Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

quarta-feira, 2 de março de 2016

Cápsulas de Fitosteróis - medicamento ou não?



        A cada dia novos estudos abordam as diversas propriedades que os alimentos proporcionam à saúde humana. Os nutracêuticos estão cada vez mais sendo utilizados para fins medicamentosos, mas qual é a real necessidade de administração? Existe alguma legislação vigente que possa regular o uso? Neste post abordaremos essas e outras questões a respeito do uso de cápsulas de fitosteróis, nutracêuticos já muito conhecidos e utilizados pela população.


Descrição do produto
    Os fitosteróis são componentes bioativos de plantas que possuem similaridade funcional com o colesterol humano. As cápsulas de fitosteróis existentes no mercado apresentam em média 800mg cada com recomendação de uso de duas cápsulas por dia totalizando a dose diária de cerca de 1,6g.       

Fundamentos bromatológicos
      O beta-sitosterol é o principal fitosterol encontrado nos alimentos e é extraído dos óleos vegetais. A ingestão diária de esteróis ou estanóis de 1.6-2g/dia, incorporado em alimentos, é capaz de reduzir a absorção do colesterol pelo intestino por cerca de 30%, e os níveis plasmáticos de LDL-colesterol em 8-10%. Os fitosteróis, até 3g/dia, são seguros e eficazes agentes redutores de colesterol. Esta diminuição devida ao aumento do transporte reverso de colesterol e da inibição de absorção de colesterol, uma vez que os fitosteróis se emulsificam com sais biliares e colesterol impedindo sua passagem para corrente sanguínea e facilitando sua excreção.
     É importante destacar que o consumo superior a 3 g/dia de fitostereróis não traz benefícios adicionais a saúde. Além disso, o produto não é aconselhável para crianças abaixo de cinco anos e gestantes, uma vez que o colesterol é importante para o desenvolvimento. Além disso, não é indicado para paciente com beta-sitosterolemia, doença pela qual a absorção de fitosteróis encontra-se aumentada.

Legislação pertinente
     No Brasil não há uma legislação específica que reja nutracêuticos tanto em relação a sua classificação quanto suas regulamentações. Apesar dessa deficiência  na legislação, os fitosteróis se enquadram na RDC 2/2002 onde abrangem substâncias bioativas e probióticos isolados com alegação de propriedades funcional e, ou, de saúde, apresentadas como formas farmacêuticas, pois os fitosteróis possuem uma alegação da propriedade funcional aprovada pela ANVISA. Assim como os fitosteróis, outras classes de substâncias também são contempladas pela mesma RDC, tais como carotenóides, flavonóides, fosfolípideos, organossulfurados, polifenóis e probióticos. 
     De acordo com a RDC 2/2002, classifica-se como “Nutriente ou não nutriente com ação metabólica ou fisiológica específica no organismo, devendo estar presente em fontes alimentares, seja de origem natural ou sintética, sem finalidade medicamentosa ou terapêutica”, sendo questionável sua impossibilidade de utilização para fins medicamentosos ou terapêuticos devido sua comprovação de propriedade funcional.

Análise e comentários
     Os fitosteróis já são amplamente estudados e, quase que unanimemente, são descritos como capazes de gerar respostas positivas em relação ao seu consumo em doses recomendadas (1,6-2g/dia), sendo estas substâncias reconhecidas por diversos órgãos mundiais. Devido sua comprovação científica da redução do colesterol LDL, assim como o aumento do transporte reverso e diminuição da absorção de colesterol total, já é consenso a diminuição do colesterol causada pelo fitosteról. Esta diminuição é constantemente associada com doenças cardiovasculares em diversos estudos, obtendo-se sempre uma análise positiva. 
     Em termos práticos, uma alegação baseada em diversos estudos já realizados é feita pelo NCEP (programa nacional de educação ao colesterol) que diz que a cada 1% da diminuição do colesterol há a diminuição de 2% de risco de doenças cardiovasculares. Estudos também evidenciam um efeito positivo no tratamento da hipercolesterolemia em conjunto com estatinas. Causando um mesmo efeito, porém com uma dosagem menor de estatina.
     Apesar da sua ótima ação em relação do colesterol, verificou-se que não há diminuição dos níveis de triglicerídeos e também não há comprovação da segurança em uso prolongado. O uso pode ser restrito para algumas pessoas, pois o fitosterol também tem a capacidade de diminuir a absorção de vitaminas lipossolúveis e antioxidantes, pelo mesmo mecanismo do colesterol. Havendo também casos onde a diminuição do colesterol não é desejada, como em crianças em sua fase de crescimento.
     Pode-se notar que o uso do fitosteról possui um grande embasamento teórico em relação ao seu efeito biológico, porém, devido à falta de padronização em relação ao seu uso, pode acabar sendo mal utilizada, principalmente quando com justificativas errôneas de uso causadas por administração sem a consulta de um profissional. Os fitosteróis possuem grande potencial na terapêutica, sendo atualmente mal empregado por falta de padronização de sua utilização e devido a rigidez da legislação.

