Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

sábado, 4 de junho de 2011

Sucralose. Consumir sem restrições?


Sem açúcar, com afeto: segundo a empresa Línea, o adoçante sucralose é o único adoçante artificial que pode ser utilizado sem restrições. Mas, sem restrições? E o que podemos dizer sobre o que seria, segundo a mesma empresa, tido como "escolha certa" para o uso de adoçantes sendo a sucralose um “primo” químico dos defensivos agrícolas, pesticidas e outros agrotóxicos? Isso poderia ter sérios riscos do ponto de vista toxicológico para ser dito que pode ser consumido “sem restrições”? E porquê teria, já que se trata de um "inofensivo" derivado do açúcar que adoçamos todos os dias os nossos cafezinhos?

Por Diego Lopes e Adrian Sena, 2011


Legislação e Aspectos Históricos
Pela definição prevista na portaria n° 38, de 13 de janeiro de 1998, adoçantes são produtos especificamente formulados para conferir sabor doce aos alimentos. Assim, neste escopo, existem substâncias naturais e sintéticas que podem ser utilizadas para este fim. Entre os naturais temos a sacarose (o nosso bom e velho açúcar de mesa), glicose, manitol e steviosídeos, largamente utilizados pelo apelo natural, já que são extraídos da Stevia rebaudiana, como exemplos de mais utilizados e entre os sintéticos, o que é observado neste trabalho, sacarina, ciclamato, sucralose, acessulfame K, aspartame como os mais utilizados. No Brasil, a sucralose é comercializada pela empresa Línea, que importa tal adoçante sob a denominação “Splenda” dos EUA. A regulamentação brasileira para o uso da sucralose deriva das regulamentações do FDA, que preconiza o uso de até 1500mg/dia/kg peso corporal – limite NOEL – No Observable Effects Limits – Limite para não observação de efeitos, do Codex Alimentarius, que preconiza entre 300mg/kg – como é observado no consumo de cafés e chás, o uso mais comum no Brasil – e 1500mg/kg – como é o caso das bebidas energéticas.

Fundamentos Bromatológicos: Química e Toxicologia
Quimicamente, a sucralose é o derivado clorado (ou melhor, que teve a sua estrutura química modificada por adição de átomos de cloro, tal qual os agrotóxicos) da sacarose, o açúcar de mesa, já falado, denominado, por isso por 4,1´,6´- triclolorogalactose. A substituição ocorre de forma seletiva nas hidroxilas 4, 1´ e 6´ conforme assinalados na figura abaixo e revelado na nomenclatura.

(Fig.1 – Sacarose, à esquerda, e Sucralose, à direita. Destaques para as hidroxilas, circundadas, azuis, e os átomos de cloro, em vermelho, que as substituem no derivado)

A sucralose é prontamente solúvel em água, em alcoóis de cadeia pequena (até 5 carbonos) e em pH neutro. Porém, pode sofrer hidrólise em pH ácido (estudos de estabilidade conduzidos em 1998 pelo SCF – Comitê Científico sobre Alimentos da EU – mostram que a hidrólise ocorre numa taxa de 0,3% a pH 3,0 em 20°C por seis meses) em dois fragmentos: o 4-deoxigalactose (4-CG) e o 1,6-dicloro-1,6-dideoxifrutose (1,6-DCF) os quais podem ser gerados a nível estomacal por ação do ácido clorídrico que pode variar o pH entre 1,0-2,0, a temperatura de aproximadamente 36°C (superior aos estudos de estabilidade do SCF, algo que poderia aumentar a velocidade de hidrólise). Um detalhe que vale a pena ser acrescentado: são prontamente absorvidos pelo trato gastrointestinal.


(Fig. 2 – 4-CG, à esquerda,
e o 1,6-DCF, à direita, com os átomos de cloro indicados em vermelho)


