Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

sábado, 4 de dezembro de 2010

Comprimidos de Levedura PROLEV Extra Power : Excesso de levedura faz mal? E o restante da composição?




Saccharomyces cerevisiae é uma espécie de  fungo amplamente utilizado na indústria. Nos últimos anos pesquisas vem demostrando diversos usos potencialmente medicinais para produtos contendo esse fungo


Valendo-se desse forte apelo e aceitabilidade,  diversos fabricantes vem utilizando as Leveduras na composição de produtos. A própria  levedura de cerveja já é rica em proteínas, vitaminas e minerais que, em excesso, podem ser danosos ao organismo.  Mas isso não é o bastante, para agravar o quadro é lançada a versão extra power que segundo o fabricante, “é reforçada com um premix de 25 vitaminas e minerais indispensáveis ao bom e saudável metabolismo orgânico”.


Alguns desses compostos tão “indispensáveis” são facilmente encontrados em alimentos que normalmente consumimos diariamente. Outros estão presentes em tal teor que, consumidos nas quantidades  recomendadas pelo próprio fabricante, representam mais de 130% do VDR(valores diários de referência) representando um risco à saúde dos consumidores
 

Descrição do Produto


Levedura Tradicional

Levedura Extra Power
Informação nutricional Levedura Tradicional

Informação Nutricional Levedura Extra Power


Sugestão de Uso Levedura Tradicional










Sugestão de Uso Levedura Extra Power






Bom para os diabéticos... hipoglicêmicos?

Dentre outras alegações de saúde todas em desacordo com a PR-32, o site do fabricante informa que o produto “Auxilia a regular o metabolismo do açúcar no organismo, o que é importante para diabéticos.”
Curiosamente o produto contém altíssimo teor de carboidratos (em torno de 35%)

Extra Power... Less Energy?

No site do fabricante diz-se que o produto Levedura Extra Power “Além dos benefícios da levedura tradicional, é reforçada com um premix de 25 vitaminas e minerais, indispensáveis ao bom e saudável metabolismo orgânico.”
Onde fica esse acréscimo de energia se a levedura comum possui 35% de carboidratos e a Extra power apenas 28% ?



Fundamentos Bromatológicos Anunciados


A análise da tabela de informação nutricional e sua correlação com as  dosagens recomendadas pelo fabricante para consumo do produto nos leva a conclusões preocupantes.

Como se observa na figura 2, o site do produto recomenda dois tipos diferentes de posologia:

Para adultos - 12 comprimidos/dia – 6 gramas
Para atletas – 18 comprimidos/dia  - 9 gramas

Estando a definição de atleta sujeita à subjetividade da auto-percepção do consumidor.

A quantidade de 12 compridos já representa sérios riscos à saúde por se aproximar em muito dos valores diários de referência para uma série de substâncias danosas ao organismo nessas quantidades.  E o que dizer então dos 18 comprimidos diários ingeridos por atletas ou pessoas normais que se sentem atletas?

Obviamente essas pessoas não se alimentam apenas  de levedura de cerveja durante o dia mas também de uma série de alimentos colaborando para agravar ainda mais o quadro de super ingestão dessas substâncias caso as recomendações do fabricante sejam seguidas

Tomemos inicialmente como recorte a vitamina B1 também chamada de tiamina






Tiamina






É uma vitamina presente em cereais, verduras amargas, amendoim e carne de porco. Nas quantidades corretas é extremamente essencial para o organismo mas em excesso pode estar associada por exemplo com o aumento da proliferação de células cancerígenas em ratos conforme mostrou Comín-Anduix et al (2001) em seu estudo.


A porção de 6 gramas atinge 82% do VDR enquanto que a de 9 gramas(18 compridos) chega a 123% do VDR


Tomemos como segundo exemplo a biotina, encontrada em ovos, carne, leite. Não se conhece ainda os efeitos do consumo excessivo dessa substância a longo prazo estando o consumidor se sujeitando a doses cavalares de uma substância que ainda não possui seu perfil toxicológico totalmente definido


Biotina






A porção de 6 gramas atinge os 92% e a de 9 gramas chega a 138% do VDR




Há que se questionar também, se o uso desse produto realmente se faz necessário ou “indispensável” como clama o próprio fabricante em seu site.

No que tange a macronutrientes presentes no produto que representam baixo porcentual dos VDR(as proteínas representam apenas 3% dos VDR na porção de 6 gramas), percebe-se claramente, que são facilmente supridos na alimentação do dia a dia.

