Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

CocaCola® Stevia




Introdução:
Com o aumento do estilo de vida saudável da população em geral, a Companhia CocaCola observou queda na venda de seus produtos. Por isso, viu a necessidade de lancar um produto que acompanhasse esse “novo estilo”.
A versão verde da Coca-Cola chegou ao Brasil com o nome de CocaCola Life e foi apelidada de “mais saudável”, por ter 50% menos açúcares e ser adoçada com folhas de stévia. Antes, o decreto 6871/2009 do Ministério da Agricultura não permitia que bebidas não-alcoólicas misturassem diferentes tipos de açúcares e edulcorantes em sua composição. Mas, em dezembro do ano passado, a regra foi alterada, e a nova Coca pôde entrar no mercado brasileiro.
            A stévia é uma planta com alta capacidade adoçante, e em sua forma natural chega a ser 15 vezes mais doce que o açúcar doméstico. Como benefícios a stévia não causa diabetes, não contém calorias, não altera o nível de açúcar no sangue, não contem ingredientes artificiais, inibe a formação de placa e cárie dental, entre outros.

Fundamentos bromatológicos e discussão:
A composição é de água gaseificada, açúcar, extrato de noz de cola, cafeína, corante caramelo IV, acidulantes ácido fosfórico e ácido cítrico, conservante benzoato de sódio, regulador de acidez fosfato de sódio monobásico e edulcorante glicosídeo de esteviol (13 mg / 100 ml).



Isso confere ao refrigerante 4% do valor energético recomendado por dia (ao invés das 149 kcal da versão original), 2% da recomendação diária de sódio (mais que o dobro da quantidade encontrada na versão regular, que leva 18 mg), e 18 gramas de açúcares, que corresponde a 72% da recomendação diária.  
O consumo de açúcar não deve passar de 50 gramas por dia, segundo a OMS. As recomendações foram determinadas com base na análise de dados científicos mais recentes que mostram a relação açúcar e peso corporal.
A Coca-Cola verde não apresenta riscos à saúde, a não ser que o consumidor tenha alguma contraindicação referente ao consumo de açúcar, pois ele permanece na composição da bebida. Além disso, deve ser consumida com moderação por pacientes hipertensos, devido a alta quantidade em uma porção de 350 ml (uma latinha).

Conclusão
O novo produto remete a algo saudável pelo nome “Life”, além da cor verde remeter a um produto natural. Uma lata de 350ml da nova versão tem 18 gramas de açúcar e 70 calorias. Porém, ela contém 72% da recomendação diária máxima de açúcares.
Ainda que o refrigerante tenha menos açúcar, sua composição contém diversas substâncias artificiais e nocivas, além de não ser nutritiva.
            Se a opção for de uma bebida para um estilo de vida mais saudável, recomenda-se a ingestão de água, sucos naturais e a diminuição ou eliminação de refrigerantes de qualquer tipo da dieta, afim de evitar futuros problemas estéticos ou mesmo de saúde.


Referencias:

9 comentários:

  1. Fernanda Cavalcante Preuss9 de setembro de 2016 18:42

    Stevia é uma planta nativa da América Central e do Sul, que pertence à mesma família do girassol e da chicória. Amplamente cultivada pelas suas folhas doces, ela tem sido usada há séculos pelos nativos da América do Sul como um edulcorante tradicional, adicionada aos chás de ervas e outras bebidas. Encontram-se nas suas folhas, dois principais compostos glicosídeos, de sabor adocicado: esteviosídeo e o rebaudiosídeo A. Estes compostos são 200 a 300 vezes mais doces que o açúcar, de tal forma que uma pequena quantidade é suficiente para obter a doçura desejada. São estes glicosídeos que têm sido alvo de recentes estudos de segurança e de apreciação. Os glicosídeos da Stevia têm qualidades adicionais que são úteis para os fabricantes. Eles tendem a manter sua doçura dentro de condições normais de processamento e armazenamento dos alimentos e são estáveis em um amplo espectro de condições de fabricação.
    A stevia permitiu a redução pela metade dos açúcares na comparação com a versão regular da Coca-Cola e representa uma nova opção para consumidores que buscam controlar o consumo de açúcar e calorias. Uma lata de 350ml da nova versão tem 18 gramas de açúcar e 70 calorias. Diferentemente da Coca-Cola adoçada com stevia, as versões Zero e Light são bebidas completamente sem açúcar.
    Referências: http://www.cocacolabrasil.com.br
    http://www.eufic.org
    http://globalsteviainstitute.com