A sucralose teve seu consumo largamente explorado devido ao fato de não ser calórica, ter poder adoçante maior do que a sacarose em 600 vezes e ser termoestável. Além disso, não interage quimicamente com alimentos (razão pela qual pode ser utilizada como edulcorante em alimentos industrializados) e pode ser estocada, mantendo seu sabor. Outras características que são relativas à sucralose é sua não interferência à secreção de insulina, absorção e metabolismo da glicose (Claudio & Campos, 1995).
Porém, o JECFA (Joint Expert Comitte on Food Aditives) realizou, em 1999, estudos sobre a metabolização da sucralose e os riscos do seu principal metabólito: o 1,6-DCF (ainda que o 4-CG seja gerado, acredita-se que a tensão no anel de 5 membros torne o 1,6-DCF um metabólito potencialmente mais perigoso do que o 4-CG, que possui um anel de 6 membros). Os resultados preliminares indicaram que a sucralose não apresentava efeitos observáveis (NOEL – No Observable Effects Limit) na secreção de insulina além de não ser bioacumulado em fetos de roedores em gestação. Contudo, foi observado redução na massa corporal dos testes, sugerindo a impalatabilidade da sucralose adicionada aos alimentos (simulando o consumo humano para o adoçante) e não um efeito direto do próprio edulcorante que provocasse o emagrecimento.
Estudos mais recentes (ca. 2000) foram realizados pelo SCF, e revistos por Rodero, 2009, para atualizar os dados relativos à sucralose, incorporar fatores desconsiderados até então como: imunotoxicidade, alterações na flora intestinal e teratologia, além de responder de maneira mais conclusiva questões relativas ao uso da sucralose e variações do peso corporal – algo que foi atribuído anteriormente à impalatabilidade. Entretanto, a sucralose, administrada na dose de 1,0mg/kg/dia mostrou que não sofre metabolização e é eliminada em grande medida pela urina (78,3%). Outros estudos (John et al, 2000) empregando adminstração oral durante o período gestacional, utilizando 5 dias de administração com doses entre 1000, 1500 (preconizada como NOEL) e 3000 mg/dia, não mostraram alterações na absorção e, por conseguinte, a eliminação renal foi mantida nas suas proporções, excretada de forma inalterada. Os produtos de hidrólise já comentados (4-CG e o principal, 1-6 DCF) foram também analisados. São eliminados pela urina, tanto quanto a sucralose e são seguramente metabolizadas e eliminadas como conjugados ao ácido glicurônico (John, 2000). Estudos quanto à teratologia dos produtos de hidrólise (i.e. se há má formações) foram feitos em ratos em gestação nas doses de 500, 1000, 1500 e 2000mg/ dia e não foram detectadas alterações quanto à formação fetal. Porém, os mesmos estudos mostraram que ocorriam alterações quanto à contagem leucocitária e também houve um aumento de nefropatias, provavelmente decorrente por sobrecarga renal, já que a via de eliminação é majoritariamente urinária. Os estudos feitos (Goldsmith & Meckel, 2000) com os metabólitos da sucralose, como o 1,6-DCF e o 4-CG (e também com intermediários destes metabólitos, como o 6-cloro-6-deoxifrutose, 6-CF) não revelaram efeitos teratológicos em ratos na dose de 16g/kg/dia – bem acima do recomendado pelo FDA – em concentrações de 1, 2 e 5%. Os resultados mostram que, a 5%, ocorre as alterações hematológicas – como redução na contagem linfocitária – além de aumento de excreção de cálcio e magnésio.

Discussão
A dose diária recomendada pelo FDA para o consumo de sucralose é 15mg/kg/dia. Considerando que os saches comercializados pela empresa Línea possuem 800mg cada, numa pessoa de peso médio de 70 kg, temos então o consumo de 1050mg/dia, contando apenas um sache. Embora os estudos mostrem que não ocorram alterações significativas quanto à captação e metabolização de glicose, secreção insulínica, alterações na formação fetal (o grande mote da empresa é a segurança do seu produto, de modo que qualquer pessoa pode utilizar, até crianças, idosos e gestantes, teóricos grupos de riscos), podemos ter quadros de alterações na excreção renal, alterações hematológicas já descritas e mesmo perda de importantes minerais. Estudos de Sazaki, 2002, mostraram que a sucralose está relacionada ao aumento da incidência de câncer do trato gastrointestinal. Ou seja, pode ser que o consumo “sem restrições” não seja assim tão livre, uma vez que envolve riscos à saúde. Um fato a se levar em conta é que os estudos utilizaram doses elevadas para os parâmetros estabelecidos como adequados ao consumo humano. Porém, poderíamos considerar que a freqüência com que se ingere a sucralose aliada com a persistência, i.e, o número de dias que é consumida, pode contribuir aos riscos associados ao consumo em grandes quantidades (um exemplo disso é o que frequentemente ocorre em escritórios: quantos “cafezinhos” são tomados por dia? E quantos são adoçados com a sucralose? E o quanto isso representa ao longo de uma semana, um mês e até um ano?).
A Anvisa utiliza, como parâmetro base de sua regulamentação técnica para edulcorantes, as advertências da OMS, FDA e o próprio UE-SCF. Assim, o uso é liberado. A autoridade sanitária nacional afirma que os estudos feitos em outros países atestam a segurança da sucralose, algo que é endossado pelo aumento de consumo e mesmo prescrição por parte de médicos endocrinologistas e nutricionistas quando recomendam dietas com restrição calórica aos pacientes, em substituição ao aspartame e ao ciclamato monossódico.