Isso torna-se ilustrativo ao se analisar a tabelas de composição de alimentos do IBGE e da USDA

Na caso das proteínas, podemos estabelecer um paralelo com o leite de vaca que, segundo a tabela do IBGE e da USDA possui aproximadamente 3% desse componente em sua composição.

Ora, em um copo de 200 ml de leite temos aproximadamente 4 gramas de proteína. Para se ingerir essa quantidade de proteína consumindo a levedura prolev extrapower dever-se-ía ingerir 24 comprimidos.




Tabela de composição de Alimentos IBGE


USDA National Nutrient Database








Legislação 


A única legislação brasileira relacionada com a levedura de cerveja foi a norma PRT-59 do Ministério da Saúde, publicada em 1995, que a define como "complemento nutricional elaborado com a finalidade de complementar a dieta cotidiana de uma pessoa saudável"


Essa norma foi revogada pela PRT-32 de 1998 até então vigente que normatiza o uso de suplementos vitamínicos.


E estabelece que "Devem conter um mínimo de 25% e no máximo até 100% da Ingestão Diária Recomendada (IDR) de vitaminas e ou minerais, na porção diária indicada pelo fabricante, não podendo substituir os alimentos, nem serem considerados como dieta exclusiva"


Estando, portanto, o produto Levedura Prolev em desacordo com a legislação
tanto por conter substâncias abaixo do limite mínimo da IDR/VDR quanto acima.


Também vale salientar a RDC 360 de 2003 que aprova o regulamento técnico sobre rotulagem de alimentos embalados tornando obrigatória a rotulagem nutricional e a declaração do porcentual de IDR/VDR.


Conclusão


O produto Levedura Prolev Extra Power representa de um lado, sério risco à saúde dos consumidores por conter quantidades abusivas de determinados nutrientes que podem ser nocivos ao organismo em doses imoderadas e por outro lado contém determinados nutrientes em quantidades que podem ser facilmente obtidas em alimentos comuns.




Referências Bibliográficas


Begoña Comín-Anduix et al. The effect of thiamine supplementation on tumour proliferation. European Journal of Biochemistry. Volume 268, Issue 15, pages 4177–4182, August 2001.


Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estudo Nacional da Despesa familiar – Tabelas de composição de alimentos. 5 edição. Rio de Janeiro. 1999







USDA National Nutrient Database for Standard Reference, Release 23 – acessada em 18 de dezembro de 2010


Ministério da Saúde. Resolução - RDC nº 360, de 23 de dezembro de 2003

Ministério da Saúde. Portaria nº 32, de 13 de janeiro de 1998

Ministério da Saúde. Portaria nº 59, de 13 de julho de 1995

Anexos







22 comentários:

  1. Eu, como futura farmacêutica, continuo acreditando que a melhor maneira de se evitar uma doença é ter uma alimentação saudável e não ficar ingerindo diversos complementos alimentares. As vitaminas que nós nao conseguimos sintetizar sozinhos, podemos obter atraves de alimentos.

    ResponderExcluir
  2. Legal, Luiz. Mas você podia ter discutido mais os problemas decorrentes do excesso dessas vitaminas.

    Abração!

    ResponderExcluir
  3. Luiz, estava olhando o site do fabricante. Interessante que eles tem uma linha "tradicional" com a mesma formulação, mas sem a adição de vitaminas. Inclusive, essa linha comum tem um valor energético e carboidratos maior.

    Então de onde vem esse EXTRA POWER? Será que eles acham que vitamina dá energia? Tem fundamento isso?!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Algumas informações fiquei sem um esclarecimento, o produto é destinado a suplementação de diversos nutrientes e tal, mas qual o nutriente que principalmente é procurado?

    Você colocou um exemplo de proteína, comparando com a proteína do leite, se for essa questão a princípio parece mesmo que o produto tem um baixo teor a oferecer.
    Mas as vezes pode ser o tipo de proteína, como aquelas que oferecem aminoácidos de cadeias ramificadas, podem ser a principal questão apontada. Então não valeria a pena comparar com o taxa de proteína oferecida no leite de vaca.

    Poderia ter falado algo a mais sobre a procura do produto, com qual finalidade os atletas o procuram. E fazer uma associação com a procura e o que o produto tem a oferecer. Além do que você fez no seu trabalho.