    ResponderExcluir
  2. Alessandra Silva Domingos11 de setembro de 2016 19:35

    Com o aumento da demanda de produtos que tenham conceito saudável, a Coca-Cola lançou no mercado a Coca-Cola verde, visando alcançar o público que tem preocupação com a saúde e visa uma estilo de vida saudável. A nova versão contém menos açúcar e possui em sua composição stévia que possui benefícios como ter zero caloria e ser de origem natural. Na sua composição há compostos doces e as folhas da planta Stevia rebaudiana Bertoni que são conhecidos como glicosídeos de esteviol. São encontrados muitos glicosídeos de esteviol na folha de stevia como o esteviosídeo, rebaudiosídeo A (Reb A), rebaudiosídeo B, rebaudiosídeo C, rebaudiosídeo D, rebaudiosídeo E, rebaudiosídeo F, dulcosídeo A, rubusídeo e esteviolbiosídeo. Para a aprovação para uso como ingrediente, são aceitos apenas extratos de folhas de stevia de alta pureza (> 95% do conteúdo de glicosídeo de esteviol), que após processos dão origem a um pó branco a amarelo-claro, inodoro, solúvel em água e que é cerca de 200 a 300 vezes mais doce que a sacarose. Outra vantagem destes compostos é a capacidade que os glícosídeos de esteviol possuem em se manter estáveis durante as etapas de preparação e durante armazenamento de vários tipo de alimentos, não sendo sensíveis à exposição à luz. Estas características do adoçante natural possibilitam que a Coca-cola seja consumida por pessoas que desejam controlar o peso sem abrir mão da bebida e por ser mais doce do que o açúcar, pequenas quantidades podem ser usadas para adoçar. Dessa forma, a quantidade de açúcar foi reduzida em 50% em relação a versão original, agora sendo uma mistura de açúcar de cana com o açúcar das folhas de stévia e resulta em 18g de açúcar, enquanto a Coca-Cola normal tem 37g. No entanto, com a redução de açúcar houve o aumento do quantidade de sódio de 1% para 2%, o qual sabe-se que o consumo elevado de sódio desencadeia a hipertensão e é responsável pelo aumento das doenças circulatórias e cardíacas. Além disso outros aditivos presentes na composição original não foram alterados ou sofreram redução como o corante caramelo IV, que tem a possibilidade de aumentar risco de câncer. Neste contexto, não se pode afirmar que a Coca-Cola verde seja totalmente considerada como saúdavel apesar da redução da quantidade de açúcar.
    Referências:
    http://globalsteviainstitute.com/saiba-mais-sobre-a-stevia/ciencia-da-stevia/ciencia-dos-alimentos/
    http://www.dietaja.org/alimentos/coca-cola-verde/
    http://wp.clicrbs.com.br/ladonatureba/2016/05/10/coca-cola-verde-reduziu-acucar-mas-aumentou-o-sodio/?topo=52,1,1,,171,e171

    ResponderExcluir
  3. Stevia rebaudiana Bertoni, um arbusto encontrado na América do Sul, produz glicosídeos diterpenos que são adoçantes de baixo teor calórico, com potencial em torno de 300 vezes mais doce, comparado a sacarose. Extratos de Stevia , além de terem propriedades terapêuticas , contém um nível elevado de compostos conhecidos como adoçantes, os glicosídeos de esteviol , que possuem atividade antioxidante , antimicrobiana e antifúngica . Esteviosídeo e rebaudiosídeo A são os principais compostos adoçantes de interesse. Eles são termoestáveis , mesmo a temperaturas de até 200 °C, tornando-os adequados para utilização em alimentos cozidos. Stevia rebaudiana tem um grande potencial como uma nova safra agrícola já que a demanda dos consumidores por alimentos à base de plantas está aumentando e a análise centesimal mostrou que Stevia também contém: ácido fólico, vitamina C e de todos os aminoácidos indispensáveis com exceção do triptofano. O cultivo e produção do Stevia ajudariam ainda mais pessoas que devem manter sob vigilância a ingestão de carboidratos na dieta, para apreciar o sabor doce com calorias reduzidas.

    Referências:

    Boileau, A.; Fry, C.J.; Murray,R. A new calorie-free sugar substitute from the leaf of the stevia plant arrives in the UK. Nutrition Bulletin, vol.37, March 2012, p. 47-50. Chan,P.; Tomlinson, B.; Chen , Y.J. et al. A double-blind placebo-controlled study of the effectiveness and tolerability of oral stevioside in human hypertension. BR J Clin Pharmacol . 50(3):215-220. 2000.
    Lemus-Mondaca, R.; Vega-Gálvez, A. ; Zura-Bravo, L. ; Ah-Hen, K. Stevia rebaudiana Bertoni, source of a high-potency natural sweetener: A comprehensive review on the biochemical, nutritional and functional aspects. Food Chemistry, vol.132,June 2012, p.1121-1132.
    Gregersen , S.; Jeppesen P.B.; Holst JJ, Hermansen K.Antihyperglycemic effects of stevioside in type 2 diabetic subjects. Metabolism: 53(1):73-76.2004.

