Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

sábado, 17 de junho de 2017

Sucos Industrializados na Dieta

Os sucos industrializados não são boas escolhas quando inseridas na dieta de forma errada, visto que o consumo do mesmo não será de acordo com o descrito no rótulo, ou seja o consumo será maior e os valores nutricionais descritos serão maiores.


Nos dias atuais, há a necessidade de se alimentar bem e de maneira mais rápida. O suco industrializado vem sendo inserido na dieta de muitos, como uma alternativa saudável ao refrigente, devido à elevada quantidade de açúcar presente no último.O que não se sabe é que os sucos de caixinha apresentam a mesma quantidade ou até quantidades maiores desse carboidrato presente na sua composição. A Organização Mundial da Saúde (OMS) diminuiu a ingestão diária de 100 g para um máximo de 50 g tanto para adultos quanto para crianças, visto que ouve um aumento no consumo de açúcar. Porém com a inserção desse tipo de suco na dieta, houve colaboração para um aumento na taxa de consumo desse carboidrato, podendo acarretar em problemas de saúde como Diabetes. Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Diabetes é uma doença caracterizada pela elevação da glicose (açúcar) no sangue (hiperglicemia). Pode ocorrer devido a defeitos na secreção ou na ação do hormônio insulina, que é produzido no pâncreas, pelas chamadas células beta . A função principal da insulina é promover a entrada de glicose para as células do organismo de forma que ela possa ser aproveitada para as diversas atividades celulares. A falta da insulina ou um defeito na sua ação resulta portanto em acúmulo de glicose no sangue, o que chamamos de hiperglicemia.

Apresentação do produto

O sucos Do Bem, de acordo com o sítio eletrônico disponível, definem o produto como integral e sem adição de açúcares. A linha de sucos mistos não consta no site . De acordo com o decreto do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento (MAPA) nº 6.871, de 4 junho de 2009, sucos integrais são aqueles que não têm adição de açúcares e na sua concentração natural, sendo vedado o uso de tal designação para o suco reconstituído. Porém no rótulo dos produtos é expresso uma quantidade de açúcar na forma de carboidratos, diferentes para cada produto. Os valores apresentados na tabela acima demostram diferentes concentrações de carboidratos. No suco no de uva é de 18 g em 200 mL de suco, mas em embalagens que contém 1 L  quantidade de açúcar será 5 vezes maior.



Legislação

O MAPA é responsável pela regulamentação da produção dos sucos integrais em todo o território brasileiro. O decreto do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento (MAPA) nº 6.871, de 4 junho de 2009 é a legislação vigente que discorre sobre o registro, a padronização, a classificação, a inspeção e a fiscalização da produção e do comércio de bebidas, além de classificar suco integral como aqueles que não têm adição de açúcares e na sua concentração natural, sendo vedado o uso de tal designação para o suco reconstituído. A RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002 discorre sobre a rotulagem m de todo alimento que seja comercializado, qualquer que seja sua origem, embalado na ausência do cliente, e pronto para oferta ao consumidor. A RDC nº 360, de 23 de Dezembro de 2003 o se aplica à rotulagem nutricional dos alimentos produzidos e comercializados, qualquer que seja sua origem, embalados na ausência do cliente e prontos para serem oferecidos aos consumidores. Os produtores de suco devem se enquadram nas RDCs e nos decretos exigidos, para tornar possível a comercialização de sucos.

Fundamentos Bromatológicos

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria os carboidratos são compostos extremamente abundantes na natureza. Os carboidratos simples são digeridos e absorvidos rapidamente, produzindo um aumento súbito da taxa de glicose no sangue (glicemia). Exemplos de alimentos que são fontes de carboidratos simples: frutas, mel, xarope de milho, leite e derivados, açúcares, vegetais e refrigerantes. Já os carboidratos complexos correspondem àqueles com estrutura química maior, mais complexa, como os polissacarídeos (amido, celulose). Devido ao tamanho de sua molécula, são digeridos e absorvidos lentamente, ocasionando aumento pequeno e gradual da glicemia. Exemplos de alimentos fontes de carboidratos deste grupo: arroz integral, pão integral, batata, bolos com farinhas integrais e fibras. A ingestão de glicose leva a liberação da insulina pelo pâncreas, que levará a expressão de GLUT-4, um receptor, nas células sendo capaz de captar o açúcar ingerido pela célula.

Discussão

O mercado brasileiro de consumo de sucos industrializados está crescendo e com isso o aumento no consumo do mesmo e de outros alimentos está associados a um maior índice de doenças crônicas não transmissíveis sendo associados a desnutrição e dificiência na ingestão de micronutrientes.
Um dos principais problemas associados é o aumento no consumo de açúcar que vem sendo responsável por problemas na saúde, e tem causado um aumento na taxa de doenças metabílicas em crianças e adolescentes. Como muitos associam o suco a algo natural, por ser extraído da fruta, acabam por acreditar em algumas propagandas e até mesmo no que escrito nas embalagens desses produtos.
A linha de sucos integrais Do Bem acaba enganando o consumidor, ao olhar o rótulo há presença de carboidratos, visto que seu marketing está associado à não adição de açúcar. De acordo com o decreto do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento (MAPA) nº 6.871, de 4 junho de 2009 suco integral é aquele que não tem adição de açúcar, ou seja esses produtos estão em desacordo com as normas regulamentárias.
De acordo com o Ministério da Saúde/Organização Pan-Amaricana de Saúde (MS/OPAS) não é recomendado a ingestão de açúcar por crianças menores de 2 anos. Porém um estudo realizado em creches públicas de São Paulo mostrou a introdução de sucos artificiais foi de 63,6% em crianças de até 12 meses de idade. Isso levanta uma questão importante relacionada a Diabetes Mellitus do tipo 2 em crianças, que tem se tornado frequente na atualidade.

Conclusão

De acordo com o decreto do MAPA esse suco estaria reprovado frente a lesgilação, pois não se enquandra nos parâmetros descritos pelo mesmo, devido a adição de açúcar e ao suco não ser integral.
A questão da rotulagem deveria acrescentar informações nutricionais para a quantidade total do produto e não apenas para uma porção ou para um porcentual de ingestão do mesmo.
As recomedações diárias de açúcar não devem ser ultrapassadas, visto que há uma grande adesão desse carboidrato na dieta de algumas crianças e adultos, dessa forma a evitar Diabetes do tipo 2, por exemplo.

Referências bibliográficas

Manual de Orientação – Departamento de Nutrologia. 3ª edição https://www.sbp.com.br/pdfs/14617a-PDManualNutrologia-Alimentacao.pdf. Acesso 05 de Junho de 2017, às 21:30
BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Decreto Nº 6871, de 04 Junho de 2009.
BRASIL. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002.
BRASIL. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 360, de 23 de setembro de 2003.
https://www.endocrino.org.br/o-que-e-diabetes/. Acesso 10 de Junho de 2017 às 09:41.
Toloni, M. H. A, et al. Introdução de alimentos industrializados e de alimentos de uso tradicional na dieta de crianças de creches públicas no município de São Paulo. Rev. Nutr., Campinas, 24(1):61-70, jan./fev., 2011.
Ferrarezi, A. C.; Santos, K. O.; Monsteiro, M. Avaliação crítica da legislação brasileira de sucos de fruta, com ênfase no suco de fruta pronto para beber. Rev. Nutr., Campinas, 23(4):667-677, jul./ago., 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário