Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

domingo, 19 de julho de 2015

Biocártamo: O novo aliado da dieta?



Este suplemento lipídico ganhou popularidade pela promessa de que poderia auxiliar no emagrecimento, proporcionando modificações na composição corporal através da redução de gordura, em especial aquela localizada na região abdominal. O óleo já circula a um bom tempo no mercado, mas ainda restam dúvidas sobre seus benefícios: ele emagrece mesmo?

FUNDAMENTOS BROMATOLÓGICOS

O óleo de cártamo é extraído da flor da espécie Carthamus tinctorius L. e é composto por ácidos graxos saturados palmíticos e esteáricos, e ácidos insaturados oléicos e linolênicos, todos com tamanho médio de cadeias de carbono (YEILAGHI et al., 2012). Quando há o consumo de lipídeos em excesso, ocorre um processo chamado termogênese. Esse processo é controlado pelas chamadas proteínas desacopladoras, que contribuem para o gasto energético e, consequentemente, para o emagrecimento. Por isso, a suplementação com esses óleos vem sendo estudada, visto que são ricos em triglicerídeos de cadeia média, que aumentam a taxa de oxidação dos ácidos graxos, modificando a composição corporal pela redução de gordura (HANN, 2014). No entanto, as evidências do seu uso na forma de suplementação são insuficientes, e além de benefícios desconhecidos, não são conhecidos os riscos que podem estar envolvidos. Diante desse fato, faz-se necessário a realização de estudos que tragam uma maior compreensão sobre os efeitos desses óleos na redução de peso.

Uma revisão bibliográfica sistemática apontou divergências com relação a diversos parâmetros, dentre eles podemos listar:

- Modificação de parâmetros antropométricos, como massa de gordura corporal, peso, IMC, percentual de gordura e relação cintura-quadril, onde estudos apontaram que esses parâmetros não foram alterados utilizando o óleo de cártamo (LARSEN et al., 2006);
- Alteração nos níveis de LDL, HDL e triglicerídeos, onde diversos estudos apontaram resultados contraditórios, tanto afirmando que não há alteração, tanto afirmando que há sim uma redução no LDL (GAULLIER et al., 2007; WATRAS et al., 2007).
- Efeitos sobre a redução de massa adiposa abdominal e aumento de massa magra foram observados. Entretanto, muitos estudos foram conduzidos associando-se a suplementação com exercícios físicos e dieta, enquanto outros não, e foram observados resultados que podem sustentar uma possível redução de peso à longo prazo, mesmo sem exercícios (LAMBERT et al., 2007; NORRIS et al., 2009).


LEGISLAÇÃO

Como se pode observar, os estudos giraram em torno da questão ‘emagrece ou não?’, ‘faz bem ou não?’. O que concluímos é que no fundo de toda essa questão, ainda não temos resultados definitivos sobre esse produto. No Brasil, o óleo de cártamo se enquadra na categoria novos alimentos e novos ingredientes, da resolução 16/1999 da ANVISA, na qual o respectivo óleo é comercializado em cápsulas, e este deve apresentar laudo analítico informando o teor de Ácido Linoléico Conjugado (CLA), que comprove que CLA não foi adicionado, produzido ou concentrado durante o processamento do óleo. Essa exigência se dá pelo fato de que muitos estudos apontaram que o CLA causa danos a saúde (o CLA é uma mistura de isômeros do ácido linoléico, e é proibido no Brasil).

A Suplementação com CLA parece estar relacionada com o aparecimento de diversos efeitos colaterais, a maioria deles relacionados ao trato gastrointestinal como diarréia, flatulência, dor e/ou desconforto abdominal, dispepsia, indigestão e pirose; além de outros efeitos como urticária, cefaléia e aumento na ocorrência de gripes e resfriados (HANN, 2014).