Conclusão
Ainda que se mostre segura em termos toxicológicos, o consumo de sucralose não deve (ou pelo menos, não deveria) ser alardeada como “sem restrições”. Os resultados dos estudos mostraram que há sim riscos associados ao seu consumo e que podem contribuir, ao longo de anos, para problemas renais, hematológicos e mesmo câncer (ainda que este último não seja conclusivo). Como também não há estudos de toxicologia comparada, isto é, a comparação dos efeitos toxicológicos nas mesmas concentrações dos adoçantes no mercado, também deveria ser questionada a prática clínica de substituir os já existentes no mercado por um suposto adoçante mais seguro. Os riscos podem não ser compensadores frente aos efeitos adversos vindos do consumo durante de um período de tempo longo, e então se recomenda cautela quanto ao seu uso.

Referências Bibliográficas
RODERO, A. B.; RODERO, L. S. & AZOUBEL, R. Toxicity of sucralose in humans: a review. Int. J. Morphol., 27(1):239-244, 2009
SASAKI, Y. F. et al. The comet assay with 8 mouse organs: results with 39 currently used food additives Mutation Research/Genetic Toxicology and Environmental Mutagenesis, v. 519, n. 1-2, p. 103-119, ago. 2002.
EUROPEAN COMMISSION - HEALTH & CONSUMER PROTECTION DIRECTORATE-GENERAL - Directorate C - Scientific Opinions - C3 - Management of scientific committees II; scientific co-operation and networks. Opinion of the Scientific Committee on Food on sucralose

BRASIL. Resolução RDC n. 18 de 24/03/2008 – Regulamento Técnico que autoriza o uso de aditivos edulcorantes em alimentos, com seus respectivos limites máximos.

JECFA (1991) Evaluation of certain food additives and contaminants. Thirty-seventh
Report of the Joint FAO/WHO Expert Group on Food Additives. WHO Technical Report Series 806. WHO, Geneva.

12 comentários:

  1. Thais Biodino Sardella DRE:10738935915 de julho de 2011 16:07

    Bem interesante o trabalho.
    Gostaria de complementar, mencionando alguns estudos que foram feitos sobre a segurança da sucralose.

    A segurança da sucralose já foi analisada pelas principais autoridades médicas, científicas e regulatórias do mundo inteiro, entre elas: Administração de Drogas e Alimentos dos EUA (FDA), Organização Européia de Segurança Alimentar (EFSA), Organização de Saúde do Canadá, Normas Alimentares (Austrália/Nova Zelândia), Conselho Japonês de Saúde Alimentar e Comitê Conjunto de Peritos em Aditivos Alimentares (JECFA), formado pela FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) e OMS (Organização Mundial da Saúde).
    Todos concluíram pela segurança do uso da sucralose como ingrediente alimentar por parte do público em geral, inclusive crianças, gestantes e lactantes. Também é adequado seu uso por pessoas com diabetes, porque ele não afeta os níveis de glicose ou insulina no sangue.
    Os estudos de segurança demonstram que a sucralose é um ingrediente seguro e basicamente inerte. Algumas das conclusões destes estudos são as seguintes: não há efeitos adversos conhecidos, não é tóxica: não foram observados efeitos adversos em animais de teste, mesmo em quantidades de doçura equivalente a mais de 18 kg de açúcar por dia para o resto da vida, não produz efeitos sobre o metabolismo de carboidratos; não tem efeito sobre o controle a curto ou longo prazo da glicose no sangue ou sobre os níveis de insulina sérica: a sucralose é adequada ao consumo por pessoas com diabetes*; não tem calorias ou carboidratos: a sucralose não é reconhecida pelo organismo como carboidrato e não é metabolizada ou decomposta de outra forma como fonte de energia.
    *A sucralose é segura para as pessoas com diabetes: os estudos demonstram que a sucralose não é reconhecida pelo organismo como carboidrato e, portanto, não tem qualquer efeito sobre o controle da glicose no sangue ou a resposta de insulina. Estes estudos incluíram alguns de uso prolongado e alta dosagem por pessoas com diabetes, bem como por indivíduos que não sofrem desta doença.

    ResponderExcluir
  2. Mas Thais, de fato ela não atua sobre os níveis insulinêmicos e nem altera a metabolização de glicose. Isso eu até já havia mencionado no texto. O problema não é esse, ao meu ver, mas sim a falta de comparação toxicológica com outros adoçantes no mercado ou então, não se pode dizer que é mais seguro do que aspartame ou acessulfame K, por exemplo. E tem mais, ela pode causar sim (vide acima) efeitos que são, no mínimo, interessantes, como as alterações hematológicas, nefropatias e alterações no metabolismo do cálcio. E isso, ninguém sabe ao certo como e porquê. Mas, tá valendo...

    DML.

