Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Leites fermentados: devem fazer parte da alimentação infantil?



O leite fermentado é um alimento obtido através da fermentação láctea, que é um processo metabólico no qual carboidratos e compostos relacionados são parcialmente oxidados, resultando na formação de compostos orgânicos, principalmente ácido láctico. Esse processo provoca a coagulação do leite e a redução do pH, inibindo o crescimento de microrganismos indesejados. Antes de se iniciar o processo de fermentação, o leite desnatado é esterilizado, e depois é adicionado uma cultura de lactobacilos, no caso do Yakult, Lactobacillus casei Shirota. É considerado, portanto, um alimento funcional por conter pro biótico.
Lactobacillus casei Shirota é uma espécie do gênero Lactobacillus encontrada na microbiota intestinal. É uma bactéria capaz de fermentar ácido láctico em temperaturas favoráveis, auxilia na propagação de bactérias benéficas ao equilíbrio gastrointestinal, melhora a resposta imunológica, regula o trânsito gastrointestinal, aumenta o poder de absorção de lactose pelo organismo, e é capaz de antagonizar o crescimento de bactérias patogênicas. Possui uma ampla faixa de temperatura e pH, e contempla o crescimento do Lactobacillus acidophilus, um produtor da enzima amilase. É conhecido também por auxiliar na digestão e redução da intolerância à lactose, e auxiliar no tratamento/prevenção da diarreia produzida por antibióticos.
Uma pesquisadora avaliou a influência da Lactobacillus casei Shirota em um grupo de crianças hospitalizadas sob tratamento com antibióticos β-lactâmicos, e embora nenhuma criança do estudo tenha apresentado diarreia, na avaliação geral, aquelas que receberam o leite fermentado mostrou uma recuperação precoce da microbiota intestinal, em relação às crianças que tomaram placebo. Concluindo que L. casei Shirota é capaz de reequilibrar mais rapidamente a microbiota intestinal.

Entretanto, deve-se observar a idade das crianças. A microbiota intestinal pode variar de acordo com a idade, e o Yakult pode ser prejudicial para crianças pequenas. Além disso, vale lembrar que assim como os outros alimentos industrializados, possui substâncias que podem ser nocivas. Para manter uma vida saudável, é sempre melhor dar preferência aos alimentos naturais, o que deve ser estimulado desde a infância.

Referencias:



ATOBE, Jane Harumi. Efeito do leite fermentado contendo Lactobacillus casei 
Shirota na microbiota intestinal de crianças sob terapia antimicrobiana. 2003. 124 f. 
Tese (Doutorado) - Curso de Farmácia, Análises Clínicas, Universidade de São 
Paulo, São Paulo, 20

Aluna: Ligia Chaves Lima de Freitas DRE:111310045

Um comentário:

  1. Leonardo Rodrigues11 de agosto de 2017 22:10

    A microbiota humana consiste no conjunto de microrganismos que vivem em harmonia em nosso corpo e é de grandíssima importância para proteção por competição contra patógenos, no estímulo do sistema imune, na metabolização de fármacos, entre outros benefícios. No entanto, desequilíbrios na microbiota, denominados disbioses, podem levar ao desenvolvimento de doenças.
    Alimentos probióticos como o Yakult atuam contribuindo para o equilíbrio da microbiota intestinal e, dessa maneira, levam a diversos benefícios. Contudo, o consumo de leites fermentados deve ser realizado de maneira consciente, assim como qualquer outro tipo de alimento. Cuidados como a quantidade ingerida em relação as valores diários de seus componentes devem sempre ser tomados.
    Em relação ao consumo destes probióticos por crianças, além dos cuidados gerais já citados, deve-se estar atento para a idade. Sabe-se que recém nascidos começam o processo natural de formação de sua microbiota logo após o nascimento. Bebês de até 1 ano de idade ainda apresentam sua microbiota bastante imatura e, portanto, o consumo de probióticos não é recomendado. Recomenda-se apenas amamentação com leite materno nos primeiros meses de vida (até 6 meses) e posterior implementação gradativa de alimentos naturais como frutas e legumes.

    ResponderExcluir