Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Será que a Caralluma Fimbriata realmente emagrece sem sofrimento?



Para todos vocês que desejam emagrecer e a cada semana começam uma nova dieta compram revistas, entram em sites, a cada semana uma “dieta milagrosa”. Todo mês a ida a academia é adiada, mas quando chega o verão, ah o verão ficam enlouquecidos para um corpo perfeito igual a dos famosos. Há a nova modinha do momento, a Caralluma Fimbriata. Segundo a mídia, celebridades como Gisele Bündchen e Ivete Sangalo são algumas que fazem uso dos benefícios da Caralluma. Relatos dizem que dá para perder até 6 kg em uma semana com o uso das cápsulas de Carraluma Fimbriata, três vezes ao dia, logo após as refeições. Foi a maior revelação há muito tempo, embora seja utilizada desde tempos antigos, indianos mascavam as folhas de Caralluma Fimbriata para reprimir a fome nos longos dias de caça devido às suas capacidades de reduzir o apetite e de aumento da resistência física. Posteriormente, foi usada por trabalhadores do sul da Índia sendo considerada a "riqueza do país". Extraída de um cacto indiano, a substância vem sendo apontada como um dos produtos naturais mais eficazes para emagrecer, capaz de fazer você emagrecer sem sufoco, eliminando toxinas, comendo menos, sem sentir fome, queimando gordura, com muito mais energia, disposição e entusiasmos. Ah! E você que não resiste a um sorvete, a uma torta, a um chocolatizinho, dizem que a Caralluma inibe a vontade de comer doces de forma demasiada. Relatos mostram que até mesmo sem dieta dá para secar até 4 kg em um mês e sem o efeito posterior de trazer os quilos perdidos de volta como os medicamentos tradicionais. Mas será que isso tudo é verídico? A Caralluma realmente emagrece sem sofrimento? Ou será tudo um marketing?

A Caralluma Fimbriata é cacto muito suculento do reino Plantae, da classe Magnoliophyta, da ordem Asteridae, cuja família é das Gentianales e gênero Asclepiadaceae Caralluma. As substâncias fitoquímicas presentes no vegetal são glicosídeos, flavonóides, saponinas e outros. Bastante utilizado na Índia e além de ser um vegetal é considerada como alimento nesse país contra a fome. Por séculos os nativos o utilizam nas dietas. Possui ação supressora do apetite, usado por caçadores da época durante as excursões. Foi também cultivado na África, nas Ilhas Canárias, Índia, Arábia, Europa e Afeganistão.

Como produto, ocorre um processo de extração do vegetal, cujo princípio ativo é a Caralluma Fimbriata e está sendo fabricado em inúmeras farmácias de manipulação. Considerado como principal benefício a perda de peso, através do aumento da saciedade em até 30 % e inibição do apetite. Segundo relatos, o indivíduo perde a vontade de comer doces de forma demasiada. Há um aumento do metabolismo, com diminuição da absorção de lipídios e carboidratos, além da eliminação de toxinas. A pessoa ainda fica com muito mais energia, disposição e entusiasmo.

A presença de grande quantidade de glicosídeos sendo uma união de vários monossacarídeos e possuem um poder de saciação muito maior que o açúcar. Durante a hidrólise enzimática fornecem moléculas de carboidrato. Há o bloqueio da ação da enzima ATP citrato liase que auxilia na conversão de glicose em lipídios, ou seja, atua na formação de estoques de gordura. Dessa forma, ocorre a chamada queima de gordura, mas na verdade há diminuição da formação de armazenamento de lipídios no organismo, em que o excesso é disponibilizado para ser metabolizado. Geralmente, esse excesso localiza-se na barriga, por isso falam que afina a cintura. Ademais, há substâncias que atuam no Sistema Nervoso central, especificadamente no hipocampo que regula o apetite, assim, a pessoas sentem menos fome, com maior sensação de saciedade, comendo menos e emagrecendo.