Referências bibliográficas

1.MARTINS, SILVIA L. C. et al. Efeitos terapêuticos dos fitosteróis e fitostanóis na colesterolemia. ALAN, Set 2004, vol.54, no.3, p.257-263. ISSN 0004-0622. 

2.OSTLUND R.E., Jr. Phytosterols in human nutrition. Annu. Rev. Nutr. 2002;22:533–549. doi: 10.1146/annurev.nutr.22.020702.075220. 

3.BREDA, M. C., Fitosteróis e os benefícios na prevenção de doenças: uma revisão. 2010. Tese (Trabalho de Conclusão de Curso em Farmácia)-Faculdade de Farmácia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2010. 

4.ITO, V. M., Concentração de tocoferóis e fitoesteróis a partir do destilado desodorizado de óleos vegetais através do processo de destilação molecular. 2007. 262 f. Tese (Doutorado em Engenharia Química)-Faculdade de Engenharia Química, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007. 

5.RACETTE, S. B., Natural Dietary Phytosterols. Journal of AOAC International, vol. 98, n° 3, 2015. 

6. LIRA, C. R. G.; ZUCCO, F; NEGRÃO, A. N.; SILVA, M. A. S.; MURAKAMI, F. S. Nutracêuticos: Aspectos sobre Segurança, Controle de Qualidade e Legislação. Revista Brasileira de Farmácia, Rio de Janeiro, v. 90, n. 1, p. 45-49, 2009. 

7.BRASIL, Resolução nº 18, de 30 de abril de 1999: aprova o Regulamento Técnico que Estabelece as Diretrizes Básicas para Análise e Comprovação de Propriedades Funcionais e ou de Saúde Alegadas em Rotulagem de Alimentos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília,03 nov. 1999. Disponível em: <http://e-legis.bvs.br/leisref/public/showAct.php?id=109>. Acesso em: 1 jan. 2016. 1999. 

8.Review Implementing Phytosterols Into Medical Practice as a Cholesterol-Lowering Strategy: Overview of Efficacy, Effectiveness, and Safety. 

9.SHAGHAGI, M. A., et al., Cholesterol-Lowering Efficacy of Plant Sterol-Stanols Provided in Capsule and Tablet format: Results of a systematic review and meta-analysis, 2013. 

10.MANNARINO, R. M. et al., Nutraceuticals for the treatment of hypercholesterolemia. 2014. 

11.Richelle M, Enslen M, Hager C, et al. Both free and esterified plant sterols reduce cholesterol absorption and the bioavailability of betacarotene and alpha-tocopherol in normocholesterolemic humans. Am J Clin Nutr 2004;80:171-7 


Por Fiammetta Nigro e Matheus Mikio Takeyama

8 comentários:

  1. Nota-se uma total ambiguidade da definição da legislação onde os nutracêuticos se encaixariam, ja que os mesmos não possuem legislação específica, tornando sua fabricação e consumo desordenado, variando de acordo com interpretação pessoal, além de poderem causar riscos de saúde a determinado grupo da população se não consumido e orientado corretamente.

