Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Leite desnatado: o teor reduzido em gorduras é realmente saudável?



 Em recente pesquisa da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) foi demonstrado que o leite integral, ao contrário do leite desnatado, é rico em ácido linoléico. Este ácido graxo poli-insaturado ômega 6 contém propriedades anti-inflamatórias e termogênicas, podendo auxiliar na redução da gordura abdominal. Além disso, o leite integral é uma importante fonte de vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K) substâncias obtidas exclusivamente da dieta. No processamento do leite desnatado, o qual deve conter até 0,5% do total em gorduras, a retirada de lipídios carreia consigo a retirada de vitaminas lipossolúveis também, podendo contribuir para deficiências vitamínicas. É recomendado o consumo moderado de leite integral (1-2 copos por dia) pois ele também contém ácidos graxos saturados que aumentam o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Especialistas recomendam que a versão integral do leite deve ser mantida na alimentação devido as suas propriedades nutricionais benéficas e a gordura evitada de outras maneiras como diminuição do consume de carnes de boi, porco e frango e também alimentos com gordura trans.
     
      A Instrução Normativa Nº 51/2002 especifica o teor de gordura dos diferentes tipos de leite UAT (Ultra Alta Temperatura, “UHT”):

   
      Além disso, a IN Nº51 regulamenta todo o processo de produção, identidade e qualidade do leite tipo A e B. Porém, o teor de vitaminas, substâncias obtidas somente através da dieta, não é especificado quanto à presença e quantidade na legislação.
      O leite desnatado é visto como importante produto alimentício empregado em dietas com restrição de gorduras. Entretanto, o consumidor deve estar consciente que a redução do teor de gorduras está diretamente relacionada à perda do valor nutricional deste alimento, já que vitaminas são carreadas no processo de desnatagem. O custo-benefício do emprego do leite desnatado precisa ser considerado. Indivíduos portadores de hipercolesterolemia e doenças cardiovasculares de natureza aterosclerótica realmente devem reduzir a ingesta de gorduras e se o leite integral é visto como fonte potencial de gorduras este deve ser substituído pelo leite desnatado ou semi-desnatado. Caso o leite desnatado seja utilizado, a dieta deve compreender outros alimentos como fontes das vitaminas A, D, E e K ou então uma suplementação com nutracêutico polivitamínico equivalente.
      Segundo pesquisa da Faculdade de Medicina da Universidade da Virgínia (EUA) foi sugerido que crianças de 2-4 anos que ingerem leite desnatado ou contendo 1% de gordura são mais suscetíveis ao ganho de peso ou obesidade do que as que bebiam leite integral ou semi desnatado (Rebecca et al, 2013). O leite desnatado pode ser empregado na dieta de crianças a partir de 2 anos, inclusive é recomendado pela Academia Americana de Pediatria (American Academy of Pediatrics) como importante aliado ao combate da obesidade infantil. Os pesquisadores avaliaram dados de 10.700 crianças americanas em estudo longitudinal na primeira infância (2-4 anos) e a substituição do leite parece ser dado irrelevante no combate a obesidade, sendo outros constiuintes da dieta mais importantes.
      A associação entre consumo de leite com teor reduzido em gorduras e obesidade foi vista como surpreendente pelos pesquisadores, pois era esperada uma relação oposta. Porém, os dados foram consistentes em todos os grupos sociais e raças/etnias. Alem disso, notou-se o mesmo padrão em crianças, entre 2 e 4 anos de idade, que consumiam leite integral, já que essas apresentaram menor peso corporal (Kg). Especula-se que as crianças ao beberem leite integral se sentem mais saciadas, diminuindo a ingesta de biscoitos e lanches o que no total gera um consumo menor de calorias. Há a possibilidade do leite integral ser um melhor agente de saciedade comparado aos outros tipos, assim há controle do consumo posterior de alimentos.
      Os resultados da pesquisa demonstram que aumentar a frequência de exercícios e diminuir hábitos sedentários como ver televisão, são mais importantes do que a substituição do leite “gordo” para “magro”. A mensagem do estudo demonstra que o consumo de calorias é menos importante em relação ao estilo de vida (sedentário, praticante de atividade física). Por um longo tempo a Academia Americana de Pediatria e muitos médicos recomendavam o consumo exclusivo de leite desnatado, o que provavelmente e uma estratégia irrelevante. Deve-se focar, assim, na redução da ingestão de salgadinhos, alimentos ricos em gordura saturada, diminuição do consumo de soja e aumento de exercícios físicos. Estas medidas são efetivas para combate da obesidade, pois há base cientifica.
      Há evidências do consumo de leite desnatado não estar diretamente relacionado à obesidade infantil, além disso, sabe-se que é um leite pobre em vitaminas lipossolúveis. As funções destas vitaminas incluem a manutenção da estrutura óssea, pele e visão, atuam na fixação de cálcio para os ossos, homeostase da coagulação entre outros fatores.
      Em conclusão, o leite desnatado deve ser avaliado criteriosamente quanto ao seu custo-beneficio para inclusão em dietas. Caso seja necessária uma dieta hipolipemica, pode-se empregar o leite desnatado enriquecido em vitaminas lipossolúveis ou estas vitaminas podem ser ingeridas na forma de outros alimentos ou complexo vitamínicos. O leite parcialmente desnatado apresenta reduzido teor de gorduras em relação ao leite integral, porém a faixa de gorduras permitida é ampla (0,6-2,9%) sendo recomendável a verificação percentual de gorduras no rótulo. Além disso, deve-se verificar na tabela nutricional a presença e quantidade de vitaminas lipossolúveis.