Estudos duplo-cego mostraram que a Caralluma Fimbriata, reduz significativamente a fome. O grupo que utilizou a Caralluma Fimbriata sentiu 20% menos fome, e perdeu cerca de 72% mais de peso, do que aqueles que não usaram Caralluma Fimbriata. O grande problema de sua utilização é que não há ainda nenhuma comprovação científica que a Caralluma Fimbriata funcione. Entretanto há inúmeros relatos de pessoas que fizeram uso desse cacto e se beneficiaram dos possíveis benefícios desse vegetal. Devido a ausência de comprovação científica, especialistas atribuem os relatos de sucesso do uso desse cacto ao efeito placebo e outras situações. Por exemplo, quando o indivíduo se propõe a perder peso, pelo menos no início, tende ao consumo de uma dieta de baixas calorias e algumas vezes realiza atividade física, nem que desça do carro ou do ônibus um pouco mais longe de seu local de destino para poder andar mais. “Nesse contexto, quando se inclui um remédio como esse, é difícil perceber o que, de fato, proporcionou a perda de peso”, diz a nutricionista Ana Maria Lottenberg, do Hospital das Clínicas, de São Paulo.

Segundo uma reportagem “ o único trabalho sobre o impacto do Caralluma na redução de peso foi publicado em maio de 2007, na revista americana Appetite, e acompanhou cinquenta homens e mulheres, de 25 a 60 anos, por sessenta dias. Para os médicos e pesquisadores mais ortodoxos, esse trabalho não seguiu os preceitos metodológicos das pesquisas científicas rigorosas. Um composto só tem sua eficácia e seus riscos devidamente comprovados quando é testado em grandes populações, por longos períodos de tempo”. Ademais, a comercialização da Caralluma pela internet é feita de forma irregular e as farmácias de manipulação vendem as cápsulas sem receita médica.

Observou-se que povos na Índia consumiam Caralluma como redutor de apetite e assim surgiu a fama de seu uso, sendo que em algumas regiões é comum encontrar Caralluma em conserva como alimento. Geralmente é consumido cozido na água, com temperos ou cru, na salada. Na população mais pobre é considerada a “comida da escassez”.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) proibiu a importação, fabricação, distribuição, manipulação e comercialização de produtos que contenham em sua composição o insumo Caralluma Fimbriata em todo o território nacional. Publicado dia 21/12/10 no Diário Oficial da União, através da resolução 5.915, de 20/12/2010, seção 1, nº. 243, página 82. valendo em todo o território nacional. Segundo a ANVISA, a composição dos produtos que contém Carraluma não foram analisados e não estão regularizados no país. Há um desconhecimento de possíveis efeitos adversos que seu uso possa acarretar a saúde humana., não havendo nenhuma comprovação sobre sua eficácia terapêutica e segurança. As equipes das vigilâncias sanitárias dos estados e dos municípios vão utilizar sua ação de polícia de saúde, retirando do comércio os produtos que contenham Carraluma, até a conclusão do processo administrativo sobre sua presença mercado brasileiro.

As Farmácias de Manipulação, absurdamente, para repor o lugar da Caralluma Fimbriata, agora está dando ênfase e fazendo propaganda benéfica do uso da Pholia Magra, dizendo que suas propriedades são similares ao da Caralluma Fimbriata, mas este é outro assunto que pode postado posteriormente neste blogger.
Os possíveis benefícios da Caralluma Fimbriata fazem com todas as pessoas que estão com grande desejo de emagrecer, não reflitam sobre se é realmente eficaz, se é realmente seguro. Acredito que diante de tantos relatos, de tantos casos de indivíduos que administraram cápsulas de Caralluma Fimbriata, os benefícios expostos realmente funcionem. O grande problema são os meios de comunicação que exageram nesses benefícios como se fosse algo rápido, como se realmente a pessoa não tivesse que mudar nada em seu estilo de vida para eliminar 4 kg em uma semana. Não há como ter essa grande perda de peso em tão pouco tempo, sem nenhum sofrimento, sem nenhuma abstinência alimentar ou sem realizar nenhuma atividade física. Contudo, em longos, períodos acredito que sem sofrimento pode sim haver perda de peso, mas não em grande quantidade como anunciado. Portanto, há veracidade das informações observadas sobre os benefícios da Caralluma.