    ResponderExcluir
  5. "Mas as vezes pode ser o tipo de proteína, como aquelas que oferecem aminoácidos de cadeias ramificadas, podem ser a principal questão apontada. Então não valeria a pena comparar com o taxa de proteína oferecida no leite de vaca."

    Mas, ao mesmo tempo, se o fabricante não ressalta esse diferencial em nenhum momento, então é lógico pensar que seria uma proteína qualquer, certo?

    ResponderExcluir
  6. Além dos melefícios abordados no trabalho sobre o excesso de suplementaçäo desta levedura, encontrei dois artigos científicos que apontam para um perigo maior, o risco de fugemia, ou seja, infecçäo sanguínea por utilizaçäo de S. cerevideae como probiótico. (Food and probiotic strains from the Saccharomyces cerevisiae species as a possible origin of human systemic infections. de Llanos R, Querol A, Pemán J, Gobernado M, Fernández-Espinar MT. Int J Food Microbiol. 2006 & Saccharomyces cerevisiae fungemia: an emerging infectious disease. Muñoz P, Bouza E, Cuenca-Estrella M, Eiros JM, Pérez MJ, Sánchez-Somolinos M, Rincón C, Hortal J, Peláez T. j Clin Infect Dis. 2005).
    Diante do exposto, os consumidores devem levar estes problemas em consideraçäo antes de fazerem suplementaçäo de S. cerevideae.

    Muito informativo o trabalho.

    ResponderExcluir
  7. Gabriela,

    Obrigado. Incorporei no meu trabalho as suas sugestões.

    Hudson,

    O que eu quis mostrar é que se utilizando como principal apelo a Levedura Saccharomyces cerevisiae, o fabricante empurra um monte de outras substâncias para o consumidor(observe o título)... Algumas prejudiciais a saúde... E outras.. em quantidades ridículas se considerarmos as nossas necessidades diárias... e que ainda por cima podemos ser obtidas em alimentos simples como leite.

    Eles não fazem nenhuma referência a aminoácidos de cadeia ramificada.

    Não quis abrir muito o enfoque do meu trabalho… Pois a minha abordagem é mais em termos de VDR… e em se tratando de VDR indifere se a proteína é de aminoácidos de cadeia ramificada ou não. Mas esse recorte que você levanta é bastante interessante. Quais são os aminoácidos presentes na Levedura? Obrigado por apontar essa questão.

    Bia,

    Muito obrigado por essa informação.

    Enriquece o trabalho.

    Realmente não abordei muito essa questão pois não encontrei estudos confiáveis - indexados em bases de revisões sistemáticas como a Cochrane por exemplo.

    ResponderExcluir
  8. eu ando tomando essa levedura extra power tomo 12 comprimidos por dia séra que tou levando minha saúde em risco?

    ResponderExcluir
  9. eu comprei levedura extra power mais nao tomei ainda sera quedevo toma? depois de tantos depoimentos negativos fiquei com medo de toma e agora sera que tomo?

    ResponderExcluir
  10. Sou acadêmico de farmácia da Universidade Federal do Pará e achei muito interessante o seu trabalho. Levando em conta que o consumismo de hoje, faz os fabricantes a colocarem informações contraditórias e confusas que fazem os consumidores comprarem e usarem, muitas vezes, de forma indiscriminada. Mesmo sendo uma complementação comum, deveria-se procurar um profissional de nutrição para saber se realmente necessita o uso desse produto e qual dosagem tomar.

    ResponderExcluir
  11. vc fala que tem alto teor de carboidratos "35%"qnd na verdade eh 1% de VD, são 35g!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Erik na verdade eu não falo 35% de VD.... Falo que são 35% do produto que contém 100g... Logo 35g. Abs

      Excluir
  12. queria saber o E-mail de vocês para poder relatar um problema relacionado ao extra-power. Mas não queria postar publicamente

    ResponderExcluir
  13. você, por favor, envie o email diretamente para mim:
    lercarvalho@yahoo.com.br

    Obrigado.

