comparando as tabelas nutricionais


    O Suco Del Valle tem mais carboidratos e mais calorias (pois tem açúcar) e mais sódio (por causa dos conservantes). O suco Do Bem tem vitamina C.


    ResponderExcluir
  8. Maria Carolina Peçanha Fernandes DRE:110179959

    A comparação do um suco integral com o suco da polpa e o refresco mostra a diferença na quantidade de carboidratos, onde no TANG é adicionado 91% de açúcar e dependendo o quanto você dilui ainda pode ficar mais concentrado. No integral o carboidrato é proveniente somente da fruta (frutose) o que é muito bom para pessoas que tem diabetes tipo II, já que o açúcar (glicose, sacarose, entre outros) são seus aliados.

    Um outro ponto importante é que no suco integral não possui adição de corantes e conservantes o que indica que o valor de vitamina C 10 vezes maior, quando comparado ao suco da polpa, é proveniente somente da fruta. Esse ponto é importante para o consumidor pois muitos sucos enganam falando que tem vitamina C, mas na verdade essa vitamina C é somente utilizado como conservante para evitar a oxidação dos produtos.

    Além disso os sucos da polpa e o TANG ainda utilizam outros aditivos como corantes e acidulantes para caracterizar os sucos e esses podem causar reações alérgicas e em crianças síndromes de hipercinesia e irritabilidade. Os acidulante também são caracterizado spor seu alto potencial carcinogênico.

    Muito importante esse estudo, uma vez que compara três sucos, que na maioria das vezes estão nas mesas dos consumidores e estes não tem acesso a tal comparação nas propagandas e mercados.

    ResponderExcluir
  9. A proposta do produto é bem interessante, tendo em vista que o consumo de bebidas e outros produtos industrializados são processados ou ultra-processados e por isso, podem apresentar risco à saúde por não terem as propriedades adequadas que o produto natural teria e pela introdução de diversos aditivos. O suco integral descrito na matéria é diferente dos outros sucos industrializados pois parece manter a maior quantidade de propriedades do suco natural, como a vitamina C, e possui menor quantidade de aditivos, como açúcar. A dúvida que eu tenho seria em relação a conservação e o tempo de prateleira deste produto, pois como não possui conservantes, a garantia de um produto livre de contaminação seria menor. Talvez seja necessária a adição de conservantes para manter a segurança do produto, com um prazo de validade que permita uma maior conservação do produto tanto nas residências como nas prateleiras.

    Jessica P. Clemente
    Farmácia
    DRE: 112205528

    ResponderExcluir