Outro ponto de extrema importância é a segurança de sua utilização, se não há comprovação científica, qual seria a dose ideal? Qual seria a melhor forma de administração? A duração do tratamento? Quantidade utilizada num dia? Será que seu uso pode ser utilizado com outras substâncias para emagrecimento? Será que não haveria efeitos adversos? Será que não haveria interações medicamentosas dos princípios ativos presentes com conseqüências maléficas ao organismo? São perguntas muito pertinentes, pois como não há estudos científicos não tem como inventar, supor a posologia, mesmo havendo publicações sobre o cacto em si, mas não com o princípio ativo de forma concentrada em cápsulas como é utilizado. Mas, Graças a Deus, a ANVISA tomou a atitude da retirada do mercado, os produtos contendo Caralluma Fimbriata.

Portanto acima do desejo, da vontade de emagrecer de adquirir um corpo considerado perfeito pela mídia, os consumidores devem refletir sobre essas perguntas e os profissionais na área de saúde, especialmente os médicos e farmacêuticos atuarem com ética, com moral e caráter, porque acima dos lucros, está a segurança, acima de tudo deve ser levada em conta a saúde da população.




11 comentários:

  1. Caralluma Fimbriata será retirada do comércio

    A Agência Nacional de Vigilância Sanitária vai intensificar o alerta à
    população sobre os riscos de consumir produtos de origem e efeitos
    desconhecidos que são comercializados sob a alegação de promover o
    emagrecimento.

    A Anvisa informa que até o momento nenhum produto que contenha em sua
    composição a Caralluma Fimbriata

    Por essa razão, uma resolução da Agência publicada nesta terça-feira
    (21/12) no Diário Oficial da União suspendeu a importação da Caralluma
    Fimbriata, além da sua fabricação, distribuição, manipulação, comércio
    e o uso em todo o território nacional.

    A medida de suspensão de uso da Caralluma Fimbriata é diretamente
    dirigida à população, a quem a Anvisa recomenda que abandone o consumo
    desse produto, cuja composição não foi analisada pela Agência e que,
    por isso, são desconhecidos os efeitos adversos que podem trazer à
    saúde humana.

    A primeira ação da Anvisa em relação às falsas alegações do produto de
    propriedades relacionadas a emagrecimento foi tomada no dia 3 de maio
    deste ano, com a publicação da Resolução RE 1992/2010, que proibia a
    propaganda de insumos anunciados como “naturais” e com propriedade
    capazes de acelerar a perda de peso, entre eles a Caralluma Fimbriata.

    A resolução desta terça-feira da Anvisa amplia o que previa a RE
    1992/2010 porque permite que, a partir de sua publicação, as equipes
    das vigilâncias sanitárias dos estados e dos municípios possam ir aos
    estabelecimentos comerciais e às farmácias para retirar o produto da
    prateleira.

    Nesta visita de fiscalização, as formulações que contêm Caralluma
    Fimbriata serão isoladas pelos fiscais em embalagens que ficam
    lacradas até que a Agência conclua o processo administrativo sobre a
    presença dessa substância no mercado brasileiro.

    Confira a resolução na íntegra. encontra-se regularizado no país,
    tendo em vista que não há qualquer comprovação em relação à sua
    segurança e eficácia.

    FONTE:
    http://portal.anvisa.gov.br/wps/portal/anvisa/home/!ut/p/c5/04_SB8K8xLLM9MSSzPy8xBz9CP0os3hnd0cPE3MfAwMDMydnA093Uz8z00B_AwN_Q_1wkA48Kowg8gY4gKOBvp9Hfm6qfqR-lDkuUyzMTfUjc1LTE5Mr9Quys9Oc0xUVAe0vEsM!/dl3/d3/L0lJSklna2shL0lCakFBTXlBQkVSQ0lBISEvWUZOQzFOS18yN3chLzdfQ0dBSDQ3TDAwMDZCQzBJRzVONjVRTzA4NzU!/?WCM_PORTLET=PC_7_CGAH47L0006BC0IG5N65QO0875_WCM&WCM_GLOBAL_CONTEXT=/wps/wcm/connect/anvisa/anvisa/sala+de+imprensa/noticias/caralluma+fimbriata+sera+retirada+do+comercio
    - 20/12/2010

    ResponderExcluir
  2. Effect of Caralluma Fimbriata extract on appetite, food intake and anthropometry in adult Indian men and women. Rebecca Kuriyan et al. Appetite. Volume 48, Issue 3, May 2007, Pages 338-344.