    ResponderExcluir
  3. Estudos demosntraram que o consumo de substitutos de açúcar em refrigerantes diet e outros alimentos com a finalidade de reduzir calorias pode tornar mais difícil o controle do peso.
    Os ratos no estudo da Universidade Purdue, que foram alimentados com alimentação regular de iogurte adoçado com sacarina não calórico arrecadou mais calorias totais e ganharam mais peso do que ratos alimentados com ração regular de iogurte adoçado com açúcar.

    Os pesquisadores especulam que ao longo do tempo, o uso de adoçantes como a sacarina, aspartame, sucralose condicionam o corpo para não mais associar com o açúcar com calorias, interrompendo, assim, sua capacidade de avaliar com precisão a ingestão calórica.

    Essa pesquisa corrobora com o fato de que se deve evitar o consumo desenfreado desses adoçantes.

    ResponderExcluir
  4. Então, Sylvia, é algo muito mais psicológico do que efetivamente metabólico. Interessante, não havia pensado dessa forma.

    DML

    ResponderExcluir
  5. Ao notar que fiz a mesma observação que a aluna Thais, decidi trazer uma outra abordagem ao tema.
    Adoçantes artificiais são adicionados a uma grande variedade de alimentos, bebidas e drogas. Desde sua introdução, os meios de comunicação têm relatado sobre os riscos de câncer em potencial, o que tem contribuído para minar a sensação de insegurança. Pode-se supor que cada cidadão dos países ocidentais usa adoçantes artificiais, conscientemente ou não. A atividade indutora de câncer de uma dessas substâncias significaria um risco de saúde para uma população inteira. Foram realizadas várias pesquisas sobre adoçantes artificiais. Estes artigos incluídos "primeira geração" adoçantes como a sacarina, ciclamato e aspartame, assim como adoçantes "nova geração", como o acessulfame-K, SUCRALOSE, alitame e neotame. Estudos epidemiológicos em seres humanos não encontrou o câncer de bexiga induzindo pelos efeitos da sacarina e ciclamato, que haviam sido relatados em estudos com animais.
    Para adoçantes de nova geração, é muito cedo para estabelecer qualquer evidência epidemiológica sobre possíveis riscos carcinogênicos. Como muitos adoçantes artificiais são combinados em produtos de hoje, o risco carcinogênico de uma única substância é difícil de avaliar. No entanto, de acordo com a literatura atual, o possível risco de adoçantes artificiais para induzir o câncer parece ser insignificante.
    Ainda é cedo para se dizer se a sucralose é segura ou não. Então todo o cuidado é pouco.
    Seu uso não deve ser descartado, mas também não deve ser indiscriminado.

    ResponderExcluir
  6. Como uma pesquisa séria como essa comete um erro tão banal.

    O sachê da línea pesa 800mg no total (todos os ingredientes juntos). A quantidade de suclarose é apenas 8mg (e não 800mg como essa pesquisa séria indica).

    Ou seja, especificamente falando da sucralose, se a pessoa ingerisse 100 sachês por dia (total de 800mg) ainda estaria abaixo dos 15mg/kg por dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Contesto. Como há só 1% em um sachê de sucralose? Talvez, você que não leu direito o rótulo.

      Excluir
  7. Acho que a pesquisa feita e falha. Os sachets nao sao 100% sucralose, por isso nao ha o consumo de 800mg de sucralose, leia corretamnte o sachet e vera a descricao dos ingredientes

    ResponderExcluir
  8. Que tal deixar isso tudo pra lá e adoçar o cafezinho com uma colherinha de açucar mascavo ou um pedacinho de rapadura...com certeza é seguramente saudável.

    ResponderExcluir
  9. Não vejo como uma coisa boa o consumo indiscriminado e ainda 100% duvidoso de um produto 100% sintético. Eu e meu marido fazemos uso da sucralose por 5 anos (podemos dizer que fizemos parte do grupo de estudo). Há 2 meses sentimos fortes dores de cabeça, minha imunidade está baixa e sabe Deus o que mais podemos ter. Não tenho certeza da culpa da sucralose nisso tudo, mas depois de avaliar tantos estudos e ver uma indústria transformando um produto natural em um elemento químico com átomos de cloro (o mesmo acontece com a fabricação de pesticidas), fico com os dois pés atrás. Preciso dizer que se uma pessoa não tem a necessidade de consumir adoçantes é melhor adequar a dieta com as calorias necessárias para uma vida saudável, dar preferência por consumir produtos naturais e ficar bem longe dos industrializados.

    ResponderExcluir
  10. Alguém ouviu relato de pessoas que toma enalapril, a sucralose causar taquicardia?

    ResponderExcluir
  11. Bom dia a todos.
    Gostaria de ver publicado neste conceituado BLOG. Alguma matéria sobre estudo e análise do emprego do adoçante Stevisídeos (Stévia). E a segurança para consumo humano no papel de adoçante.
    Grato pela atenção dispensada

    ResponderExcluir