 Referências:
 • Internet:
Beber leite desnatado na infância aumenta chances de obesidade na infância. Disponível em: http://saude.terra.com.br/nutricao/beber-leite-desnatado-na-infancia-, 86d5b9f90538d310VgnVCM3000009acceb0aRCRD. html
 Acesso em 06/08/2013;

  Leite integral e mais indicado para emagrecer. Disponível em: http://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2012/08/leite-integral-e-mais-indicado-para-emagrecer-diz-pesquisa-da-unicamp.html Acesso em 06/08/2013.

 • Legislação:
Brasil. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 18 DE SETEMBRO DE 2002. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

 • Artigos:
SCHARF, R. J., DEMMER, R. T., DEBOER, M. D. (2013). Longitudinal evaluation of milk type consumed and weight status in preschoolers. Arch Dis Child 98:335-340.

8 comentários:

  1. Penso que é muito importante essa informação para o consumidor ficar mais atento ao que consome, que se de um lado ele pensa estar se favorecendo, por outro ele pode estar se prejudicando, como é o caso da carência de vitaminas essenciais no leite desnatado. Se for optar pelo leite desnatado, pode-se observar se essas vitaminas são repostas, observei isto em poucas marcas do leite desnatado.
    A questão também da faixa de gordura do leite semidesnatado ser extensa, também leva a uma maior atenção ao consumidor (de 0,6 a 2,9%), caso a porcentagem de gordura seja perto de 2,9%, a diferença para um leite integral será desprezível.
    A presença do ácido linoleico no leite integral também deve ser levada em conta. Muitas pessoas utilizam o ácido linoleico em suplementos alimentares com esse objetivo de queima de gordura, ele atua dentro da célula de gordura, quebrando-a e liberando-a pra corrente sanguínea, porém esse consumo de ácido linoleico deve ser acompanhado de atividade física, pois há a possibilidade de que essa gordura liberada na corrente sanguínea seja levada ao fígado, podendo levar a esteatose hepática.

    ResponderExcluir
  2. A utilização de leite desnatado ou integral em dietas deve ser criteriosamente analisado, conforme mostrado na postagem acima. Sendo que não é essa a informação que a mídia divulga. As propagandas e reportagens sempre mostram que a substituição do leite desnatado pelo integral é essencial em dietas de restrição calórica. Entretanto é muito importante que cada caso seja avaliado individualmente, de acordo com as necessidades do indivíduo. Pois não seria interessante que o indivíduo passasse a consumir leite desnatado, ao invés do integral e não suprisse a carência de vitaminas lipossolúveis (A,D, E e K) com outras fontes.
    Como a informação passada pela mídia nem sempre é correta, visto que o principal objetivo é o lucro, é muito importante que as pessoas sejam informadas de alguma forma sobre o que é bom consumir e o que não é. Seria válido se as pessoas tivessem acesso a informações como essa e passassem a se alimentar de uma forma melhor.

    ResponderExcluir
  3. Quando o assunto é dieta; diminuição de medidas; perda de calorias, o consumidor logo pensa em incluir o leite desnatado em sua rotina diária ao invés do leite integral.
    Esta ação está em grande parte associada a mídia que, passa uma imagem de que o leite desnatado é um tipo de produto "dietético" por ter menos gordura em sua composição, logo, sendo associado ao emagrecimento.
    Os ácidos graxos poli-insaturados são considerados essenciais, pois não podem ser sintetizadas pelo organismo e devem ser obtidos, portanto, através de fontes dietéticas. Esta classe de ácidos graxos são responsáveis por diminuir a concentração plasmática de colesterol total e de LDL-colesterol, tanto em indivíduos saudáveis como em diabéticos, melhorando, assim, a saúde cardiovascular. Porém, no leite desnatado o percentual desses ácidos é baixo e, em alguns casos, nulo.
    Além disso, há o fato da ausência de gordura favorecer o desaparecimento das vitaminas lipossolúveis.
    Logo, a substituição do leite integral pelo leite desnatado pode não ser benéfica para o consumidor, devido ao fato de diminuir a quantidade necessária de moléculas essenciais ao organismo e, esta carência, levar ao posterior aparecimento de doenças.