    Bem, achei este artigo cientìfico aceito por uma revista cientìfica chamada Appetite,Editora Elsevier Ltd, cujo fator de Impacto é 2.582, ou seja, muito baixo, a qual diz que em 15 adultos testados para 1 grama extrato de Caralluma Fimbriata, sem prática de exercício ou mudanças de ingesta de energia houve uma diminuiçäo do peso dos mesmos, contudo sem alterar o IMC. É um exemplo de estudo inconclusivo e que deve ser muito bem avaliado antes de venderem este extrato como a pílula milagrosa do emagrecimento. Ainda bem que a ANVISA avaliou isto a tempo, mas será que näo existem mais produtos assim no mercado? Sabemos que há vários sob esta mesma propaganda, deve-se tomar cuidado com os produtos que oferecem milagres sem fundamentos científicos coerentes.

    ResponderExcluir
  3. Tudo bem a ANVISA retirar do mercado por falta de estudos conclusivos que comprovem o efeito de emagrecimento, mas então vamos proibir também o Koubo, a Garcínia, a Gymnema, a Slendesta, a Pholia Magra, Faseolamina, Caseolamina, e por aí vai. Proíbe logo todos os fitoterápicos também. A propósito, vender fitoterápico sem receita na internet pode, né? Mas Caralluma não! Caralluma é demais. Isso sim eu acho inconsistente, falacioso, sem fundamento, e extremamente falho. Se é pra regular, que regule como um todo.

    ResponderExcluir
  4. "Estudos duplo-cego mostraram que a Caralluma Fimbriata, reduz significativamente a fome. O grupo que utilizou a Caralluma Fimbriata sentiu 20% menos fome, e perdeu cerca de 72% mais de peso, do que aqueles que não usaram Caralluma Fimbriata. O grande problema de sua utilização é que não há ainda nenhuma comprovação científica que a Caralluma Fimbriata funcione. "

    Mas estudos duplo-cego não são importantes como evidência? Ficou meio controverso isso.

    Cadê as referências?

    ResponderExcluir
  5. Segundo o artigo citado abaixo, através de um estudo feito com ratos avaliou-se por 90 dias o comportamento alimentar de três grupos de animais e observou-se que a ingestão de alimentos pelos animais foi diminuída quando o extrato de Caralluma fimbriata foi administrado e que essa redução é dose-dependente. Além disso, verificou-se também que foi observado ganho de peso em todos os grupos do teste porém esse ganho foi menor no grupo em que houve administração do extrato quando comparado ao grupo de controle (sem administração do extrato).

    Outro dado importante fornecido pelo artigo é que acredita-se que o extrato de Caralluma fimbriata possa apresentar ação contra a deposição de lipídeos nas artérias, impedindo, portanto a formação de placas de ateroma. Os pesquisadores sugerem que esse efeito é proveniente das propriedades antioxidante e anti-inflamatória do extrato.

    Os efeitos adversos causados pela ingestão do extrato ainda não são conhecidos e esclarecidos mas há indicação de formação de gases estomacais, desconforto intestinal, constipação e dor de estômago.

    Fonte:
    M. N. M. Zakaria, M. W. Islam, and M. W. Islam, “Anti-nociceptive and anti-inflammatory properties of Caralluma arabica,” Journal of Ethnopharmacology, vol. 76, no. 2, pp. 155–158, 2001.

    S. Kamalakkannan, R. Rajendran, R. V. Venkatesh, P. Clayton, and M. A. Akbarsha, “Antiobesogenic and Antiatherosclerotic Properties of Caralluma fimbriataExtract,” Journal of Nutrition and Metabolism, vol. 2010, Article ID 285301, 6 pages, 2010. doi:10.1155/2010/285301