    Luiz Eduardo R. de Carvalho
    www.luizeduardo.net
    Professor de Bromatologia em Saúde
    UFRJ

    ResponderExcluir
  14. Amigo sou farmacêutico ,não trabalho na prolev porém, ao ver sua falta de informação vou da minha opinião fundamentada em teses ciêntíficas internacionais. A tabela nutricional da levedura extra power está referente à 12 comprimidos (6 gramas).A referencia ao lado diz: POR 100 GRAMAS;isto apenas serve como referência ( uma regra de três). Ninguém em sã consciência tomará 200 comprimidos.
    As quantidades no rótulo estão de acordo com a VDR, dentro dos limites. Pegue a tabela de vitaminas de qualquer polivitamínico nacional e compare. Muitos até passam um pouco, porém nos limiteis toleráveis.
    Em relação à biotina voce tomou como refencia esse rótulo da levedura como dose cavalar?? Amigo, doses cavalares de biotina são 200.000 microgramas. Nos EUA são vendidos suplementos de biotina rotulados em 5000 mcg para fortalecimento de cabelo, pele e unhas. Procurem se informar melhor com estudos feitos pela universidade de Harvard.
    A Bia disse que a Saccharomyces cerevisiae causa fugemia. Desde quando levedura morta causa infecção??. Fungo ou bactéria mortos não infectam ninguem.
    Vocês alunos, saibam pesquisar sobre valores de IDR e quantidades suprafisiologicas de vitaminas e minerais, antes de postar informações errôneas dignas de risadas. Por essas e outras prefiro visitar artigos internacionais de cientistas gabaritados.
    A levedura tradicional tomada em 12 comprimidos(6 gramas), sem adição de vitaminas e minerais, ja contem quantidades pequenas abaixo da IDR. Essa extra power ja passa a ser suplemento vitamínico por conter quantidades a mais(enriquecida).
    OBS: Tomem suplementos de acordo com a posologia do rótulo ou bula, não ultrapassem as doses. Espero ter ajudado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado anônimo

      Abaixo as respostas

      A tabela nutricional da levedura extra power está referente à 12 comprimidos (6 gramas).A referencia ao lado diz: POR 100 GRAMAS;isto apenas serve como referência ( uma regra de três). Ninguém em sã consciência tomará 200 comprimidos.

      Isso não interfere pois todos os cálculos de VDR foram feitos com base na porção de 6g, ou seja 12 comprimidos.

      Em relação à biotina voce tomou como refencia esse rótulo da levedura como dose cavalar?? Amigo, doses cavalares de biotina são 200.000 microgramas. Nos EUA são vendidos suplementos de biotina rotulados em 5000 mcg para fortalecimento de cabelo, pele e unhas. Procurem se informar melhor com estudos feitos pela universidade de Harvard.

      Podes citar estes estudos? Os malefícios do excesso de biotina estão relatados nas referências que eu indiquei. Pode haver conflito na literatura mesmo, Por isso agradeceria se me passasse esses artigos.. Eu farei uma nota informando sobre essas divergências

      Muito obrigado pela sua leitura do trabalho. Abs

      Excluir
  15. Como explicado no cabeçalho, este é um Blog para expormos e discutirmos os trabalhos feitos pelos alunos. Seu comentário está sendo repassado ao autor do trabalho, para que ele analise e faça as correções recomendadas. Obrigado pela participação.

    ResponderExcluir
  16. Alguem pelo menos poderia ter falado algo de bom no produto? O texto só fez críticas e não disse quase nada de benéfico... Algo bem dificil de acontecer e que leva a pensar que faltou profundidade na pesquisa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado anônimo, a idéia não é reforçar os elogios feitos no site do fabricante e sim levantar reflexões. Temos todo o poder da mídia e da propaganda realizada pelas grandes empresas para nos convencer dos efeitos positivos de centenas de produtos. O trabalho que realizamos com o prof LE implica necessariamente um distanciamento crítico de todos esses health claims. Realmente não é uma pesquisa muito profunda pois foi realizada no âmbito de uma disciplina de graduação. No entanto todas as fontes estão declaradas. Obrigado pela leitura abs.

      Excluir
  17. Que rídiculo vai estudar vai... pqp perdi 5 minutos da minha vida lendo esse lixo seu imbecil enfia no rabo esse teu artigo de merda seu ignorante vai pro inferno!

    ResponderExcluir
  18. Uma pergunta: Se vcs são tão bons para analises e bla bla bla, pq não denunciam? pq o produto continua a ser vendido? cade a tv? o jornal? a manifestação dos estudantes e ai, só isso que eu gostaria de entender, pq vende-se milho~es disso e alguns passarão por aqui para ver o blog

    ResponderExcluir
  19. Alguém aí mencionou se faz mal tomar fora da validade?

    ResponderExcluir