    ResponderExcluir
  4. Ao procurar por discussões sobre o assunto, observo o seguinte parágrafo:
    "A Coca-cola verde é realmente mais saudável do que os outros refrigerantes de cola da marca. Isso porque em sua composição há uma quantia de açúcar reduzida, por conta da presença do adoçante de stevia."

    Curiosa a palavra "saudável" quando trata-se de um REFRIGERANTE, que ainda faz uso de corante caramelo IV, tão criticado pela possibilidade de aumentar risco de câncer e uma alta concentração de sódio.

    Juntamente à uma adição de versão da coca-cola com embalagem de curiosa cor verde, observa-se de uma jogada de marketing para aumentar (ou manter - aqueles que tentam mudar a alimentação) de seus clientes.

    ResponderExcluir
  5. Segundo uma reportagem do jornal Daily Mail, uma pesquisa da Universidade de Sydney mostrou que consumidores sentem-se mais a vontade para ingerir uma quantidade maior de Coca-cola Life do que a versão tradicional do refrigerante. Este fato se deve aos efeitos causados pela comercialização do produto como "saudável" e pela mistura de açúcar e adoçante na sua composição. Entretando, uma vez que a quantidade de açucar presente no novo produto ainda é bastante alta - 22 g na versão nova contra 39 g na tradicional - o resultado pode ser a maximização da quantidade de açúcar ingerida.

    Por estas razões, Australianos afirmam que a comercialização dos produtos Coca-Cola Life rotulados como saudáveis é irresponsável e enganosa. Outro ponto ressaltado por eles é a cor verde da embalagem da linha Life, a qual induz o consumidor a pensar que se tratam de produtos saudáveis, quando na verdade não o são. Esta confusão pode colocar a saúde do consumidor em risco, contradizendo a proposta da Coca-Cola em lançar produtos "saudáveis" contra a epidemia de obesidade.

    http://www.dailymail.co.uk/news/article-3018850/Coca-Cola-accused-health-washing-single-Coke-Life-maxes-daily-recommended-SIX-teaspoons-sugar.html

    ResponderExcluir
  6. Refrigerantes estão entre as seis bebidas mais consumidas do mundo. Dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) mostraram que em 2014 34% da população brasileira consumia refrigerante, sendo 20,8% o ingeriam pelo menos 5 vezes, ou mais, durante a semana. Do total, 46% afirmaram preferir o refrigerante da Coca-Cola, marca mais conhecida no mundo, por cerca de 95% da população mundial. Apesar desses números, outro estudo do mesmo ano realizado pelo Ministério da Saúde demonstrou que esse consumo diminuiu em 20% nos últimos 6 anos, segundo os dados da Vigitel 2014, pesquisa que monitora fatores de risco para a saúde, o que evidencia a busca cada vez maior por hábitos mais saudáveis. Assim, na busca para realcançar seu público, a coca-cola lançou a versão Life, uma vez que a companhia observou o aumento na venda de seus produtos ditos saudáveis. Com seu rótulo verde, o qual já remete a algo mais natural e bem estar do que a sua tradicional embalagem vermelha, o produto é paradoxalmente vendido como mais saudável por possuir menos açúcar - mas apenas isso, pois no produto há a combinação com o adoçante natural estévia. Conhecido por seus benefícios, uma revisão realizada por toxicologistas encomendada pelo Centro de Ciência no Interesse Público (Kobylewski & Eckhert, 2008), levantou preocupações de que a estévia poderia contribuir para o câncer. Os autores observaram que em alguns estudos in vitro e em animais, o componente esteviosídeo causou mutações genéticas e danos cromossômicos com quebra de DNA. Essas mudanças poderiam contribuir para a malignidade, embora ainda necessite de mais estudos para elucidar seus efeitos. Além disso, a análise mais profunda do rótulo da coca-cola life, como descrita no texto, não se mostrou tão diferente assim da vermelha, possuindo mais do que o dobro de sódio e 72% da recomendação máxima diária de açúcar, além de possuir outros ingredientes nocivos (alguns presentes no produto original, e outros exclusivos da Life). No entanto, o conceito e o marketing de saúde foram muito bem vendidos sobre o produto e já vivem hoje no imaginar da população - mas não era esperado nada de diferente para a empresa que gasta mais em publicidade do que a soma investida pela Microsoft e Apple juntas…

    Referências:
    Goyal, S.K., Samsher and Goyal, R.K. (2010). Stevia (Stevia rebaudiana) a bio-sweetener: A review. International Journal of Food Sciences and Nutrition, 61, 1, 1-10.
    Kobylewski, S. and Eckhert, C.D. (2008). Toxicology of rabaudioside A: A review. Retrieved July 20, 2011.
    ZANINE, R. V. et al. Consumo diário de refrigerantes, doces e frituras em adolescentes do Nordeste brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 12, p. 3739-3750, dez. 2013.