    ResponderExcluir
  6. Segundo este artigo, um outro fator importante observado no experimento é o aumento do nível sérico de leptina, um importante hormonio ligado ao controle de apetite além de estudos que demonstram a sua ligação ao controle de massa corporal, nas cobaias.Esse aumento a priori é indicativo de que a afirmativa de que a Caralluma fimbriata reduz o apetite, aumentando a sensação de saciedade é verdadeira. Contudo sabe-se também que em indivíduos obesos os níveis de leptina também estão aumentados, sendo que nestes casos nem por isso há aumento de saciedade proporcional a presença do hormônio para estes indivíduos,fato este que pode ser explicado por uma possível falha, nestes indivíduos, da via de sinalização hormonal ou por uma desensibilazação dos receptores ao mesmo devido a extensa estímulo, oque nos remete a seguinte questão:Mesmo que seja acordado um efeito benéfico ao uso da Caralluma fimbriata,na situação de uma mentalidade de uma alimentação além do necessario, ou seja irracional, o aumento da leptina de uma forma ou de outra seria inevitável, sem o aumento da saciedade, estas fórmulas milagrosas estão muito longe de ser solução para uma vida mais saudável, só com medidas de sáude pode-se promover vida saudável.

    ResponderExcluir
  7. Talita Stelling de Araújo25 de abril de 2011 20:46

    A suspensão da importação, fabricação, distribuição, manipulação, comércio e uso, em todo o território nacional, do insumo Caralluma Fimbriata é de grande importância, pois para esta, não existe nenhum tipo de comprovação científica de sua eficácia e eficiência, bem como de sua segurança,sendo portanto um risco para a saúde das pessoas que a utilizam.
    Porém, isso nos leva a um questionamento, existem inúmeros fitoterápicos sendo comercializados facilmente, e muitos destes, assim como a Caralluma Fimbriata, prometem vários benefícios que também não possuem nenhum tipo de comprovação científica de eficácia e segurança, sendo tão perigosos para a saúde quanto a Caralluma.
    Portanto, essa medida deve ser tomada como um exemplo para ser aplicada para outros fitoterápicos, e não somente para aqueles que estão em grande evidência, pois com a retirada deste, outros aparecerão e o risco permanecerá. O que se deve buscar é uma legislação abrangente e uma fiscalização eficaz para fabricação, comercialização e para a propaganda destes produtos.

    ResponderExcluir
  8. Thais Biondino Sardella1 de maio de 2011 23:05

    É como sempre o modismo emagrecedor aparecendo e cada vez mais influenciando as pessoas a consumirem produtos supostamente milagrosos, com forte influência de pessoas famosas. O consumo da Caralluma fimbriata começou a aparecer nos Estados Unidos por volta de 2004, a partir de um suplemento dietético. Os componentes principais da Caralluma fimbriata são glicosídeos flavonóides, saponinas e glicosídeos.
    Antes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) proibir a importação, fabricação, distribuição, manipulação e comercialização de produtos que contenham em sua composição o insumo Caralluma Fimbriata em todo o território nacional, o produto podia ser adquirido facilmente através da internet, onde estava disponível em diversos sites, acessível a qualquer pessoa e disponibilidade financeira.
    Mas aí vem a pergunta será que o que é vendido ali é realmente Caralluma Fimbriata?
    Independente disso, ela foi proibida até em farmácias de manipulação, devido a falta de estudos que comprovem sua eficácia e segurança, entrando em questão qual seria a dose ideal para ter o “grande poder emagrecedor”.
    Vários ensaios clínicos têm sido realizados sobre Caralluma Fimbriata quanto à sua eficácia na perda de peso, supressão do apetite e valorização energética, bem como a sua segurança. Os resultados têm demonstrado consistentemente que Caralluma fimbrata é muito eficaz e tem o mínimo de efeitos secundários adversos.
    Portanto, regular é preciso, para evitar o uso indiscriminado, mas e os estudos que comprovam o uso benéfico deste cacto? Teriam eles ferramentas suficientes e eficientes para comprová-los e sustentar o seu uso? Ou a proibição é a melhor opção?

    ResponderExcluir
  9. Estudos tem sido feitos com a Caraluma para mostrar sua efetividade através de ensaios clínicos, mas nenhum deles estudou a composição da Caraluma, quais substancias estão presentes? quais são ativas? Como elas agem? Qual a dose ideal? quais são os efeitos adversos? falta estudo desse tipo não só da Caraluma, mas também de outros tantos fitoterápicos presentes no mercado com essa finalidade de emagrecedor milagroso.
    A atitude da anvisa foi um pouco radical de retirar a moda da vez do mercado, sai essa e aparece outra. Por um lado foi bom, pois a Anfarmag (Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais) está investindo em pesquisas para comprovar a segurança e efetividade da Caraluma

    ResponderExcluir