    ResponderExcluir
  2. Os fitosteróis por serem uma molécula quimicamente parecida ao colesterol (apesar de ter efeitos diferentes), seu consumo junto com as refeições diminui a absorção de colesterol por competição, dentre seus efeitos fisiológicos, teríamos a modulação do hormônio cortisol. Os fitosteróis são substâncias naturais, podendo ser encontrada em vegetais, nozes, óleos, frutas e grãos. Como podemos obter essa substância sem o consumo das cápsulas, o uso desde produto deve ser orientado, devemos considerar a dieta, a idade e o metabolismo do consumidor. Como não se tem estudos de segurança relacionados ao uso por um tempo prologando e cada indivíduo pode ter uma sensibilidade diferente a substância, seu consumo pode acarretar problemas quando são usados sem indicação de um profissional da área da saúde.

    ResponderExcluir
  3. Os fitoesterois e o colesterol apresentam funções e estrutura bastante semelhantes, o que acaba provocando competição entre eles durante o processo de digestão. No intestino, os fitoesterois impedem que boa parte da gordura seja absorvida pelo organismo, e ambos são eliminados nas fezes. O que deve ser elucidado ao consumidor é a quantidade de fitoesteróis que deve ser ingerida diariamente, visto que estes também estão presentes em outras fontes de alimentos, ressaltando também a importância de uma dieta saudável, pois somente o consumo destes não irá trazer os benefícios esperados.

    ResponderExcluir
  4. É de extrema importância uma orientação aos consumidores em relação à quantidade de fitosteróis que devem ser consumido diariamente devido a presença também em outros alimentos. E ha uma competição que ocorre na absorção entre o mesmo e a gordura no intestino, diminuindo a absorção de gordura, ou seja, a melhor opção quase sempre será uma dieta balanceada e saudável já que esse produto pode não desempenhar sua função esperada.

    ResponderExcluir
  5. É de extrema importância uma orientação aos consumidores em relação à quantidade de fitosteróis que devem ser consumido diariamente devido a presença também em outros alimentos. E ha uma competição que ocorre na absorção entre o mesmo e a gordura no intestino, diminuindo a absorção de gordura, ou seja, a melhor opção quase sempre será uma dieta balanceada e saudável já que esse produto pode não desempenhar sua função esperada.

    ResponderExcluir
  6. Vale ressaltar que para alcançar a redução dos riscos de doenças cardiovasculares, com relação à hipercolesterolemia, deve-se associar o consumo de fitoesteróis aos hábitos de vida saudável e às práticas de exercícios físicos regulares. Em determinados casos, é necessário procurar orientação médica, pois a suplementação com fitoesteróis pode não ser suficiente na obtenção do efeito desejado. Além disso, não há estudos sobre o uso prolongado, apesar de ter contribuído também para redução do estresse oxidativo em alguns estudos. Sendo assim, não sabemos a sua segurança e possíveis efeitos indesejados nestes casos.

    ResponderExcluir
  7. É importante analisarmos também que só o consumo de cápsulas de fitosterol não adianta para se ter o efeito desejado na diminuição de doenças cardiovasculares, é preciso uma vida equilibrada entre hábitos alimentares saudáveis e exercício físico para melhorar o metabolismo. Além disso, por ser de origem animal é necessário um consumo cuidadoso, uma vez que muitos indivíduos já consomem oleoginosas, dando um aporte de fitosteróis. Outro ponto importante é que por promover a diminuição da absorção de substâncias lipofílicas, como algumas vitaminas lipossolúveis, podemos ter a diminuição da absorção de vitaminas essenciais para o organismo, promovendo um efeito negativo, principalmente em populações que já apresentam baixa absorção destas.

    ResponderExcluir
  8. Os benefícios do consumo de cápsulas de fitosteróis é sabido a partir da redução dos níveis de colesterol e a melhora de eventos cardiovasculares associados à sua diminuição. As doenças cardiovasculares estão entre as principais causas de morte, é assim necessário a utilização cada vez mais de mecanismos seguros e eficazes que irão auxiliar na prevenção de doenças cardiovasculares e melhora da qualidade de vida. Para isto, é importante a condução de estudos para saber a forma correta de sua utilização e até que ponto pode contribuir para a melhora da qualidade de vida.

    ResponderExcluir