Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

"Nuvem": A mensagem por trás da linguagem não verbal

"Ensure – Nutrição completa e balanceada."

A propagação da informação sobre a real indicação do Ensure é de fato seguida pelas farmácias?

Antes de discorrermos sobre a propagação da informação, é extremamente importante que definamos o que é a tal informação e como esta, será utilizada como objeto de estudo, seu conjunto em diferentes níveis e a definição de fórmula infantil.
 “Segundo Bateson, a informação consiste em ponto de vista para a interpretação de eventos ou objetos, que torna visíveis os significados previamente invisíveis ou ilumina conexões inesperadas. Assim, a informação é um meio necessário ou material para extrair e construir o conhecimento. ”(Nonaka & Takeuchi, 2008)

Além disso, quando falamos em informação, também nos remetemos a tudo aquilo que se encontra atrelado a uma determinada palavra, seja essa informação dada de maneira verbal ou não verbal. Sendo assim, entramos no mundo da hipertextualidade, que de acordo com Bugay & Ulbricht, é um modelo de organização que “permite situar assuntos distintos, inter-relacionados em diferentes níveis de aprofundamento, permitindo ao usuário trabalhar em seu próprio ritmo [...], adequando às suas características e interesses. “ (Hipertextualidade, 2011)

A pesquisa consistiu em visitar 20 farmácias: nos bairros do Rio Comprido (2 farmácias) e Tijuca (15) na cidade do Rio de Janeiro - RJ e no bairro do Cascatinha (3 farmácias) em Juiz de Fora – MG. Na visita, os farmacêuticos responsáveis foram indagados sobre qual seria a indicação para o Ensure e qual a informação que o setor de formação desses profissionais (vinculados às distribuidoras) passa como sendo a indicação de tal produto. Os resultados foram compilados e geraram um gráfico de barras com as respostas obtidas. Além disso, foram indagados sobre a possibilidade da transmissão não verbal da possível indicação do produto, devido a sua alocação nas prateleiras das farmácias.(Gráfico 1)

Com base nas legislações que regulamentam as fórmulas infantis, RDC nº43, nº44, nº45 e nº 46, de 19 de setembro de 2011, foi analisada a composição do complemento nutricional Ensure e contraposta com essas RDC’s, com o intuito de paramentar bromatologicamente os argumentos aqui expostos. Com o resultado da análise do rótulo, vemos que em parâmetros pontuais, o Ensure não se adequa a classificação de fórmula infantil.
Corroborando a isso, o site da indústria farmacêutica produtora desse complemento, o produto é indicado para adultos saudáveis que visam suplementar principalmente a quantidade proteica em sua dieta, com o intuito de manter ou favorecer a musculatura.
Entretanto, quando vamos para um dos seguimentos finais da cadeia de transferência da informação, vemos associações ao produto equivocada, seja por meio da informação falada (35 % dos farmacêuticos consultados indicaram que receberam a informação da empresa nas quais trabalhavam que o produto era uma fórmula infantil) ou visual (devido à localização do produto nas mesmas prateleiras das fórmulas infantis) (100 % das farmácias visitadas, apresentavam o produto na mesma prateleira das fórmulas infantis).

Ao falarmos em propagação da informação, devemos ir além do verbal, por isso, entramos no mundo da hipertextualidade. Ao abranger no mundo hipertextual a questão visual, a localização de produtos e a questão da elaboração gráfica de um rótulo físico, somados às informações transmitidas pelo profissional de saúde que ali se encontra para orientar, é de suma importância na formação de opinião/conhecimento do consumidor. Dispor de grande atenção a esses “mínimos” detalhes, pode fazer com que grandes problemas para o consumidor sejam evitados.

Referências Bibliográficas:

Abbott. (19 de dezembro de 2016). ENSURE. Fonte: https://ensure.abbott/br/
ANVISA. (2011). RDC nº 43. Brasília.
ANVISA. (2011). RDC nº 44. Brasília.
ANVISA. (2011). RDC nº 45. Brasília.
ANVISA. (2011). RDC nº 46. Brasília.
Hipertextualidade. (22 de julho de 2011). Fonte:https://hipertextualidade.wordpress.com/category/conceito/
Nonaka, I., & Takeuchi, H. (2008). Teoria do Conhecimento Organizacional. Porto Alegre: Bookman.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. A hipótese levantada seria que a indicação do uso do suplemento Ensure é propagado de forma equivocada. E a indagação seria a mesma do título: "A propagação da informação sobre a real indicação do Ensure é de fato seguida pelas farmácias?".
    De acordo com o levantamento feito pelo autor nas farmácias, a localização desse suplemento tem contribuído consideravelmente para o uso inadequado do produto. Pois, uma vez sendo indicado para adultos ou idosos que visam suplementar as a alimentação, especialmente em proteínas, os consumidores facilmente adquirem o produto considerando ser para crianças uma vez que, fisicamente, o produto encontra-se na mesma prateleira dos produtos alimentares para crianças, como suplementos ou leite em pó enriquecido destinados à dietas infantis.
    Uma outra hipótese a ser levantada a partir dos resultados experimentais obtidos seria que esse erro na hora de adquirir o suplemento deve ser reduzida drasticamente com a separação física dos suplementos de uso adulto/senil e os de uso infantil (mudando de prateleira, por exemplo), bem como se houver uma orientação do farmacêutico. Ou, se houver um esclarecimento prévio por parte de outros profissionais de saúde, como o nutricionista, para que o paciente/consumidor possa chegar na farmácia com as orientações adequadas.

    ResponderExcluir
  3. O questionamento sobre o local correto de apresentação do ensure nas farmácias é de grande relevância, tendo em vista que ele não é um produto indicado para crianças. Na descrição do produto diz que o Ensure é um suplemento nutricional que contém fórmula especial e exclusiva com nutrientes para reconstruir o músculo e recuperar a força e a energia das pessoas. Uma criança não tem gasto energético comparado a um adulto, e as quantidades de ingredientes não foram desenvolvidas para esse fim. A indústria deveria se preocupar em fornecer essa informação no rótulo, já que muita informação é passada de forma equivocada e muitas vezes baseada na troca "verbal" - não demonstrada cientificamente. A localização do produto é a segunda forma de auxiliar o paciente na sua busca por um suplemento que ele está precisando.
    O mais correto que o consumidor tem a fazer é apenas comprar esse tipo de produto (suplementação) com indicação de um profissional adequado da área de saúde - nesse caso o nutricionista.

    ResponderExcluir