Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

domingo, 8 de janeiro de 2017

Cranberry em cápsula

Cranberry (Vaccinum macrocarpon) tem se tornado uma das últimas tendências, prometendo apresentar uma atividade antioxidante, uma diminuição dos níveis de colesterol e principalmente prevenção contra infeções urinarias. Mesmo que a Sociedade Brasileira de Urologia tenha concluído que não há evidências suficientes para recomendar o emprego rotineiro de produtos à base de cranberry a fim de prevenir a infecção urinaria.
Enquanto a eficácia da cranberry ainda está em discursão, os seus produtos são vendidos. Porém ao avaliar os rótulos de cranberry em capsula pode-se observar a adição de ingredientes além do extrato. E um dos ingredientes peculiares seria o picolinato de cromo. Ele não está presente em todos os produtos no mercado, mas pelo menos dois tem sua adição (marcas: Chá mais e Elmar). O cromo normalmente não está descrito nas informações nutricionais dos alimentos. O que leva o questionamento do porquê de sua adição e se sua quantidade não poderia ser toxico.
O picolianato de cromo é um metal essencial para o metabolismo dos carboidratos. Ele é vendido como suplemento nutricional. Acredita-se que ajuda na resistência à insulina e exercícios físicos. Porém não se obteve dado conclusivo. Alguns testes mostram que ele pode apresentar toxidade, pacientes submetidos à suplementação de cromo (3,3-3,5 μmol como cromo cloreto ou picolinato de cromo) durante 8 semanas apresentaram sintomas tais como: distúrbios do sono, alterações do humor, dores de cabeça, aumento da excreção de traços minerais e alterações sobre o metabolismo do ferro.
As quantidades declaradas nas informações nutricionais estão bem abaixo das concentrações do estudo. Além disso ambos os produtos recomendam o uso de 1 comprimido ao dia. Porém não alertam caso o produto seja tomado em excesso. A adição de picolanato de cromo não está totalmente clara, pode estar relacionada com sua associação nutricional, e deveria alertar uma possível toxicidade desse produto ao ser tomado em excesso. 
Referências:
http://www.sabinonline.com.br/GERENCIADOR/ba/arquivos/diretriz_brasileira_de_infeccao_urinaria_de_repeticao_(soc_bras_de_urologia).pdf

Um comentário:

  1. Sou nutricionista e adoro este blog! Obrigada pelo trabalho que fazem!

    ResponderExcluir