    ResponderExcluir
  4. Em relação a pergunta disposta no título, "Leite desnatado: o teor reduzido em gorduras é realmente saudável?", acredito que o leite desnatado seja o mais saudável, ou que o leite integral seja o mais saudável. Os diferentes tipos de leites devem ser utilizados de acordo com a necessidade do consumidor, se o indivíduo necessita de uma dieta especial com baixo teor de gorduras, por questões de doenças cardiovasculares, o leite desnatado ou semi desnatado seria uma boa opção. Mas quando a questão é uma dieta especial com finalidade emagrecedora, a questão mais importante é a atividade física, e não a escolha do leite. Segundo o texto há trabalhos que evidenciam que a ingesta de calorias é menos relevante que o exercício físico. Porém, ao escolher o leite desnatado o consumidor deve se atentar ao rótulo, para saber se este é suplementado com vitaminas lipossolúveis, que foram perdidas durante o processo de "retirada" de gordura, caso não seja, é necessário que essa suplementação seja feita. Em resumo, independente da escolha do leite, o consumidor deve praticar exercícios físicos, e possuir uma dieta balanceada, onde todas as vitaminas necessárias sejam ingeridas, dessa forma é possível emagrecer com saúde.

    ResponderExcluir
  5. Primeiramente, em relação a este trabalho, tem que se pensar, o que seria saudável?
    Muitas vezes o que pode ser saudável para um indivíduo pode não ser saudável para outro. Logo tem que se saber qual seria a dieta necessária para cada indivíduo para se concluir se o leite desnatado seria mais indicado ou não.
    Certamente o leite integral possui concentrações altas de ácidos graxos saturados, que são muitas vezes considerados vilões já que aumenta o risco de se adquirir uma doença cardiovascular.
    Porém, em pesquisa já citada no trabalho feita pela Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campininas (Unicamp) foi demonstrado que o leite integral também possui ácidos graxos insaturados.
    Um exemplo é o ômega 3 que é um ácido graxo essencial, ou seja, nós não produzimos, temos que adquiri-lo da alimentação.
    Segundo Helena Fonseca Raposo em artigo “Efeito dos ácidos graxos n-3 e n-6 na expressão de genes do metabolismo de lipídeos e risco de aterosclerose”, os ácidos graxos ômega 3 são efetivos na redução dos níveis plasmáticos de TG uma vez que a ativação do PPARa aumenta a lipólise intravascular e o clearance das partículas ricas em TG devido à regulação positiva do gene da lipoproteína lipase (LPL) e negativa do gene da apo CIII.
    Logo, diferente do que diz o texto do trabalho, indivíduos portadores de hipercolesterolemia, não deveriam reduzir drasticamente a ingesta de leite integral.
    Pode-se dizer então que o leite desnatado ou integral será adequado à cada pessoa de acordo com o fim dietético da mesma.

    ResponderExcluir
  6. O nome da aluna acima é Aline Sant Anna Peres dos Santos
    Saiu errado pois o blog não aceitou apóstrofe.

    ResponderExcluir
  7. Marcelle Globa Campos25 de maio de 2014 18:58

    O leite é conhecidamente um alimento rico em nutrientes que, aliados à uma alimentação saudável, contribuem para a saúde. Atualmente, vivemos um grande problema quanto à alimentação e saúde da população: a obesidade, adulta e infantil. Em virtude disso, é grande também a pressão por uma vida saudável, que acaba se traduzindo em dietas sem acompanhamento, com objetivo de perda de peso o mais rápido possível. Até onde cortar a gordura pode ser considerado saudável? O exemplo do leite é um desses casos. Conta-se uma gordura importante para a saúde, visto que com ela estamos retirando também deste alimento as vitaminas lipossolúveis. Essa troca por si só, muito provavelmente, é inexpressiva na perda de peso, inclusive das crianças. Nós somos bombardeados a todo momento com a ideia de que toda gordura é ruim, uma ideia muito errada e diversas vezes difundida até mesmo por profissionais de saúde. O custo X benefício da ingestão do leite integral, com certeza, é muito maior do que as poucas calorias que irá se deixar de consumir na troca pelo leite desnatado.

    ResponderExcluir
  8. O fruto do açai possui alto teor de proteínas. As proteínas têm como uma de suas funções a formação de aminoácidos, o principal construtor muscular. Outra importante função das proteínas é a contribuição para a produção de anticorpos (células de defesa do organismo), fortalecendo o sistema imunológico e aumentando a capacidade de combater infecções

    ResponderExcluir