    ResponderExcluir
  7. O Marketing é o fator chave para que o consumo de um determinado produto seja satisfatório, levando ao lucro da empresa sobre sua produção. Há alguns anos, hábitos de vida mais saudáveis são recomendados através de diferentes profissionais e veículos comunicativos e isso tem levado as empresas a estarem atentas ao novo perfil de consumidor que surge. No entanto, o marketing nem sempre acompanha o real valor do produto, vendendo uma imagem ilusória, buscando pura e simplesmente a venda em massa de um determinado produto. Em Maio de 2016 a Coca-cola lançou um "novo" tipo de refrigerante, apresentando Stevia em sua composição, substituindo o açúcar utilizado na produção do refrigerante convencional. Lançando mão de cor verde no rótulo, que lembra um produto natural, a empresa deixa implícito que sua nova fórmula é mais saudável, podendo ser consumida por quem tem cuidado com o teor de açúcar dos alimentos, já que 50% do seu teor foi substituída por Stevia, um arbusto produtor de compostos terpênicos que conferem sabor adocicado, superando ao da sacarose, amplamente utilizado na produção alimentícia. Apesar da tentativa a Coca-cola Stevia continua apresentando todas as problemáticas dos outros refrigerantes, a principal delas a grande quantidade de açúcar, e com concentração de sódio consideravelmente maior, em relação ao refrigerante convencional, apontado um risco adicional ao consumidor. Ou seja, a Coca-cola Stevia é um daqueles produtos perigosos quando consumidos de forma regular, mas que são vendidos como saudáveis pelo marketing das grandes empresas. Diante disso, é preciso que se tenha uma maior fiscalização sobre como esses produtos são vendidos e seus rótulos a fim de que os consumidores não sejam enganados e não comprem apenas a idéia do que é fornecido, mas sim um produto que cumpre todas as suas impressões.

    Referências:
    http://www.cocacolabrasil.com.br/bebidas/coca-cola/coca-cola-com-stevia-e-50-menos-acucares
    http://www.fatosdesconhecidos.com.br/qual-e-diferenca-da-coca-cola-verde-para-tradicional/

    ResponderExcluir
  8. Grande artigo e maioria das pessoas tomam esse veneno!

    ResponderExcluir
  9. A coca cola existe desde 1944, e até hoje é uma das maiores indústrias de refrigerantes do mundo, além de ser uma potente marca americana. A coca cola nunca para de criar e acompanhar o ritmo das gerações e novas tendências. Observa-se atualmente uma onda mais fitness e saudável, e assim além de possuir a marca coca cola zero, sua nova criação foi o refrigerante Coca-cola Stevia como foi muito bem citado nesse trabalho. Esse veio com toda força, acompanhado de um Marketing bem estruturado: saúde/boa forma + consumo de refrigerante, o que antes não cabia em uma mesma sentença. Para os consumidores leigos, isso é o que faltava. Beber refrigerante, manhã, tarde, noite sem culpa. Isso é um grande engano! Segundo o INCA, "os edulcorantes, quando consumidos em excesso, podem causar efeitos colaterais, como dor de cabeça, mal-estar, alterações de humor e diarreia. Além disso, estudos experimentais, realizados em animais, revelam o potencial de determinados adoçantes artificiais, como o aspartame, ciclamato de sódio e sacarina sódica, para desenvolvimento de câncer". Isso demonstra que para tudo que se consome e se ouve, é necessário um olhar crítico.

    Dessa forma, é necessário optar por bebidas mais saudáveis, educar seu paladar ao gosto propriamente dito do que se bebe, evitando assim açucares e edulcorantes tão presentes em muitos produtos disponíveis nos mercados. Muitas bebidas diet, zero, light possuem edulcorante em sua composição, sendo imprescindível um olhar crítico para o rótulo desses produtos.
    Segundo o INCA: "A OMS e a ANVISA estabeleceram limites para a ingestão diária de adoçantes artificiais. Entretanto, há grandes dificuldades em quantificar o real consumo dessas substâncias, uma vez que elas estão presentes em vários alimentos ultraprocessados, como aqueles prontos para consumir ou aquecer, sem a indicação da sua quantidade nos rótulos.

    Natália Umeda



    Bibliografia:
    http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/cancer/site/prevencao-fatores-de-risco/alimentacao/adocantes-artificiais

    http://www.cocacola.com.br/pt/home/?utm_source=google&utm_medium=cpc&utm_content=marca&utm_campaign=always-on

    ResponderExcluir