Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

sábado, 6 de julho de 2013

Teor de sódio em "sucos de caixinha"




          Na busca de se conseguir hábitos alimentares saudáveis, o consumo de alimentos naturais é um dos meios para tal. Atualmente, os "sucos de caixinha" são bastante consumidos como uma opção para o refrigerante, por exemplo, além de sua apresentação ser bastante prática. Para que o suco natural consiga se manter próprio para o consumo, é necessário a adição de conservantes. Adição de corantes e aromatizantes também é feita, o que também pode causar problemas como reações alérgicas. A adição de conservantes é uma das causas pelos altos níveis de sódio nesses sucos, já que os conservantes possuem sódio, como o benzoato de sódio. O alto consumo de sódio pode nos trazer sérios problemas, como os relacionados a pressão arterial. Portanto, será que o grande consumo destes sucos ditos naturais deve ser controlado? Será que este tipo de suco é a opção mais saudável?

Por: Fabíola Xavier e Gabriel Duarte



Apresentação do Produto


          De acordo com o decreto do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) n° 2314, 4 de setembro de 1997, suco de fruta é “bebida não fermentada, não concentrada e não diluída, destinada ao consumo, obtida da fruta madura e sã, ou parte do vegetal de origem, por processamento tecnológico adequado, submetida a tratamento que assegure a sua apresentação e conservação até o momento do consumo”.

          Atualmente tem se difundido bastante o consumo de sucos de fruta como uma opção ao refrigerante, por exemplo, pensando em se adequar a uma alimentação saudável. É popular a venda de “sucos de caixinha”, os quais são bastante práticos em diversos aspectos, como não ser necessário o trabalho em se extrair o suco da própria fruta, a facilidade em se transportar as caixinhas desse suco, entre outros fatores.

          Analisando as informações nutricionais contidas no rótulo desses sucos, é possível ver, além de outros componentes, que existe uma quantidade considerável de sódio em uma porção de suco.
         Ao analisar o rótulo de uma marca de suco, o Suco Del Valle Kapo de uva, produto para o público infantil, os ingredientes basicamente são: água, açúcar, suco da fruta, vitaminas, aroma sintético idêntico ao natural, acidulante ácido cítrico e estabilizante goma guar. Analisando as informações nutricionais, a quantidade de sódio fica em torno de 8,3 mg, variando de acordo com o sabor do suco entre 7,0 e 9,0 mg.
        A apresentação de um suco de uva “Del Valle Mais” de 1 litro contém os ingredientes: água, suco concentrado da fruta, açúcar, aroma natural, acidulante ácido cítrico e espessante goma xantana. Analisando a quantidade de sódio encontrada nas informações nutricionais vemos 7,6 mg. Os sucos de outras frutas variam entre 7,0 e 8,0 mg de sódio. Importante atentar ao fato de que o suco de caju possui um nível superior ao restante, que é de 12 mg.
           Analisando os sucos da marca "Sufresh" de 1 litro observa-se os maiores teores de sódio que variam de 25 mg no Suco Tropical de Manga, 29 mg estão presentes no Néctar de Pêssego, e o maior teor de todos está no Suco Tropical de Maracujá com 59 mg. 
      A ingestão de grandes quantidades de sódio pode ser bastante prejudicial a saúde. Portanto, dependendo da quantidade de suco ingerida, consequentemente serão ingeridas grandes quantidades de sódio.
         O questionamento seria a origem desse sódio. Já que existe variação de sódio entre os sucos das frutas, podemos pensar que uma das origens pode ser da fruta, porém não faz sentido grandes quantidades originadas somente da fruta. Outra hipótese seria que o sódio pode ser originado de algum outro componente contido no suco, como o conservante, o benzoato de sódio, por exemplo, que é comumente utilizado neste tipo de produto.

Fundamentos Bromatológicos e Toxicológicos
      O sódio é um elemento essencial, que tem como principais funções manter o balanço eletrolítico adequado de fluidos no organismo humano, a contração muscular e condução dos impulsos nervosos. No entanto, o excesso de sódio no organismo leva à retenção de líquido, o que acarreta aumento do volume de sangue, e conseqüentemente, aumento da pressão sanguínea. A pressão elevada sobrecarrega o coração e pode resultar em sérios problemas circulatórios.
         O consumo recomendado de sódio para adultos saudáveis, definido como Valor Diário de Referência (VDR), é de 2000 mg, segundo Organização Mundial de Saúde (OMS). No entanto, pessoas idosas ou com doenças crônicas, como hipertensão, diabetes e insuficiência renal, devem consumir quantidades menores. Por estes motivos, o consumo de sódio é encarado com uma questão de saúde pública.
         O sódio está presente nos produtos industrializados, atuando no sabor e conservação dos alimentos. Quanto à conservação, tem-se os chamados aditivos químicos, que são substâncias adicionadas intencionalmente aos alimentos, sem objetivos de nutrir, mas que modifiquem características desses alimentos durante etapas de fabricação, armazenamento, transporte ou manipulação. No caso dos sucos, para que mantenham suas características por longo período fora da geladeira, e ainda estejam em boas condições para o consumo, adiciona-se conservantes, e um dos mais utilizados é o benzoato de sódio que possui função bactericida e fungicida.



Legislação Pertinente
          A rotulagem dos sucos de fruta prontos para beber deve atender às exigências da ANVISA sobre rotulagem de alimentos embalados, conforme os Regulamentos Técnicos da RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002, sobre rotulagem de alimentos embalados, a RDC nº 359, de 23 de dezembro de 2003, sobre porções de alimentos embalados para fins de rotulagem nutricional, a RDC nº 360, de 23 de dezembro de 2003, sobre rotulagem nutricional de alimentos, a Portaria nº 27, de 13 de janeiro de 1998, referente à informação nutricional complementar.
          De acordo com a RDC n° 5 de 15 de janeiro de 2007 que trata dos aditivos permitidos em bebidas não alcoólicas e não gaseificadas prontas para o consumo e os respectivos limites, para o benzoato de sódio (INS 211), o limite máximo é de 0,5 grama por litro.
          Embora os produtos estejam de acordo com a regulamentação quanto ao teor de sódio, há muita diferença nesse teor de uma marca para outra e de sabores diferentes. Há, ainda, muitas marcas que declaram que não contêm conservantes, mesmo tendo declarado na lista de ingredientes o uso de aditivos conservadores permitidos em sucos. Problemas como esses, favorecem a produção de sucos não regulamentados. A falta de padronização da terminologia e mudanças freqüentes na legislação de rotulagem levam a interpretação equivocada da legislação e confusão por parte do consumidor.



Discussão
          Quando analisamos as informações nutricionais dos sucos, conseguimos perceber a variação do teor de sódio entre os sucos de determinadas frutas. Uma hipótese a se levantar é a quantidade de sódio que cada fruta contém, que pode variar entre elas. Outra hipótese seria a necessidade de se utilizar maior quantidade de conservantes, pela fruta ser mais susceptível a degradação, considerando que o conservante utilizado seria o benzoato de sódio, o qual poderia ser uma fonte de sódio, o que aumentaria o teor de sódio.
          O aumento do consumo de suco de fruta industrializado vem crescendo no mercado brasileiro, principalmente os prontos para beber que oferecem saúde, conveniência, sabor e inovação.
          A apresentação do produto em “caixinhas” é bastante prática por poder ser conservada fora da geladeira antes da violação do lacre, mesmo depois de aberto na geladeira. Os produtos infantis são mais práticos ainda para que as crianças possam levar como opção de bebida para o lanche escolar. A apresentação do produto infantil é bastante chamativa e colorida, o que traz certo status no meio escolar.
         Relacionado à apresentação, um ponto importante seria o apelo comercial que este tipo de produto tem. O poder da publicidade e do marketing é tão grande que uma simples embalagem pode nos levar a acreditar que a bebida é tão saudável quanto a fruta in natura que originou o produto. As imagens contidas nestas caixas são sempre de frutas frescas, porém o suco não é mais fresco, evidentemente.
          O consumo deste tipo de produto não é de todo prejudicial. O que devemos nos atentar é sobre a quantidade deste tipo de suco consumida, já que se consumido em grandes quantidades, conseqüentemente será ingerido altos teores de sódio, sendo prejudicial aos consumidores em geral, adultos e crianças, mas principalmente aqueles consumidores que possuem restrições de sódio na dieta.


Conclusão
         Os aditivos devem ser utilizados nas menores quantidades possíveis para se obter o efeito desejável, e para isso é recomendável a aplicação de boas práticas de fabricação, bem como de métodos físicos de conservação. Se possível, deve-se combinar a conservação do suco com teores saudáveis de componentes que podem ser prejudiciais.
          Quando optamos por comprar o suco pronto de caixinha, devemos estar atentos às informações nutricionais de cada marca e sabor de suco. Ao observar diversas marcas de sucos presentes no mercado é notável que a quantidade de sódio varia muito, o consumidor deve estar alerta às informações contidas nos rótulos e optar sempre pela marca que apresenta o menor teor de sódio. O recomendável é o consumo deste tipo de suco com moderação e, sempre que possível, optar pelo suco natural da fruta, feito na hora.


Referências Bibliográficas
 
BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Decreto nº 2.314, de 04 de setembro de 1997. Regulamenta a Lei nº 8.918, de 14 de julho de 1994, que dispõe sobre a padronização, a classificação, o registro, a inspeção, a produção e a fiscalização de bebidas.
Disponível em:
<http://www.receita.fazenda.gov.br/Legislacao/Decretos/Ant2001/Ant1999/Dec231497.htm>

BRASIL. Portaria nº 27, de 13 de janeiro de 1998. A secretaria de Vigilância Sanitária do MS aprova o regulamento técnico referente à informação nutricional complementar.
Disponível em:
<http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/9180ca00474581008d31dd3fbc4c6735/PORTARIA_27_1998.pdfMOD=AJPERES>

BRASIL. Resolução RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002. A Diretoria Colegiada da ANVISA/MS aprova o regulamento técnico para rotulagem de alimentos embalados.
Disponível em:
<http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/36bf398047457db389d8dd3fbc4c6735/RDC_259.pdfMOD=AJPERES>

BRASIL. Resolução RDC nº 359, de 23 de dezembro de 2003. A Diretoria Colegiada da ANVISA/MS aprova o regulamento técnico de porções de alimentos embalados para fins de rotulagem nutricional.
Disponível em:
BRASIL. Resolução RDC nº 360, de 23 de dezembro de 2003. A Diretoria Colegiada da ANVISA/MS aprova o regulamento técnico sobre rotulagem nutricional de alimentos embalados.
Disponível em:
BRASIL. Resolução RDC n° 5, de 15 de janeiro de 2007. A Diretoria Colegiada da ANVISA/MS aprova o regulamento técnico sobre atribuição de aditivos e seus limites máximos para a categoria de alimentos: bebidas não alcoólicas, gaseificadas e não gaseificadas.
Disponível em:


FERRAREZI, A. C.; SANTOS, K. M. O.; MONTEIRO, M. Avaliação crítica da legislação brasileira de sucos de fruta, com ênfase no suco de fruta pronto para beber. Revista de Nutrição, Campinas, v. 23, n. 4, p. 667-677, jan./ago., 2010.

6 comentários:

  1. O maguary possui no de laranja 2,3mg. Se não tá errado, é bem baixo.

    ResponderExcluir
  2. Carolina Mattos de Araujo Sant'Anna9 de setembro de 2013 21:20

    Em uma pesquisa feita pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), o poder da publicidade e do marketing é tão influenciável nos produtos alimentícios, que uma simples embalagem de um suco de frutas de caixinha pode fazer acreditar o consumidor que tal bebida é tão saudável quanto à fruta in natura que originou o produto. Assim é demonstrado por um estudo analítico realizado em 2012 por Padilha & Mouchrek, no qual foram determinados os teores de sódio em 16 amostras de diversas marcas de sucos industrializados, e os teores de sódio encontrados ultrapassaram os designados nos seus respectivos rótulos em todas as amostras analisadas. 10 dessas amostras ainda apresentavam em seu rótulo as especificações do tipo: “sem quantidades significativas de sódio” ou “0 mg de sódio” para uma determinada porção, sendo encontrado nas análises mais de 500mg/L de sódio nesses produtos. De acordo com a RDC nº 360, de 23 de dezembro de 2003, sobre rotulagem nutricional de alimentos, a informação nutricional será expressa como “zero” ou “0” ou “não contém” para valor energético e ou nutrientes quando o alimento contiver quantidades menores ou iguais as estabelecidas como “não significativas” de acordo com uma tabela de valores, e para o sódio o valor não significativo seria menor ou igual a 5 mg. Essas informações indicam irregularidades na rotulagem desses sucos industrializados, que podem enganar o consumidor que não saberia da quantidade real de sódio que consumiria, sendo possível trazer riscos a sua saúde.

    ResponderExcluir
  3. O consumo de sucos por pessoas que querem manter um estilo de vida saudável definitivamente bastante perceptível, isso se da pelo simples fato de o consumidor associar a palavra suco com algo que é natural e é saudável. No entanto como vimos na postagem acima, produtos de sucos industrializados nem sempre podem ser tão saudáveis como todos pensam. Além do sódio mencionado, um outro fator de grande relevância deve ser observado, como a presença de conservantes e cortantes presentes neste suco, estes conservantes podem apresentar interações com medicamentos, como o benzoato de sódio por exemplo, que pode interagir com suplementos usados para emagrecer , onde frequentemente encontra-se a L-Carnitina (uma amina quaternária que tem a função de levar os ácidos graxos presentes no citoplasma das células para a mitocôndria para gerar energia), gerando assim interações que podem ser maléficas para o individuo como descrito por artigos científicos (Coelho CdF, Mota JF, Bragrança E, Burini RC. Aplicações clínicas da suplementação de L-carnitina. Revista de Nutrição. 2005;18:651-9.), uma vez que pessoas que desejam emagrecer costumam beber sucos por pensar que são mais saudáveis esse tipo de interação não é difícil de ocorrer, isto sem contar os corantes, uma vez que algumas pessoas são alérgicas aos mesmos.
    O sódio também deve ser muito bem observado, pois apenas por levar o nome de suco e ter frutas estampadas nos rótulos um consumidor que tenha problema de hipertensão, ou que seja propício a ter , pode adquirir o produto pensando estar adquirindo algo que fará bem, e na verdade estará tendo a sua saúde prejudicada, podendo piorar o seu quadro e ficando dependente de medicamentos para controlar a pressão, que muitas das vezes envolvem uma terapia longa e demorada para controlar o problema, e isto deveria ser informado de forma bem visível no rótulo dos produtos.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. O sódio é um dos grandes inimigos da saúde nos dias atuais. Invisível aos olhos, muitas vezes é consumido em excesso e acaba trazendo diversos danos à saúde como a retenção de líquido, hipertensão e problemas renais.
    Todos os sucos industrializados apresentam redução do teor de nutrientes, além da adição de um ou mais aditivos químicos como corantes, aromatizantes e/ou conservantes. O conservante benzoato de sódio está presente na maioria das bebidas industrializadas. Além dele, os corantes tartrazina (INS102) e amaranto (INS123) são apontados como causadores de reações alérgicas e estão ligados ao aumento de distúrbios de atenção e hiperatividade infantil.
    Isto torna-se uma preocupação, pois muitos pais achando que estão fazendo bem para seus filhos compram estes produtos e, desta forma, no futuro, poderão ter doenças como hipertensão. O maior problema é que como esses produtos são doces, ninguém se atenta para a quantidade de sódio que eles possuem.
    As pessoas substituem muitas vezes os refrigerantes por sucos industrializados achando que estão consumindo um produto mais natural e saudável. Porém estes sucos em caixa contém uma quantidade de sódio que, juntamente com uma ingestão de alimentos com alto teor de sódio, podem ser prejudiciais à saúde.

    ResponderExcluir
  6. ANA CAROLINA JABOUR
    DRE: 110130044

    A hipertensão arterial é considerada um problema de saúde pública por sua magnitude, risco e dificuldades no seu controle. É também reconhecida como
    um dos mais importantes fatores de risco para o desenvolvimento do acidente vascular cerebral e infarto do miocárdio. A regulação de sódio no organismo humano é bem ordenada de modo que quando a concentração de sódio aumenta demasiadamente, o cérebro sente sede, incitando a pessoa a beber. Quando os sensores dos vasos sanguíneos e dos rins sentem um aumento da pressão arterial e os sensores do coração detectam um aumento do volume sanguíneo, estimulam-se os rins para que sejam excretados mais sódio e urina, reduzindo desse modo o volume sanguíneo. O volume sanguíneo aumenta quando há um excesso de sódio no corpo. O líquido extra acumula-se no espaço que rodeia as células, dando como resultado uma afecção denominada edema. Um sinal de edema é a tumefacção dos pés, tornozelos e parte inferior das pernas. O volume de sangue e a concentração de sódio podem ver-se afetados quando se perdem ou se ganham os excessos de água e sódio. Porém quando há um grande excesso no consumo de sódio há um desbalanço que aumenta a pressão arterial “cronicamente” e deve ser tratada com terapia farmacológica e acompanhamento nutricional.
    Há outros motivos que reforçam a necessidade de usar o sal com moderação. Há evidências de que a ingestão exagerada de sódio pode causar pedras nos rins, piorar a resistência ao hormônio insulina, um fator de risco para diabete do tipo 2, e também contribuir para o surgimento de problemas estomacais, como gastrite e úlcera.

    Referências :
    Dahl LK, Knudsen KD, Heine MA, Leitl GJ. Effects of chronic excess salt ingestion: modification of experimental hypertension in the rat by variations in the diets.
    Intersalt Cooperative Research Group. Intersalt: an international study of electrolyte excretion and blood pressure. Results for 24-hour urinary sodium and potassium excretion. BMJ 1988;297:319-28.
    Cutler JA, Follmann D, Allender PS. Randomized trials of sodium restriction: an overview. Am J Clin Nutr 1997;65 Suppl: 645-51

    ResponderExcluir