Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Índice glicêmico da Paçoquita Diet



A obesidade está aumentando no mundo todo, o que gera uma maior incidência de diabetes do tipo 2 e outras doenças relacionadas com um maior consumo de açúcar. Por isso, há uma tendência cada vez maior do consumo de alimentos considerados “diet” para grupo de pessoas que tenham algum tipo de restrição. Será mesmo que o produto que você está consumindo atende a sua necessidade?  Leia mais


1. Descrição

 A Paçoquita é um produto da Santa Helena, feito à base de amendoim e açúcar. Na versão diet é um doce de amendoim sem adição de açúcar, mas com o mesmo sabor da paçoquita original. De acordo com as informações nutricionais contém: Amendoim, maltodextrina, frutooligossacarídeo, sal, edulcorante natural, sorbitol, edulcorantes artificiais sucralose e acessulfame. Foi desenvolvida para indivíduos que têm restrição ao consumo de açúcar, como os diabeticos, e pessoas que buscam uma alimentação mais saudável.


2. Fundamentos Bromatológicos

O índice glicêmico (IG) representa o efeito sobre a glicemia de uma quantidade fixa de carboidrato disponível de um determinado alimento, em relação a um alimento-controle (normalmente o pão branco ou a glicose) por meio da analise da curva glicêmica produzida por 50g de carboidrato (disponível) de um alimento teste em relação a curva de 50g de carboidrato do alimento padrão (glicose ou pão branco). Atualmente utiliza-se o pão branco por ter resposta fisiológica melhor que a da glicose.
Existem várias formas de os carboidratos se transformarem em açúcar em nossa corrente sanguínea. Quanto mais rápido for este processo, maior será a liberação de insulina, que equilibra o açúcar no sangue. Os alimentos de alto índice glicêmico são aqueles que liberam uma grande quantidade de insulina, aumentando drasticamente a taxa de açúcar no sangue. Os alimentos de baixo índice glicêmico (IG) são aqueles que liberam pouca quantidade deste hormônio, fazendo com que o açúcar chegue mais lentamente ao sangue e consequentemente provocando menos fome.
Na Paçoquita diet não há adição de açúcar (sacarose = glicose + frutose) mas, em compensação, há adição de maltodextrina (glicose + glicose), um carboidrato com índice glicêmico maior que o da sacarose, fazendo com que aumente os níveis de açúcar drasticamente na corrente sanguínea.

IG maltodextrina: 105
IG sacarose: 87

Para o indivíduo que tem diabetes, isso é muito ruim. Pois os níveis de glicose e insulina precisam ser controlados.


3. Legislação Pertinente

Segudundo a Portaria nº 29, de 13 de janeiro de 1998 fica definido que alimentos diet "São os alimentos especialmente formulados ou processados, nos quais se introduzem modificações no conteúdo de nutrientes, adequados à utilização em dietas, diferenciadas e ou opcionais, atendendo às necessidade de pessoas em condições metabólicas e fisiológicas específicas.”
Essa portaria também aprova o regulamento técnico referente a alimentos para fins especiais e classifica-os em Alimentos para dietas com restrição de carboidratos e alimentos para dietas de ingestão controlada de açucares. Alimentos especialmente formulados para atender às necessidade de pessoas que apresentem distúrbios do metabolismo de açúcares, não devendo ser adicionados de açúcares. É permitida a presença dos açúcares naturalmente existentes nas matérias utilizadas.
Segundo a legislação, podem conter no máximo 0,5g do nutriente em referência, por 100g ou 100mL consumido do produto final a ser consumido.


