Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Quercetina: O anjo que caiu do céu?

              Este flavonóide ganhou popularidade pela ação antioxidante prevenindo doenças degenerativas e cardíacas. Foram descobertas também ações antitumorais, antivirais, antidiabéticas e imunológicas. O suplemento já circula a um bom tempo no mercado, mas ainda restam dúvidas sobre sua utilização. Qual seria a concentração necessária para aproveitar dos benefícios da quercetina ? Veja mais....

Introdução

             A quercetina é um membro da família dos flavonóides, um dos antioxidantes mais importantes na dieta. Está presente em alimentos, incluindo vegetais, frutas, chá e vinho, bem como inúmeros suplementos alimentares e é conhecida por exercer efeitos benéficos à saúde.Devido ao potencial antioxidante, anticarcinogênico e efeitos protetores aos sistemas renal e cardiovascular, a quercetina vem sendo utilizada como suplementação alimentar. A quercetina pode ser vendida com vários nomes comerciais, como Super Quercetin, Quercetina 500mg ou Quercetina Biovea, a composição de cada suplemento varia de laboratório para laboratório, sendo muitas vezes associada à vitamina C.





       
 

Fundamentos Bromatológicos

                Os flavonóides são importantes componentes da dieta humana embora, geralmente, sejam considerados não nutrientes, ou seja, substâncias sem valor nutritivo. São consumidos diariamente na dieta humana, porém, uma quantificação mais exata do total de flavonóides ingeridos torna-se difícil devido à falta de tabelas com dados sobre sua distribuição nos alimentos. O consumo total estimado varia entre 26 mg e 1 g/dia, de acordo com o consumo de fontes específicas como vinho tinto, chá preto, cerveja, frutas (maçã, uva, morango), vegetais (cebola, couve, vagem, brócolis), grãos, nozes, sementes e especiarias. A quercetina, o mais abundante flavonóide presente na dieta humana, geralmente encontrado nos alimentos na forma glicosilada, representa cerca de 95% do total dos flavonóides ingeridos. A cebola, maçã e brócolis são as fontes majoritárias da quercetina.

                Potencial antioxidativos: devido à suas propriedades sequestrantes de radicais livres e por quelar íons metálicos, protegendo assim os tecidos dos radicais livres e da peroxidação lipídica. A quercetina pode inibir o processo de formação de radicais livres em três etapas diferentes: na iniciação (pela interação com íons superóxido), na formação de radicais hidroxil (por quelar íons de ferro) e na peroxidação lipídica (por reagir com radicais peroxi de lipídeos). O uso associado com a vitamina C aumenta a biodisponibilidade pela regeneração da forma antioxidada da quercetina.
                Potencial Anticarcinogênico: a quercetina regula o ciclo celular, interage com os locais de ligação do estrogênio tipo II, diminui a resistência às drogas e induz a apoptose de células tumorais podendo tornar-se um potente composto antitumoral. Adicionalmente, a quercetina inibe a atividade da tirosina quinase.
                Estudos verificaram que a quercetina pode atuar em doenças cardiovasculares, inibindo importantes passos da angiogênese in vitro, incluindo a proliferação, migração e formação tubular das células do endotélio, em doenças renais, tendo ação de preservação da integridade histológica renal com diminuição do dano tubular e da inflamação intersticial.
                Em maio de 2016, um grupo de pesquisadores brasileiros afirmou ter descoberto um medicamento antiviral capaz de combater dengue, zika e chikungunya. A fórmula, composta por três substâncias já conhecidas e presentes em alimentos, vitaminas e remédios com diferentes funções, contém quercetina, um anti-histamínico e o terceiro componente antiviral permanece sob sigilo. A fórmula, nomeada de D6501, atua em diferentes frentes, inibindo a replicação do vírus nas células e estimulando as defesas do organismo. Já o componente anti-histamínico atuaria comprimindo os vasos sanguíneos, evitando quadros hemorrágicos.

Legislação

         No Brasil existem algumas leis e regulamentações que dispõem sobre alimentos e suplementação de vitaminas. Porém, não há um consenso entre pesquisas e essas regulamentações para a padronização de doses de quercetina, de acordo com patologias. Na Anvisa a quercetina tem registro no órgão como substância estabilizadora de formulações, sem função terapêutica descrita.

Conclusão

         Para os que desejam utilizar dos benefícios da quercetina, atenção. Como apresentado, não existe uma legislação específica sobre a suplementação de quercetina no Brasil, sendo necessário não só a criação de legislações, como pesquisas mais específicas em torno da utilização para o tratamento de patologias. É muito importante destacar que qualquer uso de suplementação tem que ser indicado por um profissional capacitado para isso.

Referências

BEHLING, E.B.; SENDÃO, M.C.; FRANCESCATO, H.D.C.; ANTUNES, L.M.G.; BIANCHI, M.L.P. Flavonoid quercetin: general aspects and biological actions. Alim. Nutr., Araraquara, v. 15, n. 3, p. 285-292, 2004.
Askari G, Ghiasvand R, Feizi A, Ghanadian SM, Karimian J. The effect of quercetin supplementation on selected markers of inflammation and oxidative stress. Journal of Research in Medical Sciences : The Official Journal of Isfahan University of Medical Sciences. 2012;17(7):637-641.
      Fonte: Quercetina uma nova tendência
Fonte: Suplemento de Quercetina - Antioxidante Natural
Fonte: Pesquisadores brasileiros testam remédio contra dengue, zika e chikungunya

Disponível em: http://www.cff.org.br/impressao.php?noticia=3747

Nenhum comentário:

Postar um comentário