CONCLUSÃO

            O uso de suplementos alimentares à base de óleos vegetais tem sido utilizado por milhares de pessoas no tratamento da obesidade, entre eles se destaca o óleo de cártamo. Entretanto, a maioria dos consumidores não possui as devidas orientações sobre o uso desses óleos. Não foi possível concluir realmente se o óleo auxilia no emagrecimento, pois estudos ainda apontam resultados contraditórios, chegando à conclusão de que é necessária a realização de pesquisas mais aprofundadas e mais elaboradas para garantir resultados mais seguros e consistentes aos consumidores pela possível alteração nas taxas de LDL, HDL, triglicerídeos, parâmetros antropométricos e massa adiposa. Dados os poucos estudos que assegurem e, possíveis efeitos adversos que possam ocorrer, profissionais habilitados deverão ser consultados para evitar reações indesejadas, tais como o médico, farmacêutico e nutricionista. Vale lembrar também que o consumo do óleo deve estar associado a uma alimentação saudável e à prática regular de atividade física.

Por Paloma Wetler e Paulo Fernando


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • GAULLIER J-M, HALSE J, HOIVIK HO, HOYE K, SYVERTSEN C, NURMINIEMI M, HASSFELD C, EINERHAND A,  O’SHEA M, GUDMUNDSEN O. Six months supplementation with conjugated linoleic acid induces regional-specific fat mass decreases in overweight and obese. The British journal of nutrition, v. 97, n. 3, p. 550–560, 2007.
  • HANN, V. Termogênicos: uma revisão sistemática sobre o uso de óleo de coco, óleo de cártamo e CLA. RBNE-Revista Brasileira, p. 10–19, 2014.
  • LAMBERT EV, GOEDECKE JH, BLUETT K, HEGGIE K, CLAASSEN A, DALE ER,WEST  S, DUGAS J, DUGAS L, MELTZER  S, CHARLTON  K, MOHEDE, I. Conjugated linoleic acid versus high-oleic acid sunflower oil: effects on energy metabolism, glucose tolerance, blood lipids, appetite and body composition in regularly exercising individuals. The British journal of nutrition, v. 97, n. 5, p. 1001–1011, 2007.
  • LARSEN T,TOUBRO  S, GUDMUNDSEN O, ASTRUP AM. Conjugated linoleic acid supplementation for 1 y does not prevent weight or body fat regain. The American journal of clinical nutrition, v. 83, n. 3, p. 606–612, 2006.
  • NORRIS LE, COLLENE AL, ASP ML, HSU JC, LIU L-F, RICHARDSON JR, LI D, BELL D, OSEI K, JACKSON RD, BELURY MA,  Comparison of dietary conjugated linoleic acid with safflower oil on body composition in obese postmenopausal women with type 2 diabetes mellitus. American Journal of Clinical Nutrition, v. 90, n. 3, p. 468–476, 2009.
  • WATRAS AC, BUCHHOLZ AC, CLOSE RN, ZHANG Z, SCHOELLER DA. The role of conjugated linoleic acid in reducing body fat and preventing holiday weight gain. International journal of obesity (2005), v. 31, n. 3, p. 481–487, 2007.
  • YEILAGHI H, ARZANI A, GHADERIAN M, FOTOVAT R, FEIZI M,POURDAD SS. Effect of salinity on seed oil content and fatty acid composition of safflower (Carthamus tinctorius L.) genotypes. Food Chemistry, v. 130, n. 3, p. 618–625, 2012.
  • http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/Anvisa+Portal/Anvisa/Inicio/Alimentos/AssuntoA+de+Interesse/Novos+Alimentos+e+Novos+Ingredientes/64ac1100401aecf4b4b4b654e035b7cb. Acesso em 14 de julho de 2015 às 16h30min.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

  2. O ácido linoleico conjugado (CLA), componente do óleo de cártamo , vem recebendo destaque devido a sua ação reguladora do balanço energético e da composição corporal, reduzindo o ganho de peso e de massa gorda, além de aumentar massa magra. O CLA é um grupo de ácidos graxos isômeros geométricos e de posição do ácido linoleico (C18:2 9c,12c n-6), sendo os isômeros 9c,11t e 10t,12c os mais estudados. A gordura e o leite de animais ruminantes são importantes fontes alimentares desse composto, o qual pode também ser
    produzido quimicamente a partir do ácido linoleico. Entretanto, apesar das atividades benéficas apontadas, o CLA também vem sendo investigado por seus efeitos biológicos adversos, como causar e/ou favorecer a resistência à insulina e atuar como pró-oxidante in vivo.

    ResponderExcluir