Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Corante natural vermelho carmim: uma alternativa segura?


Os consumidores estão mais críticos e procuram consumir produtos e aditivos de origem natural aos de origem sintética, que podem estar relacionados a malefícios à saúde. O corante natural vermelho carmim encontra-se em diversos alimentos substituindo corantes sintéticos vermelhos. Ele é uma alternativa isenta de riscos?

            Introdução:
É sabido que muitos corantes sintéticos causam malefícios à saúde. Suas estruturas químicas, geralmente derivadas do petróleo, já se mostraram genotóxicas e também associadas a malefícios mais imediatos e perceptíveis, como rinite e asma.
            Nesse contexto, os corantes naturais surgem como uma alternativa aparentemente menos tóxica para o consumidor, que está mais exigente e busca opções mais saudáveis ou com ingredientes que apresentem a ideia de “natural”. 
Vários alimentos industrializados utilizam corantes naturais em sua formulação, tais como o empanado de carne de frango Seara® – turma da Mônica, Sorvete Napolitano Especialidades da Nestlé® e néctar de goiaba Tial® Kids, para citar apenas alguns exemplos.
Os mais utilizados na indústria alimentícia hoje em dia são os extratos de urucum, carmim de cochonilha, curcumina, antocianinas e as betalaínas. Mas será que de fato há uma redução dos riscos ao se optar pelo uso desses corantes?

Legislação:
A Resolução da  Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos, do Ministério da Saúde, estabeleceu em 1997 as condições gerais de uso de corantes alimentícios em alimentos e bebidas (Resolução - CNNPA nº 44, de 1977).
Nela, considera-se corante a substância ou a mistura de substâncias que possuem a propriedade de conferir ou intensificar a coloração, excluindo-se sucos e/ou os extratos de vegetais e outros ingredientes utilizados na elaboração de alimentos que possuem coloração própria, salvo se adicionados com a finalidade de conferir ou intensificar a coloração própria do produto.
Reconhece e classifica os corantes de acordo com sua origem, sendo corante orgânico natural aquele obtido a partir de vegetal ou de animal; e corante orgânico sintético aquele obtido por síntese orgânica, sendo subdividido ainda em artificiais (quando não é encontrado na natureza) e idêntico ao natural (cuja estrutura química é semelhante à do princípio ativo isolado de corante orgânico natural). Também há os corantes inorgânicos e caramelo (obtido do aquecimento do açúcar, sendo natural, ou obtido por processamento da amônia, sendo sintético idêntico ao natural).
Dentre os naturais, os autorizados para uso em alimentos e bebidas são: curcumina, riboflavina, urzela, clorofila, caramelo, carvão medicinal, caratenóides, xantofilas, vermelho de beterraba e antocianinas.
A RDC nº44 de 09/08/2012 também permite o uso do corante vermelho carmim em produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes para qualquer região do corpo.

 Aspectos Bromatológicos:
            O corante natural vermelho carmim (E120) é de origem animal obtido a partir de fêmeas dessecadas de insetos da espécie Dactylopius coccus. O termo carmin, ou também laca de alumínio, são usados para descrever o complexo formado a partir do alumínio e do ácido carmínico, sendo esta última a substância extraída do inseto.
            O ácido carmínico é um composto orgânico derivado da antraquinona, especificamente uma hidroxiantraquinona ligada a uma unidade de glicose, cuja estereoquímica foi recentemente definida. Sua nomenclatura oficial é ácido 7-D-glucopiranosil-7-D-glucopiranosil-9,10-dihidroxi-3,5,6,8-tetrahidroxi-1-metil-9,10-dioxi-2-antraceno-carboxílico. Em pH ácido adquire a cor laranja, tornando-se vermelho na faixa de 5,0 a 7,0 e azul na região alcalina.


            É o principal constituinte do extrato e responsável pela cor, sendo considerado de uso seguro para uso em alimentos. As lacas de alumínio são solúveis em água e a sua coloração varia menos com o pH do meio (em pH 4 é vermelha e em pH 10 muda para azul). Também se mostra bastante estável ao calor e à luz, resistente a oxidação e não sofre alterações significativas pela ação do dióxido de enxofre. Portanto, do ponto de vista tecnológico, possui boas características e é encontrado em conservas, gelatinas, sorvetes, produtos lácteos e sobremesas diversas.