4. Análise e Discussão

Os alimentos diet sem adição de açúcares são aqueles em que no preparo não são utilizados açúcares como ingredientes, porém o produto final pode conter açúcares provenientes de seus próprios ingredientes. Dessa forma, mesmo sendo “diet” e sem adição de açúcar, alguns produtos não poderiam ser destinados à pessoas que tenham restrição alimentar, como os diabéticos, por exemplo, pois elevam os níveis de glicose no sangue da mesma maneira ou, até mesmo, de uma forma pior.
Teoricamente, o que ocorre é que, ao ingerir alimentos com alto IG, o organismo libera grandes quantidades de insulina para tentar manter os níveis de glicose no sangue dentro de limites normais. Este aumento na produção insulínica contribui para menor saciedade após as refeições, podendo levar ao consumo excessivo de alimentos, contribuindo para desenvolver obesidade e piora do quadro de resistência à insulina.
A importância dos estudos sobre IG está vinculada aos possíveis efeitos fisiológicos de dietas com baixos IGs. Este recurso tem sido muito importante no controle da diabetes, na redução do nível plasmático de HDL, bem como na melhora do desempenho físico e controle da saciedade. Em 2003 a Organização Mundial de Saúde, concluiu que alimentos de baixo IG, possivelmente diminuem o risco para o desenvolvimento do diabetes do tipo 2, devido ao melhor controle na liberação de insulina, bem como da obesidade, pelo aumento da saciedade, além de não contribuir para consumo excessivo de alimentos na refeição posterior.
Outro ponto importante é o valor calórico, pois no processo industrial da Paçoquita Diet há um acréscimo maior de gordura para que ela tenha uma textura semelhante à paçoca tradicional. Entretanto a gordura é mais calórica do que o açúcar, deixando a paçoca diet mais calórica que a sua versão tradicional, sendo ruim para quem deseja perder peso atravéz de uma alimentação menos calórica.


Tabela 1: Comparação entre os valores nutricionais da Paçoquita normal e da Paçoquita Diet.



5. Conclusão

A busca por alimentos saudáveis é cada vez maior nos dias de hoje. Muitas pessoas acabam se deixando levar pelas informações contidas nas embalagens, que estão alí para atrair o consumidor. É necessária, portanto, uma análise mais profunda tanto das informações nutricionais presentes no rótulo, quanto dos ingredientes que são utilizados na formulação.
Outro aspecto é o indivíduo consumir em excesso o produto por achar que é diet e não vai fazer mal.
Atingir e manter as concentrações plasmáticas de glicose o mais próximo possível da normalidade é crucial para prevenir e/ou retardar o aparecimento das complicações crônicas do Diabetes Mellitus. Então o indivíduo que é diabético deve ter muito cuidado com o consumo da Paçoquita diet, visto que nessa formulação há maltodextrina, um carboidrato que possui um alto índice glicêmico, que vai fazer com que os níveis de açúcar no sague subam drasticamente. Além disso, a quantidade total de carboidratos entre uma paçoca normal e uma diet é praticamente a mesma.
A glicemia pós-prandial é modulada principalmente pela velocidade de liberação dos carboidratos da dieta para a corrente sanguínea após as refeições, pelo tempo de depuração dos carboidratos resultante da secreção de insulina e pela sensibilidade tecidual periférica à ação desse hormônio. Sendo assim, a quantidade e a qualidade do carboidrato consumido são importantes fatores envolvidos na resposta glicêmica ao carboidrato consumido.
Dentro desse contexto, é muito importante que os indivíduos diabéticos ou que buscam uma alimentação mais saudável fiquem atentos ao índice glicemico dos alimentos, para que haja um controle maior dos níveis de açúcar no sangue.


6. Referências

1)      BRASIL, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria nº 29, de 13 de janeiro de 1998- Regulamento técnico referente a alimentos para fins especiais.

2)      Schenk S, Davidson CJ, Zderic TW, Byerley LO, Coyle EF. Different glycemic indexes of breakfast cereals are not due to glucose entry into blood but to glucose removal by tissue. Am J Clin Nutr. 2003;78(4):742-8.

3)      De Fronzo RA, Ferranninni E. Influence of plasma glucose and insulin concentration on plasma glucose clearance in man. Diabetes. 1982;31(8 Pt 1):683-8.

4)      Sartorelli DS, Cardoso MA. Associação entre carboidratos da dieta habitual e diabetes mellitus tipo 2: evidências epidemiológicas. Arq Bras Endocrinol Metab. 2006;50(3):415-26.

5)      Sheard NF, Clark NG, Brand-Miller JC, Franz MJ, Pi-Sunyer FX, Mayer-Davis E, et al. Dietary carbohydrate (amount and type) in the prevention and management of diabetes: a statement by the American Diabetes Association. Diabetes Care. 2004;27(9):2266-71.

6)      Tabela Brasileira de Composição de Alimentos – TACO 4ª edição revisada e ampliada - Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação – NEPA Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP

7)      Glycemic index and glycemic load for 100+ foods. < http://www.health.harvard.edu/diseases-and-conditions/glycemic_index_and_glycemic_load_for_100_foods > Acesso em: 29.07.2016.


8)      Kaye Foster-Powell, Susanna HA Holt, and Janette C Brand-Miller. International table of glycemic index and glycemic load values: 2002.

Nenhum comentário:

Postar um comentário