Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

sábado, 6 de agosto de 2016

Redoxitos®




A Ingestão diária recomendada de vitamina C, de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), é de 30mg/d  para crianças de 4-6 anos e de 35mg/d para crianças de 7-10 anos. Foi lançado no mercado vitamina C em gominhas e o principal público-alvo são as crianças. Será que o Redoxitos poderá ser consumido como guloseima em vez de suplemento vitamínico pelas crianças e com isso desenvolver hipervitaminose? Leia mais a seguir...

INTRODUÇÃO

Quando se fala em gripe ou em resfriado uma das primeiras coisas que vem à cabeça é a utilização de vitamina C. As pessoas que mais são acometidas por essas doenças são as crianças e devido à isso, os pais acabam dando suplementação de vitamina C para o combate da gripe.
Assim como muitos outros produtos, o lançamento no mercado da nova formulação da vitamina C, em forma de gominhas, pode levar ao consumo excessivo dessa vitamina, principalmente pelas crianças, seu principal público alvo. Esse excesso pode se dar não só pelo fato de parecer uma guloseima devido ao formato, mas também pela variação de sabores, sendo estes de morango, frutas tropicais, uva e laranja.

FUNDAMENTOS BROMATOLÓGICOS

A vitamina C, também conhecida como ácido-ascórbico, é importante na produção de colágeno, L-carnitina, neurotransmissores e de hormônios e a produção deles está relacionada com a ingestão diária de vitamina C. Ela também atua como um antioxidante e já foi mostrado que ela pode ser uma regeneradora de outros antioxidantes como o alfa-tocoferol (vitamina E). Outra função importante é que ela possui um papel importante no sistema imune. Ela também pode diminuir a progressão de câncer e doenças cardiovasculares. Ainda há controvérsias sobre o uso de vitamina C para o combate e prevenção de resfriados e gripe. Uma vez em que o indivíduo já está gripado ou resfriado, essa vitamina não é capaz de amenizar os sintomas.
Assim como outros nutrientes, a vitamina C consumida em excesso pode provocar alguns males à saúde. Dentre eles podemos citar diarreias, náuseas, vômitos, dor de cabeça, fadiga e perturbação do sono. Além disso, a ingestão excessiva de vitamina C com o estômago vazio pode causar indigestão. Mas a sua falta pode causar escorbuto (sangramento nas gengivas), cicatrização lenta, fadiga e depressão.

LEGISLAÇÃO

Segundo a Legislação Brasileira, a RDC nº 269 de 22 de setembro de 2005 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), estabelece que a ingestão diária recomendada (IDR) para crianças é de 30mg/d para crianças de 4-6 anos e de 35mg/d para crianças de 7-10 anos.

DISCUSSÃO

A vitamina C já possui algumas outras formas, como comprimido efervescente e solução oral e possui como via de administração, a oral, e possui boa biodisponibilidade, em torno de 70% - 90%, sendo que sua absortividade é boa pelo intestino. 
Muitas vezes o pensamento de que quanto mais vitamina, melhor. Mas nada em excesso é benéfico para o organismo, visto que já foi citado os males que o excesso da vitamina C pode causar. Essa nova formulação, em formato de gominhas, pode fazer com que seja consumida mais em forma de guloseima como uma forma de suplementação, o que pode levar ao excesso e a criança adquirir todos os problemas citados anteriormente.
Como uma gominha já é o suficiente para a IDR de uma criança, se ela consumir um pacote todo, que contém 25 unidades, ou até mesmo metade do pacote, 12 gominhas, a ingestão de vitamina C vai ser de muito superior à IDR estabelecida pela ANVISA, cerca de 10x a 20x maior. Ou seja, a criança pode ter problemas devido ao consumo como guloseima. Mas, se o excesso não for muito alto, a criança pode não desenvolver complicações porque a vitamina C que foi ingerida é excretada na urina.

CONCLUSÃO

A suplementação nos dias de hoje está sendo cada vez mais comum e, em casos de gripe, o uso de vitamina C é muito mais comum, em crianças principalmente. Portanto, o uso indiscriminado do Redoxitos, pode causar uma hipervitaminoses nas crianças pelo fato de ser consumido como guloseima e os responsáveis por elas devem ficar atentos quanto ao consumo excessivo. Guardar a vitamina C longe do alcance das crianças é um jeito de que não haja esse consumo excessivo e também de terem consciência de que tudo em excesso faz mal à saúde.

REFERÊNCIAS bIBLIOGRÁFICAS

ANVISA. Resolução RDC nº 269, de 22 de setembro de 2005. Disponível em <http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/394219/RDC_269_2005.pdf/2e95553c-a482-45c3-bdd1-f96162d607b3> Acessado em 22 de julho de 2016;

LI, Y.; SCHELLHORN, H. E. New developments and novel therapeutic perspectives for vitamin C. Disponível em <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17884994?dopt=Abstract>, acessado em 26 de julho de 2016;

JACOB, R. A. Vitamin C function and status in chronic disease. Disponível em <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12134712?dopt=Abstract>, acessado em 26 de julho de 2016;

Copacabana Runners. Vitamina C - falta, excesso, função, importâcia, fontes. Disponível em <http://www.copacabanarunners.net/vitamina-c.html> Acessado em 26 de julho de 2016;

National Institutes For Health. Vitamin C. Disponível em <https://ods.od.nih.gov/factsheets/VitaminC-HealthProfessional/>, acessado em 27 de julho de 2016;

WebMD. Cold, Flu & Cough Health Center. Disponível em <http://www.webmd.com/cold-and-flu/cold-guide/vitamin-c-for-common-cold>, acessado em 27 de julho de 2016.






Um comentário:

  1. Carolina dos Santos19 de setembro de 2016 11:57

    Será uma boa ideia colocar um suplemento infantil em goma? Há contradições, por um lado a aceitação da criança será bem melhor do que se fosse um comprimido, mas será que essa apresentação não estaria contribuindo para um consumo maior dessas gomas? A criança também pode confundir com outra bala convencional e fazer uso de todas as gomas contidas na embalagem. Seria um perigo? Inofensivo, pois se trata de uma vitamina? Para muitas pessoas e para as mães, principalmente, não haveria problema algum se esse fato acontecesse. Mas, tudo em excesso pode trazer complicações, diversos estudos verificaram associação entre o alto consumo de vitamina C com a presença de cálculos nos rins e distúrbios gastrintestinais. Além disso, quando a gente suplementa micronutrientes sem a necessidade clínica o organismo tende a se adaptar, e a retirada abrupta destas megadoses de vitamina C pode provocar um quadro semelhante ao de escorbuto (que é uma das consequências da deficiência de vitamina C). Ou seja, quando se adapta, o organismo parece requerer grandes doses, fato que pode desencadear muito mais facilmente as deficiências nutricionais. Deste modo, fica bem claro que a suplementação só deve ser feita quando há necessidade clínica, portanto, quando a deficiência é comprovada. Que fique bem claro que deve ser consultado um médico, nesse caso, o pediatra e não simplesmente comprar porque achou interessante.

    Referência bibliográfica: É só uma inocente balinha de goma cheia de vitamina C? Será?, disponível em: http://www.nutricionistapediatrica.com.br/2015/06/vitamina-c-na-balinha-nao-caia-nessa.html, acessado em 19 de setembro de 2016, ás 09:40 h.

    ResponderExcluir