            Discussão:
            O corante vermelho carmim (E120) e outros corantes agem como alérgenos ocultos e podem ser responsáveis pela anafilaxia idiopática ou recorrente em alguns casos.
            A capacidade do corante carmim para induzir uma resposta imune foi investigada pela primeira vez em 1994 por Quirce et al. Os autores encontraram IgG específica em 10 trabalhadores que haviam sido expostos ao corante, onde 3 deles tinham rinite ou asma.
            Reações mais severas como anafilaxia mediada por IgE após ingestão desse corante também já foi observada: o caso de uma mulher de 52 anos de dezembro de 2013 a abril de 2014 que não tinha histórico de alergia ou urticária. O primeiro episódio ocorreu após o consumo de uma bebida vermelha, em que a paciente apresentou rubor generalizado, angioedema da face e cefaleia, que foram resolvidos com glicocorticoide oral e anti-histamínico. No segundo episódio, houve dor abdominal, diarreia, eritema generalizado e perda de consciência logo após o jantar, precisando de adrenalina intramuscular, anti-histamínico e glicocorticoide por via intravenosa. Foram feitos exames cutâneos para investigar a alergia, bem como exames de imunodiagnóstico. Todos os testes cutâneos tiveram resultados negativos, exceto o teste cutâneo com o suco de frutas (que continha o corante vermelho carmim) e a dosagem de IgE específica para esse mesmo corante.
Não só pela ingestão é possível desenvolver problemas de saúde: já houve relatos de doenças respiratórias ocupacionais, tais como rinoconjutivite e asma, em trabalhadores de fábricas que produzem corantes naturais. Há também a sugestão de que o contato tópico com o corante através de cosméticos explique o fato de que a anafilaxia causada por esse corante ocorra quase que exclusivamente em mulheres.  
Logo, não é só por ser um corante de origem natural que é isento de riscos à saúde do consumidor. Aos alérgicos, é necessário sempre observar no rótulo se o produto contém corante artificial natural vermelho carmim antes de consumi-lo. A todos os outros consumidores, é indicado procurar ajuda médica em caso de algum sinal ou sintoma que possa estar relacionado ao uso de corantes. 

Bibliografia:

            BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da  Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos nº 44, 25/11/1977. Dispõe sobre as estabelecer as condições gerais de elaboração, classificação, apresentação, designação, composição e fatores essenciais de qualidade dos corantes empregados na produção de alimentos (e bebidas). 

           BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada nº 44, 09/08/2012. Aprova o Regulamento Técnico Mercosul sobre “Lista de substâncias corantes permitidas para produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes” e dá outras providências.

            CONSTANT, P. B. L.; STRINGHETA, P. C.; SANDI, D. Corantes Alimentícios. Boletim do Centro de Pesquisa de Processamento de Alimentos, [S.l.], dez. 2002. ISSN 19839774. Disponível em: <http://revistas.ufpr.br/alimentos/article/view/1248/1048>. Acesso em: 16 jun. 2017.

Cores e Desafios. São Paulo: Food Ingredients Brasil, n. 34, 2015, p.28-30. Disponível em http://www.revista-fi.com/materias/488.pdf.

            De Pasquale, T. et al. Recurrent Anaphylaxis: A Case of IgE-Mediated Allergy to Carmine Red (E120). J Investig Allergol Clin Immunol, vol 25, n.6, 2015, p. 438-455.

            GREENHAWT, M. J, e BALDWIN, J. L. Carmine dye and cochineal extract: hidden allergens no more. In: Annals of Allergy, Asthma & Immunology, v. 103, 2009.    

            LOCATELLI, K. Detecção da Genotoxicidade dos corantes artificiais Amarelo Tartrazina e Vermelho 40 pelo teste SMART de asa em Drosophila melanogaster. 28/02/2008. 33. Tese – Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2008. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário